In The Money

Depois de ganhos de 1.000% com Usiminas, Petrobras pode ser o grande destaque das opções em fevereiro

O analista técnico Fernando Góes, da Clear Corretora, comentou suas projeções para o mercado na última edição do programa "In The Money", que apresenta todas às segundas-feiras na InfoMoneyTV

SÃO PAULO – O exercício das opções do mês de janeiro vai deixar saudades – além de um call de cenário com Vale, que proporcionou ganhos de 340% para quem o seguiu, a Usiminas também trouxe uma chance de ouro na reta final do vencimento, com uma explosão de mais de 1.000% em poucos dias. Mas essa euforia do mercado, no entanto, não parece ter chegado ao fim: o gráfico de longo prazo segue sinalizando que a tendência de alta veio para ficar e outras boas oportunidades devem aparecer no caminho do exercício de fevereiro, aponta o analista técnico Fernando Góes, da Clear Corretora, na última edição do “In The Money”, que excepcionalmente na última segunda-feira foi transmitido perto das 19h. O programa é exibido normalmente às 15h40 na InfoMoneyTV

Para ele, a Petrobras deve ser o grande destaque desse exercício. “Não acharia errado montar agora uma estratégia de cenário (que é usada pelo analista quando há dúvidas sobre a velocidade do movimento) com opções da Petrobras, pensando em um alvo entre os R$ 19,50 e R$ 20,00”. No entanto, ele diz que prefere esperar mais um pouco para entrar em uma posição, pensando que a ação engatou uma alta de R$ 14,90 até os R$ 17,40, valorização de 17%,  praticamente sem parar.

Conheça o método Grande Tacada e saiba como ele pode turbinar seus ganhos na Bolsa em um workshop online e gratuito na próxima terça-feira (23/01).

PUBLICIDADE

Ele acredita que a ação tem 3 caminhos possíveis a partir deste momento. São eles: 1) romper o topo e fazer um “caiu, comprou”; 2) realmente iniciar uma realização, gerando uma compra; e 3) lateralizar e abrir posteriormente uma oportunidade de compra. “Mas, independente desses cenários, eu não quero mexer com put (opção de venda) nesse momento, mesmo se realizar”, comentou.

Além da petroleira, Góes apontou que os bancos também parecem interessantes, mas que também não tem pressa para entrar nessas operações. Já a Vale e as siderúrgicas, que andaram bastante nos últimos dias, precisariam de uma correção para depois voltar a pensar em compras. Do setor, CSN é a que ele acredita que esteja com o gráfico mais “complexo”, enquanto Gerdau estaria mais próxima de uma possível entrada. 

Confira abaixo o programa na íntegra: