Crise política

Demissão de Mario Monti castiga mercado de dívida da Itália

Investidores exigem mais para comprar bônus italiano depois de pedido de renúncia do primeiro-ministro do país

SÃO PAULO – Os investidores exigem um retorno maior para comprar os títulos públicos de dez anos da Itália nesta segunda-feira (10) por conta de receios sobre o futuro político do país. O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, afirmou no sábado que pretende deixar o cargo logo que o parlamento aprove a legislação orçamental para 2013, o que deve ocorrer até o fim do ano.

Esta decisão surgiu no mesmo dia em que Silvio Berlusconi anunciou que vai tentar governar o país novamente. Os anúncios causaram uma reviravolta no cenário político italiano e abriram espaço para eleições antecipadas.

O país tem um leilão de dívida programado para esta semana, o que, na opinião de analistas, pode ser um teste decisivo sobre o apetite dos investidores por bônus italianos, diante da possibilidade de Berlusconi voltar ao poder. 

PUBLICIDADE

Os efeitos da iminente saída do primeiro-ministro italiano se alastraram à Espanha, confirmando os receios levantados pelo ministro das Finanças espanhol, Luis de Guindos, que afirmou também nesta segunda-feira que temia um “contágio imediato” da instabilidade política italiana.

PaísRendimentoVariaçãoSpread vs. Bund*
Grécia14,16%-2,17%+12,88
Portugal7,54%-0,30%+6,26
Itália4,89%+8,13%+3,61
Espanha5,65%+3,48%+4,37
França1,95%-0,41%+0,67
Alemanha1,28%-1,54%

* Diferença calculada em pontos percentuais. Fonte: Bloomberg

Entenda: quanto maior, pior
Os títulos públicos são uma das maneiras que os governos possuem para se financiar, enquanto a variação diária dos rendimentos decorre das negociações no mercado secundário. O juro pago pelo governo e o valor do papel são definidos no momento da emissão dos títulos, mas este último sofre variação no mercado secundário.

Assim, quanto mais arriscado um investimento, maior será o prêmio demandado pelos investidores no mercado secundário. Portanto, o valor do título recua e, consequentemente, o rendimento no mercado secundário aumenta. Tal variação positiva é uma indicação de que caso o governo opte por emitir novos papéis o custo para se financiar deverá ser maior.