Criação de mercado secundário deve beneficiar fundos imobiliários

Falta de liquidez e transparência dificulta expansão do setor; volume esperado é de R$ 200 milhões ou 10% do patrimônio

Equipe InfoMoney

Publicidade

SÃO PAULO – Os fundos imobiliários são, desde a segunda metade do ano passado, uma das aplicações mais procuradas pelos investidores de perfil mais conservador, que buscam diversificar a forma com que aplicam seu dinheiro.

Até então esta opção de investimento estava restrita aos investidores que tinham quantias mais elevadas para investir, mas desde o lançamento do fundo da Caixa Econômica Federal, cuja aplicação mínima era de apenas R$ 1 mil, o mercado se abriu também aos pequenos investidores.

Falta de liquidez é maior entrave

O grande problema dos fundos imobiliários é a dificuldade de se negociar as cotas, pois não existe um mercado secundário formal, o que acaba prejudicando a liquidez do investimento, e forçando, dependendo do fundo o investidor a vender suas cotas com deságio.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Buscando aumentar a liquidez dos fundos imobiliários, a Bovespa estaria estudando a possibilidade de criar um espaço dedicado para a negociação de cotas de fundos imobiliários. A escolha teria recaído sobre o Soma (Sociedade Operadora do Mercado de Ativos, onde serão negociadas as cotas do fundo da Caixa, lançado em novembro do ano passado.

Com um patrimônio de cerca R$ 2 bilhões, os fundos imobiliários só não atraíram um número maior de investidores exatamente pelas dificuldades de negociação e pela falta de transparência do mercado. Afinal, para o mesmo perfil de risco, e rentabilidade semelhante, o investidor conservador pode optar pelos fundos DI e de renda fixa, que possuem uma liquidez muito maior.

Volume de cerca R$ 200 milhões

De acordo com informações do diretor do Soma responsável pelo projeto, Romeu Pasquantonio, a intenção é contar com pelo menos dez fundos negociados no Soma até o final deste ano.

Continua depois da publicidade

Até o momento já existem planos para o lançamento de dois novos fundos neste mercado, o Torre Norte (que investe em um edifício na região comercial nobre de São Paulo) e o Almirante Barroso (fundo da Caixa que investe no edifício sede da instituição no Rio de Janeiro). No caso do Torre Norte, as cotas que serão negociadas pertencem à carteira do fundo de pensão da Caixa, o Funcef, que pretende colocar no Soma as cotas que possui no Torre Norte por um valor de R$ 60 milhões.

O setor está bastante otimista com a idéia de usar o Soma para negociação de cotas dos fundos imobiliários, e alguns especialistas acreditam que o volume do mercado deve, em um primeiro momento, ser equivalente a 10% do patrimônio da indústria, o que equivale a R$ 200 milhões.

Duas das maiores instituições atuantes no mercado já anunciaram que devem apoiar a iniciativa. Dentre elas destaque para a Mercúrio DTVM, que pretende registrar pelo menos quatro dos seus 19 fundos no Soma, um dos mais conhecidos seria o fundo que investe no Shopping Pátio Higienópolis, de São Paulo.

Mais transparência

Além da maior liquidez, o mercado deve se beneficiar com o fato de que, com a criação de um mercado secundário, o investimento em fundos imobiliários também deve se tornar mais transparente. Não somente será exigida a publicação de balanços dos fundos a cada seis meses, como também as cotas podem ser acompanhadas diariamente através dos jornais. Além disto, os investidores interessados em comprar cota dos fundos poderão faze-lo pela internet, através do SomaBroker.

Pasquantonio também pretende que sejam organizadas reuniões na Abamec sobre o setor, de forma semelhante ao que acontece com as empresas cotadas na Bovespa. As reuniões serviriam para aumentar o conhecimento sobre o mercado e, sobretudo, o interesse dos investidores neste tipo de aplicação.

Uma das mudanças que estariam sendo estudadas com relação aos negócios de cotas de fundos imobiliários é o cruzamento das ordens de compra e venda somente no final do dia. Esta mudança impediria que uma oferta de compra acabe caindo no vazio por falta de uma oferta de venda no mesmo momento.

Esta seria a solução encontrada para contornar o problema da falta de liquidez do mercado. Comprada no final do ano passado pela Bovespa, a Soma também planeja em breve trazer ao mercado empresas emergentes que tenham boa governança corporativa e que já façam parte das carteiras de investimento de fundos de private equity.