Radar InfoMoney

Corte da Petrobras, recomendações, “insider trading” e mais 6 notícias no radar

Confira os principais destaques corporativos desta quinta-feira

Por  Paula Barra

SÃO PAULO – A revisão do rating do Brasil para um possível corte e o rebaixamento da Petrobras (PETR3; PETR4) pela Moody’s ontem à noite, embora não tenha trazido impacto imediato para os ativos brasileiros, dá o tom do noticiário desta quinta-feira (10). 

Essa foi a terceira vez no ano que a agência classificação de risco rebaixou a nota da estatal, indo agora de “Ba2” para “Ba3”. A agência ainda revisou a nota da petrolífera para possível novo rebaixamento. Em fevereiro, a Petrobras perdeu o grau de investimento pela Moody’s ao ser rebaixada de “Baa3” para “Ba2”. 

Ainda sobre a companhia, reportagem do Valor aponta que a audiência da ação coletiva em Nova York movida por investidores contra a Petrobras, prevista para ontem à tarde, foi adiada para 21 de dezembro, refletindo um conflito de horários na agenda do juiz Jed Rakoff, responsável pela ação. 

Banco do Brasil
O Banco do Brasil (BBAS3) recompra US$ 512,8 milhões em títulos de dívida e vê impacto positivo de R$ 210 milhões no balanço do 4° trimestre, líquidos de impostos, segundo comunicado divulgado nesta quinta-feira (10). 

O banco informou ter recomprado US$ 300 milhões em bônus perpétuos remunerados à taxa de 9% ao ano, mais US$ 112,8 milhões em bônus perpétuos remunerados a 9,25% ao ano e US$ 100 milhões em sênior notes com vencimento em 2022 remunerados à taxa de 3,875% ao ano.

Além disso, o Tesouro reforçou que está efetuando os pagamentos ao Banco do Brasil para reverter à situação verificada no ano passado, em meio às discussões sobre acertos das “pedaladas fiscais”, segundo informou o Valor. Até 31 de novembro, o Tesouro pagou R$ 5,363 bilhões ao banco, contra previsão de que sejam quitados mais R$ 703 milhões até o fim do ano. Em 2014, foram destinados R$ 874,8 milhões. 

BTG Pactual
A defesa do banqueiro André Esteves, ex-controlador e ex-presidente do BTG Pactual (BBTG11), pediu nesta quarta-feira ao STF (Supremo Tribunal Federal) a revogação da prisão preventiva do executivo, informou a assessoria do banco de investimentos. O pedido foi feito pelo advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay.

JBS
A JBS (JBSS3) teve aval do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para compra das marcas Hans/Eder da Premium Foods. A operação foi aprovada sem restrições, segundo ata do Cade publicada no Diário Oficial. 

BR Properties
A BR Properties (BRPR3) teve seu rating cortado pela Standard & Poor’s de “BB” para “BB-“, com perspectiva estável. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Totvs
Já a Totvs (TOTS3) foi rebaixada de overweight (desempenho acima da média) para neutra pelo JPMorgan. 

Pão de Açúcar
Já o Pão de Açúcar (PCAR4) teve sua recomendação revisada para baixo pelo Bradesco BBI, indo para market perform (desempenho em linha com a média). 

Telefônica Brasil
A Telefônica Brasil (VIVT4), dona da Vivo, aprovou a recompra de até 31,6 milhões de ações ordinárias e 415,1 milhões de preferenciais até junho de 2017.  

Segundo o BTG Pactual, o impacto será marginalmente positivo, apesar da recompra representar 3% das ações preferenciais em circulação em mercado e 10% das ordinárias, ou somente 2,6% do valor de mercado da empresa. Pelos cálculos do banco, em termos nominais, a recompra será de R$ 1,5 bilhão, no caso das preferenciais e R$ 27,4 milhões, das ordinárias.

Wilson Sons
A Wilson Sons (WSON11) informou que sua movimentação de contêineres cresceu 32,5% em novembro na comparação com o mês passado.  

Laep
A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) decidiu em julgamento nesta quarta-feira multar em R$ 600 mil ex-conselheiro da Laep Investments (MILK33), antiga controladora da marca Parmalat no Brasil, em caso de informação privilegiada. Segundo a CVM, Othniel Rodrigues Lopes deverá pagar três multas distintas, de R$ 200 mil cada, por vendas de BDRs da Laep em três momentos distintos antes de divulgações de operações da companhia em 2010. 

Em 15 de janeiro 2010, a Laep divulgou fato relevante anunciando capitalização de 120 milhões de reais com o fundo de investimento Global Yield Fund Limited (GEM), destinada ao reforço de capital de giro e à readequação da estrutura de capital da companhia. A área responsável da CVM verificou que executivos da empresa, entre eles, Lopes, venderam em bolsa BDRs patrocinados pela Laep antes da divulgação do documento.

(Com Reuters)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe