Quem perde na bolsa

Coronavírus: quais setores e ações da bolsa brasileira são os mais impactados pela nova emergência global?

Analistas destacam que ações de empresas de commodities são as que mais podem sofrer no curto prazo - mas não há motivo para pânico

arrow_forwardMais sobre
Chineses com máscaras de proteção; coronavírus
(Ansa)

SÃO PAULO – O temor sobre os efeitos do coronavírus vem impactando fortemente os mercados, inclusive o brasileiro, em meio às indicações de que o surto da doença que se assemelha a uma pneumonia afete fortemente a economia chinesa e, consequentemente, a mundial.

Conforme destacou Zhang Ming, economista do governo do gigante asiático, o crescimento econômico do país pode cair para 5% ou menos no primeiro trimestre por conta do surto, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quinta-feira (30) o coronavírus como emergência global. O Brasil, por ser um dos maiores exportadores para a China, pode ver diversos setores da economia sendo impactados.

O Itaú BBA, o Morgan Stanley, XP Investimentos e Bradesco BBI apontaram o impacto para diferentes setores da economia da América Latina e, especialmente, para a brasileira.

PUBLICIDADE

A equipe de análise do Itaú BBA avalia que a China é o parceiro comercial considerado chave para a economia latino-americana, sendo o principal parceiro de Peru, China e Brasil, com o gigante asiático sendo responsável por mais de 20% do total exportado desses países. Assim, dada a importância dessa relação, é possível um impacto direto para o PIB dessas nações.

Apesar de haver vários segmentos impactados, a mensagem é de que não há motivos para pânico, ainda mais quando se traçam paralelos com outros surtos de doença ao longo dos últimos anos e o impacto para a economia e para os mercados no longo prazo. Contudo, no curto prazo, algumas empresas podem sofrer.

Veja abaixo alguns dos setores que podem ser impactados de forma significativo pelo surto de coronavírus:

Commodities

Mineração, siderurgia e celulose

Os analistas do Itaú BBA fizeram um paralelo entre o novo coronavírus e a crise com a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, na sigla em inglês), em 2003, que também levou a uma desaceleração da economia chinesa.

A análise sugere que a crise do SARS teve um impacto limitado nos preços de commodities em geral. Após a crise no início daquele ano, na segunda metade de 2003 os preços das ações de companhias do setor recuperaram o valor de antes do surto da doença. Contudo, eles fazem a ponderação de que a China tem agora um papel mais forte como demandante de commodities do que há 17 anos.

Neste cenário, mineração e companhias de celulose aparecem como mais expostas à China, com o Ebitda (lucro antes de juros, depreciações e amortizações) sendo mais diretamente afetados, o que é negativo para Vale (VALE3) e Suzano (SUZB3).

PUBLICIDADE

A China responde diretamente por 72% e 49% da demanda global por minério de ferro e cobre por via marítima, respectivamente, resultando em uma participação significativa no Ebitda das mineradoras. Os analistas apontam que 48% do Ebitda da Vale e 31% do Ebitda da CSN (CSNA3) estão vinculados ao gigante chinês.

Vale ressaltar que, durante o pico do surto de SARS, a produção de aço bruto e as importações de cobre cresceram a uma média de 22% e 53% ao ano respectivamente, indicando não haver um impacto claro no mercado físico do insumo.

“Dito isso, o sentimento negativo do mercado fez com que os preços do cobre caíssem cerca de 11% entre fevereiro e abril de 2003 antes de retornaram rapidamente aos níveis anteriores no final de maio”, avaliam os analistas.

Para eles, embora os preços mais baixos de minério de ferro e cobre possam pesar nas margens dos produtores, o efeito pode ser suavizado pelo fato das empresas de mineração estarem operando com custos baixos.

A China também responde pela maior parte do crescimento da demanda global de celulose (36%). Contudo, o impacto nas empresas brasileiras é diferente: ela é responsável por uma participação relativamente maior no Ebitda da Suzano (43%) do que da Klabin (15%).

“Houve um impacto limitado nos mercados físicos durante a crise da SARS, e os preços de celulose de fibra curta e longa permaneceram fortes e em alta, apoiados por um crescimento médio de 18% na produção de papel chinesa. No entanto, considerando que a China deve impulsionar todo o crescimento estimado para o setor nos próximos anos (entre 2020 e 2023), uma revisão para baixo das taxas de crescimento da demanda por celulose do país pode adiar a tão esperada recuperação dos preços da celulose”, avalia o Itaú BBA.

Por outro lado, avaliam, os resultados dos produtores de papel dependem mais da demanda regional, sugerindo uma resiliência relativamente mais alta dos números operacionais da Klabin em relação aos da Suzano. Enquanto isso, em meio ao surto (com as pessoas evitando sair de casa), o comércio eletrônico pode ganhar relevância na comparação com as lojas físicas na China, dando suporte ao aumento da demanda por embalagens.

Enquanto isso, as empresas siderúrgicas estão menos expostas diretamente à China, mas os preços globais podem impactar essas empresas. A maior parte das receitas e do Ebitda dessas companhias são provenientes de seus respectivos mercados domésticos, com a China tendo uma participação direta de menos de 5% do Ebitda.

PUBLICIDADE

“Dito isso, contudo, um potencial declínio nos preços globais do aço pode ter efeitos negativos sobre os preços no Brasil, Argentina e México devido às relações de paridade de importação. De fato, os preços domésticos de aço tipo HRC e vergalhão da China caíram 19% e 4%, respectivamente, de fevereiro a maio de 2003, antes de se recuperar para níveis anteriores em outubro daquele ano. Pelo lado positivo, moedas locais mais depreciadas podem ajudar a compensar parcialmente o impacto da queda dos preços”, avaliam.

Além disso, atenção para as possíveis medidas de estímulo do governo chinês, que podem ser anunciadas para reverter o cenário de desaceleração da economia e impactar positivamente as siderúrgicas e mineradoras.

Petroleiras

O petróleo do tipo brent registra uma queda de mais de 10% em apenas seis sessões, com o barril abaixo de US$ 58 o barril, uma vez que a preocupação sobre a demanda aumenta.

Conforme destacam os analistas do Morgan Stanley, as preocupações não são infundadas, uma vez que há um número crescente dos voos para a China está sendo cancelado, as restrições de viagens estão aumentando entre as cidades chinesas e o vírus está se espalhando para outros países. Levando em conta que tudo isso afeta as expectativas de crescimento econômico do maior importador de petróleo do mundo, há justificativas para a forte queda do petróleo.

As vendas de cargas da commodity da América Latina para a China foram interrompidas esta semana, com a crise do coronavírus paralisando um período de feriado já tranquilo, aponta a Bloomberg. Desde a semana passada, nenhuma venda de cargas para entrega em março do Brasil e da Colômbia foi registrada e cargas sem vender estão se acumulando, apontaram fontes à publicação.

As refinarias na China – que recebem 30% dos embarques do Brasil, Colômbia e de outros grandes exportadores da América Latina – deverão cortar a produção em meio a especulações de que restrições de viagem para conter a propagação do coronavírus reduzirão a demanda por gasolina, diesel e combustível de aviação, aponta a agência.

Um relatório da Platts Analytics calcula que, se o surto do coronavírus for tão grave como a epidemia da SARS, a demanda por petróleo poderá cair entre 700 mil e 800 mil barris diários no mundo, que são equivalentes a mais da metade do crescimento da demanda projetado para este ano. Segundo o ministro da Energia da Argélia, Mohamed Arkab, os membros da OPEP + estão considerando uma reunião de emergência em fevereiro devido a preocupações relacionadas ao coronavírus.

Porém, aponta o Morgan Stanley, caso a situação se estabilize, há espaço para os preços do petróleo voltarem para a casa dos US$ 65,00. Enquanto isso não acontece, as ações de petroleiras, como é o caso da Petrobras (PETR3;PETR4), podem repercutir a queda da cotação da commodity negativamente na bolsa.

PUBLICIDADE

A estatal tem reiterado sua política de seguir o princípio da paridade de importação – levando em conta preços no mercado internacional mais os custos de importadores, como transporte e taxas portuárias, com impacto também do câmbio – e já cortou três vezes o preço dos combustíveis no mês. Em 14 de janeiro, a companhia promoveu um corte de 3% no diesel e gasolina. Na semana passada, a empresa diminuiu o preço médio da gasolina e do diesel nas refinarias em 1,5% e 4,1%, respectivamente. Nesta quinta, houve um novo corte dos preços de combustíveis, também de 3%.

Frigoríficos

Já para os frigoríficos, que até então tinham registrado um forte rali por conta de uma outra doença que estava afetando a China, no caso a gripe suína africana, a expectativa é de um impacto negativo no primeiro trimestre de 2020 (principalmente para as exportadoras) por conta do coronavírus, mas um impacto mais limitado no ano cheio.

Há dois possíveis efeitos no radar, avalia a equipe de análise: i) a redução da atividade econômica, o que deve reduzir a acessibilidade em um contexto em que a carne já é cara e ii) o cancelamento de eventos do Ano Novo Chinês, que poderia guiar altos estoques de produtos no começo deste ano. “Vamos mais risco neste segundo ponto e não esperamos nenhuma mudança significativa nas estimativas para a oferta e demanda da China para 2020”, avaliam os analistas ao citar que, no surto de SARS, também não houve mudanças expressivas na demanda por proteína.

Para eles, o consumo de proteínas, assim como de produtos do varejo, sofrerão menos do que as commodities diretamente impactadas com investimentos ou atividade econômica. Em 2003, aliás, houve um aumento na demanda pelas três principais proteínas (de frango, de boi e de porco) em 3,1% na base de comparação anual, marcando uma aceleração frente os dois anos anteriores.

De qualquer forma, a expectativa é de um primeiro trimestre de 2020 mais fraco depois que todos os efeitos do coronavírus forem contabilizados, também levando em conta que o momento é pior do que o SARS, uma vez que houve uma explosão dos casos na véspera do Ano Novo Chinês.

Há evidências de que vários eventos do ano novo chinês foram cancelados mesmo fora da área em que os focos estavam concentrados. Entre os mais importantes, estavam eventos em Pequim e Hong Kong. O feriado começou em 24 de janeiro, sendo geralmente este o período de maior consumo de proteína no país.

Um aumento no estoque de proteínas devido ao consumo mais fraco, na avaliação deles, pode sim prejudicar os exportadores brasileiros de proteínas no curto prazo. “Desta vez, esperamos que as importações se recuperem menos rapidamente se houver um estoque restante por conta do Ano Novo Chinês”, avaliam.

Porém, não espera-se que o coronavírus mude o quadro geral do déficit de proteína na China no contexto da febre suína africana (ASF), uma vez que a queda no consumo devido ao cancelamento dos eventos do Ano Novo deve ser 14 vezes menor do que a queda na produção na China causada pelo ASF.

Os eventos do Ano Novo Chinês aumentam a demanda em cerca de 3% do consumo anual de proteína em comparação com a média mensal regular. Isso significa que um declínio pela metade nos eventos do ano novo chinês levaria a uma redução de 1,5% na previsão de consumo para o ano de 2020, o que equivale a cerca de 1 milhão de toneladas para as três proteínas combinadas.

Como lembrete, a gripe suína africana levou a uma redução de 14 milhões de toneladas na produção de proteína chinesa. “Apesar do potencial aumento de curto prazo para as exportações brasileiras de proteínas, esperamos que o ASF continue sendo o principal impulsionador do mercado global de proteínas”, avaliam.

Aliás, durante painel realizado pelo Credit Suisse na última quarta-feira (29), os principais produtores de proteína do Brasil disseram que a epidemia de coronavírus poderia até aumentar a demanda por alimentos produzidos no Brasil, especialmente nos países asiáticos. O CEO da BRF, Lorival Luz, disse que isso pode estar relacionado a uma maior demanda por segurança alimentar. Já o CEO da JBS, Gilberto Tomazoni, disse que uma comparação com o surto de SARS em 2003 não pode ser feita, pois, naquela época, o governo chinês restringia as vendas de animais vivos e o país importava mais. Porém, de acordo com o Bradesco BBI, no saldo final, não haverá impacto do coronavírus dentro das empresas do setor. Os analistas seguem com recomendação outperform (desempenho acima da média) para as ações da BRF (BRFS3) e JBS (JBSS3), com preços-alvos respectivos de R$ 47 e R$ 37.

Bens de capital e transportes

Dentro do setor de bens de capital, o Itaú BBA lembra que Iochpe Maxion (MYPK3), WEG (WEGE3) and Tupy (TUPY3) possuem exposição na Ásia, correspondendo entre 5% e 9% das receitas.

A WEG, por sinal, é uma das empresas do Brasil com maior presença na China, atuando desde 2004 no gigante asiático. Em 2019, a companhia inaugurou a sua quarta unidade no país. Por enquanto, a fabricante de materiais elétricos orientou que suas viagens sejam feitas apenas depois de 8 de fevereiro. As unidades da WEG estão paradas, com a atividade sendo retomada apenas depois daquela data, conforme orientação das autoridades do país.

Já a Marcopolo (POMO4), que é sediada em Caxias do Sul (RS) e produz carrocerias de ônibus, comunicou que a sua fábrica na China só volta a funcionar a partir do dia 10, se não surgirem novos problemas por conta do coronavírus.

Quanto às aéreas brasileiras, a exposição direta em China é vista como pouco significativa.

O Morgan Stanley aponta que, diferentemente da Europa, a América Latina tem uma exposição pequena ao turismo chinês (cerca de 0,2% dos voos diretos).

Para traçar um paralelo, os analistas lembram ainda o caso de H1N1 em 2009 e o impacto na América Latina, principalmente no México, que foi o país que mais sofreu. No país, também impactado pela crise econômica global, onde uma queda no tráfego aéreo de 20% no terceiro trimestre na base anual (quando a pandemia atingiu o pico) e 11% no ano como um todo. No Brasil, em contraste, as aéreas locais expandiram a sua capacidade doméstica e internacional em 15% e 2%, respectivamente.

Porém, conforme aponta a XP Investimentos, apesar de não ser muito significativo, caso os impactos do surto se prolonguem no médio prazo, poderemos continuar vendo pressão nos preços de ações brasileiras ligadas à demanda chinesa, o que incluiria também as aéreas e as empresas de turismo como Gol (GOLL4), Azul (AZUL4) e CVC (CVCB3).

Leia também
• Coronavírus: brasileiro com passagem para a China não tem atendimento diferenciado

Neste cenário, a queda dos preços do petróleo, com o tipo brent indo para menos de US$ 58 pode ser um mitigador da baixa das ações das aéreas, uma vez que o petróleo mais baixo diminui os custos – grande parte deles vem do combustível querosene, que é derivado do petróleo, para o avião. Por outro lado, a alta do dólar neste momento de aversão ao risco pode afetar negativamente empresas como a Gol, que possui endividamento em dólar.

Em relatório, o Bradesco BBI apontou ainda que espera que o coronavírus tenha impacto primeiramente sobre a demanda de tráfego internacional. “Também acreditamos que preocupações crescentes com viagens internacionais podem desviar a demanda para viagens domésticas de lazer, beneficiando empresas como Gol, Azul e e CVC. No entanto, se novos casos de coronavírus forem confirmados em mais países, a demanda doméstica também pode estar em risco”, afirmam os analistas, lembrando que o Ministério da Saúde atualizou a escala de risco para o coronavírus para nível 2, o que significa perigo iminente.

No caso da Azul, 5% (cerca de R$ 4,40 do valor por ação) do preço-alvo dos analistas para a ação estão relacionados ao seu investimento nos títulos conversíveis da TAP, que podem ser negativamente afetados pelo risco de surto de coronavírus na Europa e pela conectividade com a Air China.

No entanto, ao fazer uma análise de sensibilidade para estimar o impacto potencial sobre os preços-alvos do setor, os analistas apontam que, assumindo que apenas o tráfego internacional seja impacto negativamente por esse surto, as aéreas mais impactadas seriam Avianca Holdings, LATAM Airlines, Aeromexico e Copa Holding.  Por outro lado, a Gol deve seria a menos impactada. Já em um cenário negativo com viagens internacionais e nacionais sendo impactadas, Aeromexico e Avianca sofreriam mais.

No caso da CVC, o analista Richard Cathcart ressalta que o impacto dependerá também se o surto se tornar uma pandemia (e em que regiões). As viagens domésticas poderiam ganhar força ante viagens internacionais. Se confirmado no Brasil, contudo, o cenário seria mais negativo. “No auge do zika em 2015-16, o tráfego aéreo doméstico e as vendas nas mesmas lojas da CVC enfraqueceram, embora seja difícil saber exatamente quanto disso foi causado pelo zika e quanto se deve ao enfraquecimento da economia”, avalia.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações