Copel (CPLE6) chega a subir 3% após Morgan elevar recomendação para compra

Para analistas, investidores ainda não precificaram o valor da companhia privatizada

Felipe Moreira

Publicidade

O Morgan Stanley elevou recomendação para a ação da Copel (CPLE6) de neutra para compra, ampliando também o seu preço-alvo, de R$ 9 para R$ 12, tendo em vista que, em sua avaliação, investidores ainda estão precificando a companhia elétrica como estatal.

Na abertura dos negócios, nesta terça-feira (19), as ações da Copel (CPLE6) chegaram a subir cerca de 3%, liderando os ganhos da Bolsa. Mas perderam parte do fôlego, terminando com alta de 1,35%, a R$ 9,00, entre as cinco maiores altas do dia. O índice de energia elétrica da Bolsa (UTIL) caiu 0,10%..

Analistas enxergam uma combinação de fatores de risco que impulsionam a avaliação extremamente baixa, particularmente perspectivas pessimistas para os preços da energia e a consideração dos limites do poder de voto em julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Embora o Morgan tenha uma visibilidade limitada sobre quando tais eventos poderão ser resolvidos, o banco disse ter grande convicção de que as ações estão sendo cotadas em cenários não razoáveis, tendo em vista a capitalização bem-sucedida que permitiu a privatização da elétrica.

Copel (CPLE6): redução de alavancagem pode elevar distribuição de dividendos

O time de análise do Morgan projeta um potencial de redução de custos atraente, de aproximadamente 20% em relação aos níveis de 2023.

Além disso, a Copel continua com o processo de venda de ativos não essenciais, o que pode cristalizar valor e reduzir ainda mais a alavancagem. A companhia elétrica planeja vender a Compagás e a Araucária.

Continua depois da publicidade

Proventos

Com isso, a redução da alavancagem poderá abrir caminho para dividendos potencialmente mais elevados, que atualmente não estão em destaque para o papel. Analistas estimam “dividend yield” de cerca de 3,5% para Copel (payout de 50%).

“A política de dividendos da Copel permite pagamentos extraordinários de dividendos quando a alavancagem for inferior a 2,7 vezes Dívida/Ebitda”, destacam.