Resumo da Bolsa

Commodities “vencem” tensão política e Ibovespa tem quarta alta semanal seguida

Índice chegou a zerar os ganhos, mas voltou a arrancar com ajuda das blue chips e uma recuperação nos EUA

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após quase zerar os ganhos no fim da manhã desta sexta-feira (18), o Ibovespa voltou a ganhar força puxado, sobretudo, pelas ações da Petrobras e Vale, que saltaram com ajuda da disparada do minério e alta do petróleo. Ajudou também na recuperação do mercado a virada dos índices norte-americanos, que subiram após a notícia da demissão do estrategista-chefe da Casa Branca.

O benchmark da bolsa brasileira subiu 1,09%, aos 68.714 pontos, próximo da máxima do dia. O volume financeiro ficou em R$ 9,094 bilhões. Com esta valorização, o índice encerrou a semana com ganhos acumulados de 2,01%, em sua quarta alta semana seguida.

O dólar seguiu a mesma tendência, passando a cair forte após abrir em alta. A moeda fechou com perdas de 1,03%, cotada a R$ 3,1459 na venda, enquanto o contrato futuro do dólar com vencimento em setembro caiu 0,99%, para R$ 3,153. Os juros futuros com vencimento em janeiro de 2019 registraram queda de 6 pontos-base, cotados a 8,06%, enquanto os contratos de janeiro de 2021 recuaram 7 pontos-base, negociados a 9,43%.

PUBLICIDADE

Informações de que o estrategista-chefe da Casa Branca, Steve Bannon, defensor de uma guerra comercial com a China, seria demitido ajudaram a aliviar os mercados. Nesta tarde, o governo americano confirmou que hoje “é o último dia de Bannon”.

De acordo com Pablo Spyer, diretor de operações da corretora Mirae, porém, ainda há riscos grandes. Para ele, o mercado deve seguir o movimento de correção acompanhado no pregão passado, já que questões políticas, como a aprovação das metas fiscais pelo Congresso e o andamento da Reforma da Previdência, ainda são problemas. Além disso, há uma grande expectativa pela votação do parecer da TLP na comissão especial na próxima terça-feira (22), que está sendo interpretada como um termômetro para a votação da reforma.

Minério de ferro dispara

O minério de ferro negociado em Qingdao com 62% de teor de pureza, um dos mais acompanhados pelo mercado, subiu 6,81% nesta sexta-feira, enquanto os contratos futuros da commodity negociados em Dalian dispararam 6,61%. Segundo o Credit Suisse, o movimento deve-se a queda dos estoques de minério de ferro nos portos da China, que reflete basicamente que há mais carregamentos saindo dos portos do que chegando, comprovando que a demanda continua forte.

Destaques do mercado

Na ponta positiva, destaque para as ações da Vale (VALE3), que subiram na esteira da forte alta do minério de ferro. Do outro lado, as ações de Suzano (SUZB5) e Fribria (FIBR3) corrigiram após subirem forte nos últimos dois dias por conta dos novos rumores de fusão.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 NATU3 NATURA ON27,81+4,35+21,4276,28M
 BBSE3 BBSEGURIDADEON EDR27,58+4,27+0,30381,67M
 PETR4 PETROBRAS PN13,60+4,21-8,54883,76M
 BBDC3 BRADESCO ON32,04+3,76+22,2050,36M
 CPLE6 COPEL PNB28,63+3,36+8,6819,86M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o índice Bovespa, foram:

PUBLICIDADE
 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 JBSS3 JBS ON8,17-2,04-28,10100,56M
 KROT3 KROTON ON ED17,50-1,70+33,11205,70M
 EMBR3 EMBRAER ON16,56-1,55+4,6729,45M
 SMLE3 SMILES ON65,35-1,34+57,0873,36M
 LREN3 LOJAS RENNERON30,23-0,89+44,2864,03M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1Vol 30d1Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN13,60+4,21883,76M401,32M45.458 
 VALE3 VALE ON ATZ31,55+1,12773,13M274,33M34.698 
 BBSE3 BBSEGURIDADEON EDR27,58+4,27381,67M129,43M17.214 
 BBDC4 BRADESCO PN32,77+2,06307,71M282,73M23.011 
 BBAS3 BRASIL ON30,42+0,90285,42M190,75M19.416 
 ABEV3 AMBEV S/A ON19,76-0,15260,56M196,19M35.036 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN EJ39,87+0,96256,16M356,25M14.505 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON21,89+2,24246,18M156,25M13.813 
 KROT3 KROTON ON ED17,50-1,70205,70M147,45M21.167 
 CIEL3 CIELO ON22,75-0,66194,59M174,29M16.481 

* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
IBOVESPA

Racha definitivo?
Em destaque do noticiário político desta sessão, estão as reações ao programa partidário do PSDB, que aprofundou ainda mais o racha dentro do partido. A propaganda critica o que chama de “presidencialismo de cooptação” e as articulações políticas de Temer para barrar a denúncia na Câmara.

Por conta disso, Aécio Neves deve reassumir PSDB e nomear novo interino, segundo informações de Vera Magalhães no O Estado de São Paulo. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, ministros e deputados tucanos fizeram uma série de críticas ao presidente interino da sigla, Tasso Jereissati (PSDB-CE), o responsável pela peça, havendo forte pressão para exigir sua deposição do posto.

Ainda em destaque, a  Polícia Federal cumpre na manhã de hoje mandados da 43ª e da 44ª fases da Operação Lava Jato nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Esta é a primeira vez que a PF realiza duas fases da operação ao mesmo tempo. O ex-deputado federal Cândido Vaccarezza, ex-PT, está entre os alvos e foi preso temporariamente. No total, foram 46 ordens judiciais, sendo 29 mandados de busca e apreensão, 11 mandados de condução coercitiva e 6 mandados de prisão temporária, segundo a PF. Veja mais clicando aqui. 

Meirelles e metas

Em entrevista ao Broadcast, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou que o PIB (Produto Interno Bruto) referente ao segundo trimestre, que será publicado em 1º de setembro, deverá trazer uma taxa próxima de zero ou mesmo negativa. O ministro ainda lembrou da importância da aprovação das metas fiscais pelo Congresso para o ajuste econômico, que corre risco com a insatisfação dos aliados na CMO (Comissão Mista de Orçamento), onde começa a tramitar a proposta de revisão da meta.

Bolsas internacionais em queda

A sexta-feira começa com aversão ao risco para os mercados internacionais, com as bolsas europeias caindo pelo segundo dia seguido e ajustando-se ao S&P 500, que fechou com forte queda na véspera. Os receios sobre o presidente dos EUA, Donald Trump, juntando-se ao sentimento de aversão ao risco com terrorismo na Espanha.

Os sinais de que Trump perde apoios entre empresários e parte dos políticos republicanos pelo seu posicionamento em relação aos supremacistas gera apreensão sobre capacidade do presidente tocar sua agenda pró-crescimento. Nesta semana, Trump cancelou três conselhos formados do setor privado e criticou parlamentares republicanos que se manifestaram contra aos comentários dele sobre o caso de intolerância racial em Charlottesville

Sobre o terrorismo na Espanha, a polícia do governo regional da Catalunha matou na noite desta quinta-feira pelo menos cinco supostos terroristas no município de Cambrils, na província de Tarragona, na Espanha, durante uma operação relacionada ao atentado ocorrido em Barcelona. Segundo o governo da Catalunha, o ato terrorista matou 13 pessoas e deixou mais de 100 feridos.