Clima: acordo em Copenhague é possível, dizem especialistas da ONU

Propostas apresentadas estariam próximas do ideal de redução da emissão de gases poluentes para 44 bilhões de toneladas em 2020

SÃO PAULO – Têm início nesta segunda-feira (7) as discussões sobre mudanças climáticas em Copenhague agendadas até 18 de dezembro. Segundo Achim Steiner, chefe do programa de meio-ambiente da ONU (Organização das Nações Unidas), um acordo pode estar próximo.

“Aqueles que dizem que um acordo em Copenhague é impossível estão simplesmente errados”, disse Steiner, que lidera o Unep (United Nations Environment Programme). “Estamos a uma curta distância de um acordo”, reiterou, em entrevista coletiva concedida nesta manhã.

Emissões

Nicholas Stern, perito em mudanças climáticas da Unep, disse que apenas alguns bilhões de toneladas separam as propostas apresentadas pelos países para redução das emissões de gases poluentes e a meta estabelecida em relatório pelo órgão para 2020.

PUBLICIDADE

O estudo conduzido pela Unep indica que, a fim de conter o aumento na temperatura mundial a um limite de 2 graus Celsius frente à era pré-industrial, é necessário que as emissões sejam reduzidas para, no máximo, 44 bilhões de toneladas em 2020.

As propostas feitas pelos países consistem em limitar as emissões em até 46 bilhões de toneladas. Hoje, o mundo emite 47 bilhões de toneladas de gases poluentes por ano, e a previsão de especialistas é de que, caso nada seja feito, este número aumente para 50 bilhões de toneladas ou mais, nos próximos 10 anos.

Steiner também acredita que um acordo possa ser conquistado. Para ele, a diferença entre o que querem os cientistas e o que estão dispostos a fazer os líderes políticos reduziu-se bastante. “Se os líderes quiserem negociar um acordo, eles podem alcançar um consenso em Copenhague”, afirmou, em tom otimista.

Saiba mais

A Conferência de Copenhague, na Dinamarca, é a maior reunião já realizada no mundo sobre o aquecimento global e mudanças climáticas, reunindo 15 mil pessoas e delegados de 192 países. Entre as presenças confirmadas, estão a do presidente norte-americano Barack Obama e do premiê chinês Hu Jintao.