Chile aprova construção de porto da OMX, atrelado a projetos de MPX e MMX

Projeto custará cerca de US$ 300 milhões; porto possibilitará embarque e desembarque de carvão e minério de ferro

SÃO PAULO – A MPX (MPXE3) e a MMX (MMXM3) anunciaram nesta quinta-feira (23) que a Corema (Comisión Regional de Medio Ambiente) aprovou a construção de um novo porto no Chile, a 80 quilômetros do município de Copiapó. O empreendimento pertence à OMX, um empresa do grupo EBX – que comporta todas as empresas em questão.

A construção, que levará aproximadamente 30 meses para ser concluída, demandará um investimento total de US$ 300 milhões, segundo previsões.

“A implantação do porto garantirá custos logísticos competitivos e suprimento eficiente de carvão para a termelétrica Castilla. Com capacidade de até 2.100 MW, Castilla é um dos maiores projetos em licenciamento atualmente no Chile e importante plataforma de crescimento para a MPX no país”, disse Eduardo Karrer, presidente da MPX, segundo comunicado emitido pela empresa. Roger Downey, presidente da MMX, ainda ressaltou que este é um dos mais competitivos incrementos de oferta no mercado transoceânico.

PUBLICIDADE

O porto
O projeto consiste na construção e operação de um porto privado de uso público com 3 berços independentes, permitindo o embarque e desembarque anual de seis milhões de toneladas de carvão, 10 milhões de toneladas de minério de ferro, entre outros produtos, divulgaram as companhias.

Além disso, com um calado natural de 25 metros, o porto comportará o armazenamento de cinzas, carvão, minério de ferro, concentrado de cobre e grãos, além de possuir um sistema de correias cobertas.