CFO da MRV: Governo Lula pode alterar regras do Casa Verde e Amarela e beneficiar a companhia

Ao InfoMoney, Ricardo Paixão disse que o grupo vai manter a estratégia de subir preços para recompor margens; compra de novos terrenos vai esperar

Anderson Figo

O novo governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que toma posse em 1º de janeiro de 2023, pode promover alterações no programa Casa Verde e Amarela que devem beneficiar as construtoras brasileiras. A avaliação é de Ricardo Paixão, CFO da MRV (MRVE3).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Esse governo novo tem uma ênfase maior no quesito popular. A gente acha que deve ter alguma mudança no programa [Casa Verde e Amarela], algo mais superficial, como o próprio nome [que deve voltar a ser Minha Casa Minha Vida], mas também pode ter alguma medida mais agressiva, como um desconto maior, uma participação maior do orçamento da OGU, o Orçamento Geral da União, principalmente nas faixas mais baixas do programa, tanto na faixa 1 como no início da faixa 2”, disse o executivo.

Paixão participou do Por Dentro dos Resultados, projeto no qual o InfoMoney entrevista CEOs e diretores de importantes companhias de capital aberto, no Brasil ou no exterior. Os executivos falam sobre o balanço do terceiro trimestre de 2022 e sobre perspectivas. Para acompanhar todas as entrevistas da série, se inscreva no canal do InfoMoney no YouTube.

“Para a MRV, seria bem interessante [uma mudança] no início da faixa 2. Dependendo do que vier de subsídio adicional, a gente tem um landbank [estoque de terrenos] gigantesco, como todo mundo já sabe, então a gente pode sim aproveitar essa oportunidade de mercado para colocar alguns dos nossos produtos, que a gente faria numa faixa um pouquinho mais alta, numa faixa mais baixa, se o programa realmente tiver algum tipo de revisão importante, aumentando a capacidade de compra dessa faixa da população”, completou o CFO.

O executivo mencionou que a companhia manteve no terceiro trimestre sua estratégia de aumento de preços para recompor margens, e que as mudanças que já foram feitas no Casa Verde e Amarela pelo atual governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) permitem que esse movimento de alta dos preços continue.

“A gente tinha uma necessidade de subir preço. A gente estava com uma rentabilidade muito baixa. A gente tinha um gap grande para fechar e isso a gente já fez bem, ele já está muito melhor do que estava antes, mas ainda não está dentro do ideal. Para a nossa operação, o ideal seria uma margem de 30% a 32%, nos melhores cenários chegando a 33%, 34%. Os primeiros nove pontos já foram. Agora faltam uns três, quatro pontos”, afirmou Paixão.

“Isso significa que eu posso voltar a subir de forma mais lenta o preço. Não preciso ser tão agressivo como eu fui até agora. Essa recomposição de margem que a gente está conseguindo através da subida de preço, ela tem uma ajuda de algumas condições novas do programa Casa Verde e Amarela. Meu cliente está pagando juros um pouco mais baixos, tem um pouco mais de subsídio, teve o alongamento do prazo máximo de financiamento de 30 para 35 anos, e agora tem o que o pessoal está chamando de FGTS futuro, o consignado do FGTS. O cliente vai poder usar seu depósito de 8% do FGTS como garantia para as parcelas futuras”, completou.

Paixão falou ainda sobre como o aumento de juros nos Estados Unidos impactou as operações da Resia, a subsidiária americana da MRV, sobre o negócio da Luggo no Brasil e a possibilidade do grupo fazer IPO de alguma das marcas. Ele comentou também sobre as iniciativas ESG (sustentabilidade e governança) da MRV, pagamento de dividendos e sobre lançamentos previstos para os próximos trimestres. Assista à entrevista completa acima, ou clique aqui.

Anderson Figo

Editor de Minhas Finanças do InfoMoney, cobre temas como consumo, tecnologia, negócios e investimentos.