CEO do Magalu (MGLU3): Supostas irregularidades não podem atrapalhar “brilho do resultado”

“Fizemos um trabalho árduo e tem indicadores claros e concretos de que a empresa fez um bom trabalho no período”, destacou Frederico Trajano

Vitor Azevedo

Publicidade

Na abertura da teleconferência com analistas, o CEO do Magazine Luiza (MGLU3), Frederico Trajano, disse que as supostas irregularidades, que foram objeto de fato relevante nesta manhã, junto com o balanço do 4º trimestre, não podem atrapalhar “brilho do resultado”.

Em comunicado separado dos resultados, a varejista afirmou que seu comitê de conduta e ética “tomou conhecimento de uma denúncia anônima” que cita irregularidades envolvendo operações de bonificação relativas a compras de fornecedores e distribuidores e que iniciou a apuração dos fatos.

Segundo Trajano, a denúncia anônima aconteceu poucos dias antes da publicação dos resultados, em um momento no qual o mercado está sensível a essas questões [com fornecedores] – em referência ao caso Americanas (MGLU3).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Trajano acrescentou que a empresa pode falar pouco sobre a investigação, por enquanto, fora o que está no fato relevante.

“Uma denúncia anônima ainda não investigada não deveria tirar o brilho do resultado apresentado no quarto trimestre”, diz o executivo.

“Fizemos um trabalho árduo e tem indicadores claros e concretos de que a empresa fez um bom trabalho no período”.

Continua depois da publicidade

As ações do Magalu chegaram a cair 11,5%, a R$ 3, na sessão desta sexta-feira, apesar dos números do quarto trimestre considerados positivos, justamente por conta das denúncias. Contudo, às 12h30 (horário de Brasília), as ações caíam 2,36%, a R$ 3,31, atenuando fortemente as baixas.

A companhia registrou prejuízo de R$ 35,9 milhões nos três últimos meses do ano passado, mas com alta na receita total e avanço na margem Ebitda.

Para analistas do Itaú BBA, o Magalu divulgou números positivos para o quarto trimestre, destacando dados sólidos de vendas e a expansão da margem Ebitda. “Apesar dos resultados positivos, o Magalu também anunciou uma denúncia anônima destacando irregularidades nas operações dos fornecedores ontem à noite, e tememos que os investidores possam se concentrar nessas notícias negativas, criando alguns ventos contrários para as ações hoje.”

Marketplace vira foco para o Magazine Luiza

Na teleconferência, para além da polêmica, os executivos do Magazine Luiza ainda deram suas perspectivas para o mercado e os próximos passos que a companhia provavelmente adotará.

Trajano disse ver que o e-commerce teve pequeno decréscimo no fim de 2022, mas que acredita em recuperação. “E-commerce teve pequeno decréscimo, mas acreditamos que neste ano deve voltar a crescer mais do que lojas físicas neste ano”, apontou.

O CEO destacou que, com um cenário competitivo mais racional, a companhia vem, mesmo com o recuo do setor, ganhando fatia de mercado de forma considerável.

“Nunca presenciei no e-commerce, em 22 anos, um mercado tão racional. Está todo mundo repassando preços, seja de imposto, seja de alta de gasolina. Nesse cenário, devemos ainda mais ganhar share. Independente de como está o mercado agora, iremos manter, contudo, nossa mentalidade de aumentar margem operacional. Temos avançado, mas mantendo margem”, completou o diretor.

Uma das formas que o Magazine Luiza foca para ganhar margem é aumentando sua diversificação de produtos – com foco, principalmente, na participação do marketplace (3P).

” O 3P é o nosso motor de diversificação e 51% do volume total de vendas (GMV) é de novas categorias. Em tickets baixos, nossa grande aposta é focar em vendas locais, com menos gastos de logística. Em sellers medios, queremos focar no fulfillment. Temos overshare em categorias acima de R$ 1000, participação média entre o intervalo de R$ 300 a R$ 1000 e pouco na faixa abaixo da R$ 300. Queremos continuar dominando onde já estamos bem e crescer nos demais”, mencionou Trajano.

De acordo com o executivo, o Magazine Luiza tem espaço para avançar no 3P pois os custos dos serviços que oferecem aos seus parceiros são marginais. A companhia, em 2022, abriu espaço nos seus estoques, focando melhorar o seu operacional, e, com isso, não está usando parte do potencial dos seus centros de distribuição.

Fulfillment está crescendo em números de sellers. Temos ociosidade de 30%. Por enquanto estamos cobrando pouco, para incentivar o uso da plataforma, mas o custo marginal é baixo. Quando começamos a cobrar o fulfillment, deve trazer um destaque em margens”, explicou o CEO. “Ainda temos oportunidade de repassar preços no 3P, estamos abaixo dos líderes do mercado em preços”.