Cemig (CMIG4) vende ativos por R$ 100,5 mi, Justiça prorroga blindagem de RJ da Oi (OIBR3) e mais notícias

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta quinta-feira (14)

Felipe Moreira

Publicidade

O radar corporativo desta quinta-feira (14) tem como destaque a venda de 15 ativos pela Cemig pelo valor total de R$ 100,5 milhões. Além disso, o Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro prorrogou por mais 90 dias o período de blindagem do processo de recuperação judicial da Oi (OIBR3).

Entre as emissões, Iochpe-Maxion (MYPK3), Energisa (ENGI11)  e IMC (MEAL3) aprovaram debêntures. Enquanto isso, Petrobras (PETR4) estuda projetos de energia eólica offshore em novas áreas do litoral brasileiro, após anunciar parceria com a WEG (WEGE3).

Ainda entre os destaques, estão os dados operacionais da B3 (B3SA3), com baixa anual de 14,8% no volume negociado de ações em agosto. No mais, a Multiplan (MULT3) anunciou que pagará R$ 100 mi em JCP na próxima quarta (20).

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Confira mais destaques:

Oi (OIBR3)

A Oi informou que o Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro deferiu a prorrogação do stay period, pelo prazo de 90 dias, por considerar a medida adequada e necessária para o efetivo e eficaz andamento do processo de Recuperação Judicial da Companhia e suas subsidiárias Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A e Portugal Telecom International Finance S.A.  Isso significa que, até 11 de dezembro, todos os processos de cobrança e execução ligados à recuperação judicial da empresa ficam congelados.

Cemig (CMIG4)

A Cemig e sua subsidiária integral Horizontes Energia celebraram, nesta quarta-feira (13), contrato visando à alienação de 15 PCHs / CGHs de geração hídrica, sendo 12 usinas da CEMIG GT e 3 da HORIZONTES, para a MANG, vencedora do leilão público 500-Y17124, pelo valor de R$ 100,5 milhões.

Continua depois da publicidade

O fechamento da operação está sujeito ao cumprimento das condições suspensivas usuais e definidas no CCVA, que incluem a obtenção das anuências da ANEEL e do CADE.

Energisa (ENGI11)

O conselho de administração da Energisa (ENGI11) aprovou a realização da 19ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em até quatro séries, no valor de R$ 1,837 bilhão. Serão emitidas até 1,837 milhão debêntures com valor nominal unitário de R$ 1 mil.

Os recursos captados com as debêntures da primeira e da segunda série serão destinados para o financiamento futuro dos projetos de investimento em infraestrutura de distribuição, transmissão e geração de energia elétrica. Já o montante levantado com a terceira e quarta série serão destinados à ordinária dos negócios da companhia.

Iochpe-Maxion (MYPK3)

A Iochpe-Maxion aprovou a emissão debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em série única, no valor total de R$ 700 milhões.

Os recursos serão integralmente utilizados para o reperfilamento de passivos financeiros consolidados da Companhia e/ou para o seu reforço de caixa.

IMC (MEAL3)

O conselho de administração da IMC aprovou a 4ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em série única, no montante total de até R$ 290 milhões.

Essa operação tem por objetivo o refinanciamento das dívidas da companhia, alongando prazo com um custo mais competitivo que o atual.

Plano&Plano (PLPL3)

A Plano&Plano encerrou os estudos relacionados a uma potencial oferta pública primária ou primária e secundária de distribuição de ações ordinárias de emissão da Companhia, sob o rito automático de registro na CVM, conforme fato relevante divulgado na noite da última quarta-feira (13).

Priner (PRNR3)

A Priner (PRNR3) informou que engajou bancos para potencial oferta subsequente de ações. Segundo fato relevante, o valor estimado para a distribuição primária será de aproximadamente R$ 230 milhões, sendo que outros R$ 50 milhões viriam de uma oferta secundária, de até R$ 50 milhões.

Os recursos líquidos da oferta primária serão utilizados para potenciais aquisições de empresas nos segmentos de infraestrutura, inspeção, serviços industriais e outros; investimento em crescimento orgânico; substituição de alguns equipamentos atualmente locados de terceiros; e reforço de capital de giro.

“Ainda não foi tomada nenhuma decisão final acerca da efetiva realização da potencial oferta e sua implementação, assim como seus termos e condições, incluindo, a quantidade de ações a ser ofertada, cronograma e o preço por ação”, completou a empresa.

RD (RADL3)

A RD (RADL3) informou que foi celebrado um aditivo ao Acordo de Acionistas Bloco Raia que tem por objeto a adesão integral de um novo signatário ao referido acordo e o aumento da quantidade de ações sujeitas às restrições de negociação.

Vale destacar que o Acordo de Acionistas Raia Drogasil e o Acordo de Acionistas Bloco Raia, divulgados por meio de Fatos Relevantes em 30 de março de 2021 e 19 de maio de 2022, respectivamente, permanecem integralmente válidos e vigentes e a celebração do aditivo acima citado não altera os direitos previstos nesses instrumentos.

GetNinjas (NINJ3)

O GetNinjas (NINJ3) informou que a REAG passou a deter 2.574.600 ações ordinárias, equivalentes a 5,07% do total de ações emitidas pela companhia.

Alpargatas (ALPA4)

A gestora americana BlackRock adquiriu ações preferenciais emitidas pela Alpargatas, sendo que, em 8 de setembro de 2023, suas participações, de forma agregada, passaram a ser de 17.932.124 ações preferenciais, representando aproximadamente 5,219% do total de ações preferenciais emitidas pela companhia.

Tecnisa (TCSA3)

A Tecnisa (TCSA3) informou a renúncia do Sr. Flavio Vidigal De Capua ao cargo de Diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Companhia, com efeitos a partir de 15 de setembro de 2023.

O Sr. Flavio ingressou na Companhia em janeiro de 2017, tendo sido eleito como Diretor Financeiro e de Relações com Investidores nos períodos compreendidos entre 2017 e 2023.

Diante da saída do Sr. Flavio Vidigal De Capua, o Conselho de Administração, em reunião realizada nesta data, elegeu o Sr. Anderson Luis Hiraoka para o cargo de Diretor Financeiro e de Relações com Investidores

B3 (B3SA3)

A B3 (B3SA3) reportou um recuo de 14,8% na base anual do volume financeiro médio diário do segmento ações em agosto de 2023, caindo de R$ 29,633 bilhões para R$ 29,633 bilhões, de acordo com dados divulgados pela operadora da Bolsa brasileira na noite desta terça-feira (13).

Neste setor, a receita média por contrato (RPC) teve alta de 1,1% na base anual, para R$ 0,978, e a velocidade de giro caiu de 159,0% para 138,9%.

No segmento de derivativos, que inclui juros, câmbio e commodities, o volume médio diário de negócios subiu 39,6% em agosto na base anual e 5% em relação ao mês imediatamente anterior, ficando em R$ 6,140 bilhões.

Multiplan (MULT3)

A Multiplan (MULT3) informou que os juros sobre o capital próprio aprovados em reunião realizada no dia 22 de setembro de 2022, no valor total bruto de R$ 100 milhões, correspondente a R$ 0,17070192096 por ação, serão pagos no dia 20 de setembro de 2023.

O pagamento dos proventos será realizado com base da posição acionária do dia 27 de setembro de 2022, dado que as ações de emissão da companhia passaram a ser negociadas “ex juros” a partir de 28 de setembro de 2022.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras (PETR4) encaminhou, junto ao Ibama, pedido para iniciar o processo de licenciamento ambiental de dez áreas no mar brasileiro destinadas ao desenvolvimento de projetos de energia eólica offshore.

Desse total, sete áreas estão na região Nordeste (três no Rio Grande do Norte, três no Ceará e uma no Maranhão); duas no Sudeste (uma no Rio de Janeiro e uma no Espírito Santo) e uma no Sul do país (no Rio Grande do Sul). Somadas, essas áreas, que serão avaliadas, têm um potencial para o desenvolvimento de projetos eólicos offshore com capacidade de até 23 gigawatts (GW).

Com isso, a Petrobras passa a ser a empresa com o maior potencial de geração de energia eólica offshore no Brasil em capacidade protocolada junto ao Ibama.