Camil (CAML3): desafios no mercado de açúcar e otimismo com arroz; as projeções para o resultado da companhia

Analistas destacam que lucratividade deve ficar pressionada por desafios no negócio de açúcar

Camille Bocanegra

Getty Images

Publicidade

“Outro trimestre desafiador para o negócio de açúcar para compensar os preços mais altos do arroz”. Essa é a visão do Itaú BBA para os resultados da Camil (CAML3) do terceiro trimestre do ano fiscal de 2023. A visão da XP é similar e considera que os resultados devem ser melhores em razão dos preços mais altos do arroz. A divulgação do resultado da companhia acontecerá no dia 11 de janeiro.

A XP estima receita líquida 4% menor na comparação com o trimestre anterior, com lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 225 milhões (representando aumento de 6% trimestral e 34% na comparação anual). O BBA projeta Ebitda em R$ 220 milhões, com margem de 7,4%, representando aumento trimestral de 10 pontos-base.

Para os analistas do Research da XP, os valores mais elevados do grão devem ajudar a diluir custos e aumentar rentabilidade, enquanto o mercado doméstico do açúcar ainda se apresenta em processo de estabilização. A estratégia da companhia seria a exportação da commodity para compensar o mercado brasileiro com concorrentes mais agressivos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A estratégia de precificação agressiva no negócio de açúcar provavelmente afetará novamente os resultados consolidados da Camil, mas o acordo com a Raízen garantirá volumes mais altos no 2º semestre de 2023”, considera o Itaú BBA.

O preço do arroz, por sua vez, deverá ser sustentado por condições climáticas globais desfavoráveis e problemas nas safras, já vista na elevação dos preços no terceiro trimestre. A expectativa para o quatro trimestre é aumento de quase 20% na comparação trimestral.

Em relação ao trigo, mesmo com preços mais baixos ainda causando preocupações, a XP pontua que há expectativa de estabilidade para preços de de biscoitos e massas na comparação trimestral.

Continua depois da publicidade

“Do lado negativo, projetamos volumes menores em todas as linhas como resultado dos preços mais altos e da estratégia da empresa de se concentrar na lucratividade. Projetamos que o mercado internacional será mais fraco devido à sazonalidade, como já era esperado”, diz a XP, que projeta alta de 10% nos preços e queda de 5% nos volumes na comparação trimestral.

Na frente internacional, a projeção de queda é maior para os volumes, em 15% em relação ao trimestre anterior, mas que seria compensado por preços 10% mais altos, com recuperação das margens.

Para o segmento de alto crescimento, o BBA destaca que os volumes mais baixos de café devem compensar a temporada mais forte de peixes. A queda esperada para o grão é de 7% na comparação anual.