Em mercados / cambio

"Efeito Bolsonaro" evapora no câmbio e dólar volta para nível anterior ao primeiro turno

Comportamento do câmbio pode ser explicado pelo aumento da volatilidade externa, com a combinação de alta dos juros americanos, guerra comercial e, mais recentemente, com a queda livre do petróleo

Jair Bolsonaro
(José Cruz/Agencia Brasil)

(Bloomberg) -- Apesar dos elogios rasgados à equipe econômica do futuro governo, repleta de Chicago Boys, o efeito da eleição de Jair Bolsonaro sobre o mercado, especialmente no câmbio, se esgotou.

O dólar vem operando em alta nas últimas quatro semanas e já está acima do nível anterior ao primeiro turno, de R$ 3,83. O Ibovespa ainda se mantém acima do nível pré-eleição, mas se distanciou do recorde. O mercado de juros é o onde o otimismo está mais resiste, graças ao recuo da inflação.

Um dos motivos para o comportamento do câmbio é o aumento da volatilidade externa, com a combinação de riscos como o de alta dos juros americanos, da guerra comercial entre EUA e China e, mais recentemente, a queda livre do petróleo.

Além do petróleo, o recuo do minério de ferro, uma das principais commodities da pauta de exportações do país, é negativo para grandes produtores como o Brasil e Austrália, diz Win Thin, da Brown Brothers Harriman.

Nesta segunda, especificamente, o real tem desempenho pior que outros ativos também diante das incertezas sobre a relação entre Bolsonaro e o Congresso, que poderiam prejudicar a votação das reformas, diz o estrategista.

O efeito Bolsonaro nos ativos financeiros locais "está sumindo", diz Danny Fang, estrategista de câmbio do BBVA. De acordo com Fang, politicamente os obstáculos são altos e muitos investidores continuam não convencidos de que muitas das políticas do novo governo poderão ser aprovadas pelo Congresso.

A perda de fôlego da moeda brasileira ocorre justamente num momento em que os efeitos da eleição começam a despontar na economia real. A confiança do consumidor subiu para 93,2 em novembro, no maior nível desde julho de 2014, segundo a Fundação Getúlio Vargas.

“A retirada da incerteza eleitoral e redução da pressão financeira nos mercados está dando ânimo ao consumidor”, diz Newton Rosa, economista-chefe da SulAmérica Investimentos.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na XP e conte com assessoria especializada e gratuita

 

 

Contato