Câmbio: JPMorgan vê recuperação do real ante dólar mais próxima após fraqueza recente

A equipe de estratégia do banco, contudo, também pondera sobre os riscos no radar, como fiscal

Equipe InfoMoney

Notas de real e dólar sendo trocadas (Shutterstock)

Publicidade

O real está pronto para se recuperar após meses atrás do desempenho das principais moedas emergentes, aponta o JPMorgan. A equipe de estratégia do banco, contudo, também pondera sobre os riscos no radar.

No acumulado de 2024 até a última segunda-feira (13), o dólar já havia subido cerca de 6%, indo de R$ 4,85 no fim do ano passado para cerca de R$ 5,15, muito por conta do cenário externo de juros mais altos por mais tempo quanto por sinais de maior frouxidão fiscal por aqui, ainda que outros fatores (taxas reais elevadas, saldos externos sólidos) tenham apoiado a moeda doméstica.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

O JPMorgan ainda cita um outro fator para a queda recente do real, calculado a partir do JPM BRL Positioning Index do banco (ou Índice de Posicionamento em real do JPMorgan). Recentemente, ele caiu abaixo da marca de 1,05, que caracteriza o posicionamento como “pesado comprado” na moeda. Mas agora, caiu para 0,96, em seu nível mais baixo em sete meses, o que eleva a convicção de maiores ganhos com o real.

“No início do ano, vimos que o posicionamento mais pesado representava um risco negativo para os comprados em reais. Em janeiro, o Índice atingiu uma máxima histórica, refletindo o forte posicionamento comprado no mercado. Atentos a esta tendência, passamos a adotar uma abordagem mais cautelosa sobre opiniões otimistas em relação ao real, uma vez que o posicionamento forte provavelmente limitaria a margem para ganhos imediatos, na ausência de novas entradas de investidores estrangeiros”, relembra.

Assim, de fato, o real teve um desempenho inferior ao de outras moedas nos mercados emergentes no acumulado do ano. Além disso, “o fluxo de notícias locais não tem sido animador para os investidores este ano (por exemplo, decisões da Petrobras sobre dividendos extraordinários, vencimentos de NTN-A, revisão da meta primária para 2025), mas também não levaram a mudanças significativas nas previsões macro, com as expectativas de crescimento, inflação, superávit de conta corrente e saldo primário ficando praticamente estáveis ou melhorando na margem no acumulado do ano”.

Continua depois da publicidade

A queda do real, no entanto, tem sido considerável, especialmente porque os investidores também têm lidado com condições externas mais desafiadoras, num movimento que muito provavelmente foi ampliado pela redução do grande volume de posições compradas em real, avalia o JPMorgan.

Com o obstáculo ao posicionamento agora fora do caminho e com as “más notícias” na frente fiscal também em grande parte precificadas, o desempenho do real pode agora começar a alcançar os pares. O índice mostra atualmente que a redução do risco tem sido ampla, com investidores estrangeiros e nacionais diminuindo a exposição desde o início do ano. Assim, o JPMorgan segue overweight (exposição acima da média) no real. O banco destaca uma operação put spread em dólar frente o real para 19 de junho entre R$ 4,95 e R$ 4,85. A estratégia de compra de um put spread, também chamada de “Trava de Baixa”, é utilizada com quando o investidor espera uma queda moderada do ativo objeto, e espera participar com ganho da queda.
Para o JPMorgan, entre os riscos no radar para a recuperação do real, estão uma nova onda de aversão ao risco desencadeada pelos dados dos EUA e o potencial para mais pressão fiscal à medida que o governo brasileiro adota medidas por conta da tragédia climática no Rio Grande do Sul.