Remédios no radar

Cade avalia restrições para venda de rede móvel da Oi, dizem fontes à Bloomberg

Segundo o Bradesco BBI, era de se esperar que "remédios" pudessem ser impostos para o negócio, mas aguarda mais detalhes

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) avalia a imposição de restrições e da venda de ativos para aprovar a compra das operações de telefonia móvel da Oi  (OIBR3;OIBR4pelas concorrentes, disseram pessoas a par do assunto à Bloomberg. Na véspera, em meio à notícia, os ativos OIBR3 caíram 2,07%, a R$ 2,37, enquanto os papéis OIBR4 caíram 2,69%, a R$ 2,89.

O negócio é visto como complexo porque tiraria do mercado a quarta maior operadora de telefonia móvel do país, ampliando ainda mais a participação da TIM (TIMS3), Claro e Vivo (VIVT3), segundo duas pessoas, que pediram anonimato porque as discussões não são públicas.

A barreira para a entrada de outra empresa que possa fomentar a concorrência é alta, já que as telecomunicações são um setor regulado, acrescentaram.

Envolvida num processo de recuperação judicial que já dura cinco anos e com uma dívida de mais de R$ 21 bilhões, a Oi vendeu seu negócio de telefonia móvel por R$ 16,5 bilhões. A unidade tem mais de 36 milhões de clientes, que seriam divididos entre as outras três empresas.

O negócio também inclui o acesso às frequências operadas pela Oi, o que aumenta a preocupação com a concentração – e pode significar que a venda de ativos ou restrições comportamentais não sejam suficientes e o Cade imponha restrições estruturais, como obrigar as empresas a leiloar as ondas, disseram as pessoas.

A rejeição do negócio também é uma opção, disse uma pessoa, acrescentando que as soluções ainda estão sendo discutidas.

O Cade não quis comentar o caso, ainda em análise. Tim, Vivo e Claro não comentaram.

A Oi diz que a venda da unidade móvel é “ponto fundamental para o cumprimento do plano aprovado pelos credores visando a recuperação de sua sustentabilidade”. “A companhia tem confiança de que todas as análises regulatórias e concorrenciais serão realizadas com o devido cuidado e diligência”, afirma a empresa em nota enviada por email, complementando que um mercado competitivo requer empresas sustentáveis e com capacidade de investimento.

PUBLICIDADE

Segundo o Bradesco BBI, era de se esperar que “remédios” pudessem ser impostos para este negócio, mas aguarda mais detalhes para ter uma melhor visão sobre o cenário.

“Mantemos nosso cenário básico de que as medidas corretivas não devem ter um impacto material sobre o negócio, especialmente considerando que as teles tentaram formular uma oferta com a menor concentração possível de participação de mercado”, apontam os analistas do BBI, que possuem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) para os ativos OIBR3, com preço-alvo de R$ 3,40 (potencial de valorização de 43,46% em relação ao fechamento da véspera, de R$ 2,37).

A Genial Investimentos também destaca que alguma restrição já era esperada pelo mercado mas aponta que, se ela for rígida demais ou se eventualmente o Cade bloquear a venda por completo da telefonia móvel, é bem provável que haja uma queda nas ações. Isso porque a venda constitui um dos pilares de sucesso do plano de recuperação judicial da Oi e a empresa parece não ter um plano B caso isso venha realmente a ocorrer.

(informações da Bloomberg acrescentando análises)

Onde Investir 2021
Baixe de graça o ebook e participe do evento com os melhores especialistas do mercado:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.