BRF (BRFS3) fecha acordo de leniência de R$ 583,9 milhões por Operação Carne Fraca

Empresa firmou acordo com Controladoria Geral da União (CGU) e Advocacia Geral da União (AGU) por investigações realizadas em 2017

Equipe InfoMoney

Publicidade

A BRF (BRFS3), a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU) anunciaram na quarta-feira (28) a assinatura de um acordo de leniência fruto das investigações em torno da Operação Carne Fraca, de 2017- um esquema de corrupção que envolveu os maiores frigoríficos do País e o Ministério da Agricultura.

A dona de marcas como Sadia e Perdigão se comprometeu a pagar R$ 583,977 milhões ao Tesouro e a aperfeiçoar o programa interno de conformidade.

O valor do acordo inclui a devolução de vantagens indevidas e o pagamento de multas previstas na Lei Anticorrupção e na Lei de Improbidade Administrativa.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O montante deverá ser pago pela BRF à União em 5 (cinco) parcelas anuais, com início em 30 de junho de 2023. O acordo vinha sendo negociado desde 2018.

Um dos pilares seria o pagamento de propinas a agentes públicos em troca da emissão de certificados de qualidade adulterados.

A empresa voltou a entrar na mira da Polícia Federal (PF) na Operação Trapaça, desdobramento da Carne Fraca em 2018.

Continua depois da publicidade

O ex-presidente da BRF, Pedro de Andrade Faria, e o ex-vice-presidente Hélio Rubens Mendes dos Santos Júnior chegaram a ser presos.

(Com Estadão Conteúdo)