Brasil “overweight” entre estrangeiros e as três maiores apostas em ações dos institucionais para 2024

Brasil segue sendo país preferido para alocação em mercados emergentes, destacou o BBA após roadshow com 100 investidores institucionais

Camille Bocanegra

Publicidade

O Itaú BBA se reuniu com mais de 100 investidores institucionais em três continentes e afirma, em relatório sobre o roadshow, que o “Brasil parece estar overweight (exposição superior à média no mercado, similar à compra) para os estrangeiros” entre os emergentes. Nas rodadas de conversas com investidores na América do Norte, Europa e América Latina, o Brasil tende a ser o país preferido para alocação.

O fato de o Brasil ter atualmente o maior ROE (retorno sobre patrimônio), estimado em 18% para 2024, entre os países emergentes surpreendeu investidores locais e internacionais”, considera a equipe de estratégia da divisão de análise do banco.

O BBA destacou também que há expectativas de que o ciclo de lucros do Brasil em 2024 seja melhor que as cifras reais de 2023, com estimativa de alta de 13% no lucro por ação (EPS, na sigla em inglês). O otimismo visto entre estrangeiros parece superior ao observado entre investidores locais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Três papéis/setores são praticamente consenso em todas as regiões visitadas: Mercado Livre (MELI34), bancos e Localiza (RENT3). O MELI34 é uma empresa internacional (da Argentina, com ações negociadas na Nasdaq), mas com grande exposição ao mercado brasileiro.

Localiza, consumo e Vale

Dentre os temas abordados nos encontros, estão as companhias cíclicas domésticos, que tendem a apresentar uma guinada positiva com a queda de juros em 2024. O BBA destacou a Localiza (RENT3) como “ação que mais atraiu interesse e questionamentos”.

Além disso, o setor de consumo tem atraído muita atenção, ainda que não haja um nome preferido entre investidores para aposta. O BBA afirma que questionamentos sobre Lojas Renner (LREN3) estiveram presentes em quase todas as reuniões e que a escolha preferida do banco, a Vivara (VIVA3), parece ganhar holofotes gradualmente. Já para commodities, a Vale (VALE3) segue como interesse principal, com petróleo percebido positivamente e papel & celulose sem grande destaque.

Continua depois da publicidade

O setor financeiro foi destaque tanto entre locais quanto estrangeiros e o BBA considera que ações de bancos são uma das maneiras preferidas para ingresso em mercados domésticos.

Os temas que geraram dissonância entre estrangeiros e locais foram utilities, que tendem a ser mais complexos para acompanhamento de estrangeiros em razão dos riscos regulatórios no Brasil. Para locais, a regulação não tende a ser um problema e nomes do setor compõem mais de 20% do portfólio.

Já saúde, que costuma ser um setor bem visto entre investidores do exterior, passou sem maior interesse, considerando preocupações mais recentes com execução e ciclo. O nome que atraiu mais interesse entre os locais, de acordo com o BBA, foi Hapvida (HAPV3) e, entre estrangeiros, Rede D’Or (RDOR3) foi destaque no setor.

As small caps também não foram consideradas atraentes pelos estrangeiros.

“Para small/mid caps, a liquidez é frequentemente citada como um problema para estrangeiros. No entanto, continuamos a ver isso como uma oportunidade, e os locais geralmente têm exposição”, explica o BBA.

O BBA também destacou em um mapa as preferências dos investidores por cada região, retratadas em imagem abaixo.

Na América do Norte, a preferência é por Mercado Livre, Localiza e bancos, com preferência por setor financeiro e interesse por adicionar empresas cíclicas de qualidade. Na Europa, Mercado Livre, WEG e Raia Drogasil aparecem no consenso, o setor preferido é o financeiro e o interesse para adicionar no portfólio é em ações cíclicas de qualidade.

No Brasil, o banco dividiu as preferências no eixo Rio-São Paulo. No Rio, as preferidas são Nubank, XP, Equatorial e Hapvida, os setores preferidos são utilities e financeiro e as atenções para adicionar exposição se voltam para empresas cíclicas. Já em São Paulo, Localiza e bancos de qualidade aparecem no consenso, os setores preferidos também são financeiro e utilities e os interesses são em cíclicos e small caps.

Confira abaixo:

Fonte: Itaú BBA