Brasil e Argentina fecham em alta, enquanto México registra ligeira queda

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As principais bolsas latino-americanas fecharam em alta, com exceção para o México. Às 15h46 do horário de Nova York, o Nasdaq Composite apresentava baixa de 1,73%, enquanto o Dow Jones Industrial e o S&P500 registravam variações negativas menos acentuadas, de 0,50% e 0,55%, respectivamente.
O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires fechou em alta de 0,20%, após ter passado a maior parte do pregão registrando variação negativa. Nesta quinta-feira, o ministro da economia argentino, Jose Luis Machinea, afirmou que o país deverá crescer um pouco mais que 2,5% no ano que vem. Segundo Machinea, o cenário internacional para 2001 parece favorável para a Argentina e fatores como apreciação do euro e diminuição das taxas de juros internacionais farão com que o país retome o seu crescimento. Durante a mesma entrevista, o ministro adiantou que neste momento a Argentina já pode obter cerca de US$ 2 bilhões do FMI, através do acordo stand by negociado no início do ano. O mercado, conforme foi anunciado por alguns dirigentes argentinos, espera que o pacote de ajuda financeira saia na próxima terça-feira.
Os destaques de alta ficaram para as ações da Acindar (+2,17%), do Banco del Suquia (+1,72%) e do banco BSCH (+1,63%). Contrariando a tendência da bolsa, as maiores baixas entre os componentes do índice Merval ficaram para as termoelétricas Central Puerto (-3,06%) e Central Costanera (-2,82%) e para a Transportadora de Gas del Sur (-2,65%).
O IPC da Bolsa do México fechou em baixa de 0,03%. Segundo a agência Reuters, o governo mexicano solicitou, através da proposta de Orçamento para 2001, US$ 9,22 bilhões para o setor petrolífero, totalizando um aumento de 7,9% em relação aos gastos esperados para o setor neste ano. Essa medida visa aumentar capacidade produtiva do setor, que atualmente é de 3,45 milhões de barris por dia. O Orçamento está sendo discutido na Câmara e, após a aprovação, será encaminhado para o Senado. Os destaques de baixa da bolsa mexicana ficaram para as ações do Grupo Financiero Banorte (-5,15%), do Grupo Carso (-3,85%) e do Grupo Bimbo (-3,08%). Por outro lado, as maiores altas entre os componentes do índice IPC ficaram para a Desc Sociedad de Fomento Industrial (+4,77%), para a TAMSA (+3,33%) e para as Industrias Penoles (+2,76%).
O IBB da Bolsa de Bogotá fechou em baixa de 1,40%, a sexta consecutiva. Ontem, o governo colombiano anunciou que o território desmilitarizado continuará sobre o controle das Forças Armadas Revolucionárias do Colômbia (FARC) até 31 de janeiro de 2001, quando terão início as negociações de paz. O jornal El Nacional divulgou hoje que as vendas de automóveis aumentaram 35% em novembro, em relação a novembro de 1999.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa 3,69%
Venezuela IBVC0,23%
Peru ISBVL -0,12%
Chile IPSA -0,28%

Compartilhe