Bolsas latino-americanas sobem impulsionadas pelo Nasdaq

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As bolsas latino-americanas fecharam em alta nesta sexta-feira, influenciadas pela valorização dos índices norte-americanos. Às 15h46 do horário de Nova York, o Nasdaq Composite registrava alta de 1,35%, enquanto o Dow Jones Industrial e o S&P 500, que apresentaram variações positivas durante a maior parte do pregão, registravam quedas de 0,37% e 0,12%, respectivamente.
O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires encerrou o pregão em alta de 0,71%, recuperando parte das perdas de 2,71%de ontem. Nesta madrugada, após três dias de debate, a Câmara dos Deputados aprovou com uma série de modificações o Orçamento de 20001, que é condição básica do FMI para liberação do pacote. A principal mudança, para felicidade da oposição, foi a exclusão do artigo que daria ao governo argentino o poder de realizar cortes nos órgãos públicos federais. O projeto modificado será enviado para o Senado, onde deverá ser votado rapidamente para que a Argentina consiga encerrar as negociações com o FMI. Nesta sexta-feira, o diretor de relações externas do FMI, Thomas Dawson, declarou que a aprovação do Orçamento encorajou o FMI, que pretende concluir as negociações com Argentina em breve. Os destaques de alta ficaram para as ações da Transportadora de Gas del Sur (+4,93%),da Telefônica (+3,90%), da Perez Companc (+1,55%) e do Banco Frances (+1,41%). Por outro lado, as maiores quedas entre os componentes do índice Merval ficaram com as ações do Banco Rio de la Plata (-2,78%), do Cresud (-2,44%) e da petrolífera Astra (-2,30%).
A Bolsa do México não abriu nesta sexta-feira em função da posse do novo presidente mexicano Vicente Fox.
O IBB da Bolsa de Bogotá fechou em baixa de 0,38%, sendo a única bolsa latino-americana a registrar queda no pregão de hoje. O atraso para aprovação de uma lei que limita os gastos das províncias foi o principal fator causando esta queda.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa 1,13%
Peru ISBVL0,17%
Chile IPSA 0,16%
Venezuela IBVC 0,33%

Compartilhe