Bolsas europeias recuam no pregão, com commodities e bancos em baixa

Royal Bank of Scotland e Lloyd's entre as principais quedas do índice FTSE 100; economia grega levanta preocupações

Equipe InfoMoney

Publicidade

SÃO PAULO – Após os ganhos registrados na última semana, as principais bolsas europeias encerraram em queda nesta segunda-feira (7), com as commodities e os principais bancos pressionando a sessão.

Os pedidos à indústria na Alemanha caíram 2,1% em outubro com relação a setembro, mês em que haviam registrado alta de 1,3%. O número veio abaixo do esperado pelos analistas, que haviam projetado avanço de 8%. Na comparação anual, os pedidos mostraram recuo de 8,5%.

Banco da Grécia

O Banco Nacional da Grécia viu seus papéis caírem 5,6% no pregão, com temores de que o Primeiro-ministro George Papandreou não consiga cumprir a promessa de campanha de que conteria a pior crise fiscal em 15 anos no país. O governo enviará em janeiro um novo plano para a União Européia, tentando evitar sanções por violar regras de déficit do bloco.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s deve reduzir sua classificação dos títulos da dívida soberana da Grécia nos próximos dois meses, segundo matéria da agência Bloomberg.

Bancos registram perdas

As ações do Royal Bank of Scotland tiveram a maior queda do índice FTSE 100, encerrando com desvalorização de 4,71%, enquanto os ativos do Lloyd’s se desvalorizaram 4,12%, após Alistair Darling, chanceler do Tesouro britânico, rejeitar a possibilidade de excluir um imposto sobre pagamentos de bônus excessivos.

Ainda em Londres, os papéis do Barclays caíram 2,13%, enquanto os do HSBC recuaram 1,49%. Em Paris, o Société Générale assistiu suas ações caírem 0,2%

Continua depois da publicidade

As ações da Siemens recuaram 1,03%, após o Morgan Stanley diminuir sua recomendação às ações da empresa, de “acima da média” para “em linha com o mercado”, afirmando que as perdas em operações fora do negócio principal da empresa devem continuar a pesar no fluxo de caixa e nos ganhos.

A Bayer viu os papéis recuarem 0,8%, após a maior farmacêutica alemã ter decidido, juntamente com sua parceira Johnson & Johnson, adiar sua resposta a um pedido de regulação de órgãos responsáveis dos EUA.

Commodities em queda

As principais empresas de matérias-primas e energia encerraram em baixa no pregão, com o preço das commodities metálicas e petróleo recuando na sessão. A Eurasian Natural mostrou queda de 2,12%, enquanto os ativos da companhia Fresnillo registraram baixa de 1,79% em Londres.

Cotações de fechamento

O índice FTSE 100 da bolsa de Londres apresentou desvalorização de 0,22%, a 5.311 pontos, acumulando no ano forte alta de 19,77%, enquanto
o CAC 40 da bolsa de Paris encerrou em leve baixa de 0,17%, atingindo 3.840 pontos e sua variação no ano acumula forte alta de 19,33%.

A Bolsa de Frankfurt, apresentou uma baixa de 0,57% , atingindo 5.785 pontos, acumulando uma forte valorização de 20,26%.

%Var Dia Pontos %Var 30D %Var Ano
CAC 40 -0,17 3.840 +3,58 +19,33
FTSE 100 -0,22 5.311 +3,27 +19,77
DAX 30 -0,57 5.785 +5,40 +20,26
SMI -0,47 6.471 +2,81 +16,91
FTSE MIB -0,60 22.789 +1,06 +17,10