Bolsas de NY resistem à pressão de Treasuries e fecham em alta, com Apple e Boeing em destaque

O índice Dow Jones marcou alta de 0,54%, o S&P 500 avançou 0,88% e o Nasdaq subiu 1,35%

Estadão Conteúdo

A loja da Apple na Quinta Avenida em Nova York, EUA, na sexta-feira, 22 de setembro de 2023. (Foto: Bloomberg)

Publicidade

As Bolsas de Nova York fecharam em alta, com o Nasdaq liderando o movimento após as ações de tecnologia ganharem força. A Apple disparou após ganhar recomendação de compra, enquanto Boeing surfou em nova encomenda de aeronaves para buscar recuperação das perdas recentes.

No fim o pregão, o índice Dow Jones marcou alta de 0,54%, aos 37.468,61 pontos. O S&P 500 avançou 0,88%, aos 4.780,94 pontos. O Nasdaq subiu 1,35%, aos 15.055,65 pontos.

As ações da Apple subiram 3,26% após a Bank of America Securities elevar a recomendação do papel de “neutra” para “compra”. Na contramão do ceticismo de vários analistas em relação ao potencial de alta das ações, a corretora citou fatores como a atualização mais robusta do iPhone, que poderá permitir a aplicação de inteligência artificial (IA) generativa, o maior crescimento de serviços, retornos de capitais fortes.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O presidente do Federal Reserve (Fed) de Atlanta, Raphael Bostic, afirmou que adiantou sua projeção para normalização nos juros do BC americano do quarto trimestre para o terceiro trimestre deste ano. A previsão ainda é posterior à precificação atual do mercado, que vê cortes já em março. Junto com a queda dos pedidos de auxílio-desemprego, esse cenário deu fôlego à ponta longa dos Treasuries.

Mesmo assim, os mercados acionários americanos conseguiram resistir à pressão da renda fixa, motivados principalmente por variáveis das próprias empresas. Boeing saltou 4,21%, após receber pedido de 150 aeronaves 737 MAX da aérea indiana Akasa Air. A notícia é o primeiro alívio à empresa após o imbróglio envolvendo o 737 MAX 9, na esteira de incidente com a Alaska Airlines.

Outro destaque da sessão foi o setor de chips semicondutores, com Nvidia em alta de 1,88%. As compras foram motivadas por comentários da fabricante taiuanesa de microprocessadores, a TSMC, que projetou nesta quinta-feira crescimento na receita de 2024, apoiada na crescente demanda por chips usados em sistemas de inteligência artificial.

Continua depois da publicidade

Os papéis do Wells Fargo cederam 0,49% e computaram sete sessões em queda, a sequência mais prolongada de perdas desde dezembro de 2018.