Bolsas de NY fecham em viés de alta, com avisos do Fed ofuscados por otimismo de investidores

Dow Jones encerrou a sessão quase estável após atingir máxima histórica nas últimas sessões; S&P 500 ganhou 0,45% e Nasdaq se valorizou 0,61%

Estadão Conteúdo

(Getty Images)

Publicidade

As bolsas de Nova York fecharam em viés de alta hoje, à medida que investidores insistem na projeção por cortes agressivos de juros nos Estados Unidos em 2024, apesar do renovado esforço de dirigentes do Federal Reserve (Fed) para tentar conter a precificação do mercado.

O índice Dow Jones encerrou a sessão praticamente estável, em 37.306,02 pontos, limitado depois de ter fechado em máxima histórica nas últimas sessões; o S&P 500 ganhou 0,45%, a 4.740,56 pontos; e o Nasdaq se valorizou 0,61%, a 14.904,81 pontos.

Entre os destaques, US Steel saltou 26,09%, após anunciar a compra da japonesa Nippon Steel Corporation. Já Adobe avançou 2,47%, após desistir de uma fusão com a Figma. Apple, por sua vez, caiu 0,85%, em repercussão à reportagem da Bloomberg que informou que o governo da China ampliou a proibição do uso do iPhone por autoridades e funcionários.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Setorialmente, energia esteve entre os destaques do dia, enquanto as tensões no Mar Vermelho impulsionaram os preços do petróleo. Exxon Mobil e Chevron subiram 0,74% e 0,22%, respectivamente.

Na contramão, os papéis de companhias aéreas enfrentaram particular pressão, depois que os Estados Unidos impuseram uma multa de US$ 140 milhões contra a Southwest, cuja ação recuou 0,14%. Na esteira, American Airlines perdeu 1,73%, United Airlines cedeu 2,87% e Delta baixou 2,74%.

No geral, o tom positivo em Wall Street foi ajudado pela contínua expectativa por afrouxamento do Fed no ano que vem, mesmo com sinais divergentes de dirigentes. Hoje, os presidentes da distritais de Chicago, Austan Goolsbee, e Cleveland, Loretta Mester, reforçaram que as expectativas do mercado estão agressivas demais.

Continua depois da publicidade

Apesar disso, analistas do Barclays alertam que a escalada recente pode abrir caminho para decepção no ano que vem. “Auxiliado por um posicionamento leve e um Fed dovish, o rali de final de ano está essencialmente tomando emprestado dos retornos de 2024, deixando menos espaço para ganhos no próximo ano”, afirmou Venu Krishna, chefe de estratégia de ações dos EUA do Barclays.

*Com informações da Dow Jones Newswires