Bolsas de NY fecham em alta, após inflação sem surpresa; Nasdaq bate recorde desde 2021

Os indicadores mantiveram a perspectiva de que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) deve começar a reduzir os juros no país, provavelmente em junho, um cenário já incorporado aos preços dos ativos

Estadão Conteúdo

Publicidade

As bolsas de Nova York fecharam em alta, com o Nasdaq marcando o maior patamar de fechamento desde 2021, diante do frenesi das ações ligadas à inteligência artificial. O clima veio depois que os dados de inflação nos Estados Unidos confirmaram as expectativas.

Os indicadores mantiveram a perspectiva de que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) deve começar a reduzir os juros no país, provavelmente em junho, um cenário já incorporado aos preços dos ativos. O pregão foi pontuado ainda por indicadores mistos sobre o ritmo da economia americana, enquanto falas de membros do Fed continuaram reforçando a narrativa de prudência.

O Dow Jones Industrial Average subiu 0,12%, a 38.996,39, após três sessões em queda. O S&P 500 e o Nasdaq também avançaram. O S&P 500 teve ganho de 0,52%, aos 5.096,27 pontos e o Nasdaq marcou +0,90%, fechando aos 16.091,92 pontos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os índices acumularam ganhos no mês de fevereiro: o Dow Jones teve alta de 2,22%, o S&P 500 de 5,17% e o Nasdaq, de 6,12%.

As ações da Boeing caíram 1,58% na sessão de hoje, em devolução parcial do ganho de mais de 2% do pregão de ontem. A fabricante de aeronaves deve apresentar em 90 dias um plano para corrigir problemas graves de qualidade e segurança de seus aviões, informou a Administração Federal de Aviação (FAA, da sigla em inglês) na quarta-feira.

A Salesforce subiu 3,02%, depois que a fabricante de software empresarial relatou, na quarta-feira, lucros e receitas do quarto trimestre que superaram as estimativas, enquanto a projeção de receita de CRM para o ano fiscal de 2025 ficou abaixo das expectativas. A companhia anunciou seu primeiro dividendo.

Continua depois da publicidade

“A empresa cumpriu seu compromisso de devolver capital aos acionistas, iniciando seu primeiro dividendo, em um valor inicial de US$ 0,40 por ação, além de aumentar seu plano de recompra de ações em US$ 10 bilhões”, disse Terry Tillman, analista da Truist Securities, em um relatório. Os lucros da Salesforce aumentaram 36%, para US$ 2,29 por ação em uma base ajustada. Além disso, a receita aumentou 11%, para US$ 9,29 bilhões.

Na esfera macroeconômica, o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos EUA avançou 0,3% em janeiro ante dezembro. O núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, subiu 0,4% no mesmo período.

Ambas as variações vieram em linha com as previsões de analistas consultados pela FactSet. Na comparação anual, o PCE subiu 2,4% em janeiro, perdendo força ante o acréscimo de 2,6% visto em dezembro, enquanto o núcleo avançou 2,8%, desacelerando ante o aumento de 2,9% do mês anterior. Também neste caso, os resultados de janeiro confirmaram as previsões da FactSet. A renda e os gastos com consumo subiram mais do que o esperado. Outros dados mostraram fraqueza, como o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) e as vendas pendentes de imóveis recuaram.

* Com informações da Dow Jones Newswires