Bolsas da Europa oscilam perto da estabilidade, após inflação alemã e de olho na perspectiva de juros

Pesquisa do Destatis confirmou que a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) da Alemanha desacelerou significativamente em janeiro

Estadão Conteúdo

Publicidade

São Paulo, 09/02/2024 – As bolsas europeias oscilam perto da estabilidade na manhã desta sexta-feira, buscando direção após dados da inflação alemã e em meio a incertezas sobre a trajetória dos juros na região e também nos EUA.

Por volta das 6h10 (de Brasília), o índice pan-europeu Stoxx 600 tinha alta marginal de 0,01%.

Mais cedo, pesquisa do Destatis confirmou que a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) da Alemanha desacelerou significativamente em janeiro, fator que aumenta a probabilidade de um corte de juros na zona do euro mais adiante.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Nos últimos dias, autoridades do Banco Central Europeu (BCE) demonstraram cautela em relação ao comportamento da inflação no bloco, sinalizando que é preciso aguardar mais antes começar a reduzir juros.

A mesma dúvida persiste em relação à política monetária dos EUA. Segundo monitoramento do CME Group, há chance apenas ligeiramente maior de 50% de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anuncie seu primeiro corte de juros em maio. Lá também, dirigentes dizem que é preciso acompanhar mais dados de inflação antes de se considerar um eventual relaxamento do aperto monetário.

A agenda de hoje prevê discursos do dirigente do BCE Piero Cipollone e da presidente da distrital do Fed em Dallas, Lorie Logan.

Continua depois da publicidade

Às 6h25 (de Brasília), a Bolsa de Londres avançava 0,02%, a de Paris caia 0,24% e a de Frankfurt recuava 0,03%. Já a de Milão subia 0,03%, enquanto as de Madri e Lisboa perdiam 0,22% e 0,10%, respectivamente.