Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com política monetária e altas de petroleiras no radar

O dia contou ainda com a publicação de indicadores de atividade no continente, que deram diferentes indicações sobre a economia na região

Estadão Conteúdo

(Shutterstock)

Publicidade

As bolsas de Europa fecharam sem sinal único nesta terça-feira, 2, acompanhando perspectivas para a política monetária e com impulso de petroleiras, que subiram com foco no acirramento de tensões geopolíticas. O dia contou ainda com a publicação de indicadores de atividade no continente, que deram diferentes indicações sobre a economia na região.

O índice pan-europeu Stoxx600 fechou em baixa de 0,16%, a 478,23 pontos.

Dirigente do Banco Central Europeu (BCE) Pablo Hernández de Cos afirmou que o “tempo necessário de manutenção dos juros no nível atual, antes de começar a reduzi-los gradualmente, dependerá da evolução futura de dados”. De acordo com ele, a cautela é necessária frente a um contexto de incertezas elevadas e riscos geopolíticos, como os conflitos no Oriente Médio.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Hernández de Cos também reforçou que, se mantidas por tempo suficiente, as taxas atuais podem ajudar a “alcançar a meta de inflação em 2% no médio prazo”. O dirigente pontuou que as projeções recentes dão mais confiança sobre esta perspectiva, já que “erros de previsões tem reduzido nos últimos meses” e a “política monetária continua sendo transmitida com força para as condições financeiras, incluindo de forma acima do esperado”.

Na tensões, a 94ª flotilha de navios de guerra da Marinha do Irã, composta pelo destróier Alborz, entrou no Mar Vermelho nesta segunda-feira, dia 1º. O envio da flotilha ocorre em meio ao aumento das tensões na rota marítima estratégica, após os ataques de retaliação do Iêmen aos navios de propriedade israelense ou com destino a Israel, em apoio aos palestinos na Faixa de Gaza. Petroleiras foram apoiadas pelo movimento.

Em Londres, onde o FTSE 100 caiu 0,15%, 7.721,52, a BP avançou 1,03%. Cenário semelhante a Paris, onde o CAC 40 recuou 0,16%, 7.530,86, enquanto a Total avançou 1,92%. Em Lisboa, a Galp subiu 1,92%, onde o PSI 20 avançou 0,90%, a 6.454,32 pontos. Ali, a principal alta foi do Banco Comercial Português (BCP), que subiu 3,83% depois que decidiu reembolsar antecipadamente 400 milhões de euros, acrescidos de juros, em obrigações perpétuas.

Continua depois da publicidade

Os índices de gerentes de compras (PMIs, na sigla em inglês) industriais da zona do euro e da Alemanha especificamente tiveram em dezembro resultados melhores do que as estimativas iniciais, mas o britânico ficou aquém do previsto. De qualquer forma, todas as leituras seguiram abaixo da barreira de 50, o que indica contração de atividade. Em Frankfurt, o DAX avançou 0,11%, a 16.769,36 pontos. Em Milão, o FTSE MIB teve alta de 0,57%, a 30.524,63 pontos. O Ibex35 subiu 0,78% em Madri, a 10.181,10 pontos.