Bolsas da Europa caem com avanço da extrema direita e eleição antecipada na França

A apuração inicial das eleições da UE, que duraram uma semana e foram encerradas neste domingo (09), mostra que partidos da extrema direita poderão ter uma influência maior mas políticas da Europa nos próximos cinco anos

Estadão Conteúdo

Emmanuel Macron (Foto: Christian Hartmann/Reuters)

Publicidade

São Paulo, 10/06/2024 – As bolsas europeias operam em baixa na manhã desta segunda-feira, após resultados iniciais mostrarem avanço de partidos de extrema direita nas eleições parlamentares da União Europeia, o que levou a França a antecipar suas eleições legislativas.

Por volta das 6h05 (de Brasília), o índice pan-europeu Stoxx 600 caía 0,73%, a 519,73 pontos. O CAC 40, da França, tinha baixa de cerca de 2%, enquanto o euro tinha baixa de 0,57% frente o dólar, a US$ 1,0739.

A apuração inicial das eleições da UE, que duraram uma semana e foram encerradas neste domingo (09), mostra que partidos da extrema direita poderão ter uma influência maior mas políticas da Europa nos próximos cinco anos.

Continua depois da publicidade

Seja um dos primeiros a garantir ingressos para a NFL no Brasil com a XP. Pré-venda exclusiva com Cartão XP, aprovado em 24h!

O drama eleitoral europeu se agravou após o presidente da França, Emmanuel Macron, convocar eleições legislativas antecipadas em função da derrota que sofreu para a extrema direita nas urnas. No horário acima, as ações dos bancos franceses Société Générale e BNP Paribas tombavam 7,5% e 4,8%, respectivamente, em Paris.

Investidores na Europa também vão acompanhar, na quarta-feira (12), novos dados da inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, assim como o anúncio de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que deverá deixar seus juros inalterados pela sétima vez consecutiva.

Continua depois da publicidade

Às 6h21 (de Brasília), a Bolsa de Paris liderava as perdas, com queda de 2,06%, enquanto a de Londres caía 0,43% e a de Frankfurt recuava 0,95%. Já as de Milão, Madri e Lisboa tinham respectivas baixas de 1,02%, 0,88% e 0,03%.