Conteúdo editorial apoiado por

BBA revisa convicções para techs dos EUA após balanços e segue otimista com Totvs no Brasil

Banco acredita em resultados acima do consenso para a Totvs, que divulga balanço esta semana

Felipe Moreira

(Getty Images)

Publicidade

O Itaú BBA, em relatório, avalia que a temporada de resultados das empresas de tecnologia nos Estados Unidos foi boa no geral, atualizou as recomendações para as companhias do setor em Wall Street e também traçou paralelos com as empresas no Brasil.

No documento, o banco reiterou a recomendação long (de compra) para a ação da Totvs (TOTS3). Os analistas da casa estão confiantes na divulgação dos resultados da empresa brasileira na quarta-feira (7) e o início da temporada de resultados de tecnologia na América Latina.

Pelo segundo trimestre consecutivo, eles acreditam que o consenso é muito conservador e que há potencial de alta nos números da companhia. A ação teve uma queda de 9% das máximas e, com isso, o valuation parece mais razoável (com um múltiplo de 24 vezes o preço sobre lucro, ou P/L, esperado para 2024).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No exterior, embora possa acontecer alguma retração no papel da META (M1TA34) nos próximos dias após subir mais de 20% na última sexta-feira, o BBA está otimista e recomenda compra (com alta convicção). O lado comprador parece ter uma nova estimativa de lucro por ação (EPS) para 2025 de US$ 26, o que significa que a ação deveria atingir “facilmente” US$ 520 (20 vezes Preço/Luco). A estimativa do BBA está muito à frente do consenso, com expectativa de EPS para 2025 de US$ 30. “Se estivermos certos, há um potencial de valorização bem mais significativo”, diz o banco. “Além disso, a nova política de dividendos deve atrair novos investidores para o nome nos próximos meses”, afirma.

Por outro lado, Alphabet (GOGL34), dona do Google, parece ser um investimento estagnado, com a pendência do Departamento de Justiça (DoJ) persistindo e sendo difícil acreditar em uma história de margens em expansão. Com isso, o banco recomenda venda para os ativos, com alta convicção.

Para a empresa multinacional taiwanesa de semicondutores TSMC (TSMC34), o BBA vê que ela está muito bem posicionada para se beneficiar da próxima fase de renovação da infraestrutura de semicondutores/hardware em resposta à Inteligência Artificial Generativa.

O banco vê a TSMC usando sabiamente seu monopólio tecnológico a seu favor, não expandindo muito os gastos de capital enquanto cresce as receitas rapidamente. Embora o guidance da companhia implique em uma expansão de receita de 20%-25% este ano, os analistas não descartam a possibilidade de a TSMC alcançar uma aceleração na receita a ritmo de 40%-50%. Com a ação sendo negociada a 14 vezes o preço sobre o lucro esperado para 2025 (consenso Bloomberg), o BBA espera que a TSMC seja reavaliada para 20 vezes e tem recomendação de compra, com média convicção por não cobrir diretamente a ação.

Assim como no caso da TSMC, a única razão pela qual AMD e Intel (INTC) possuem recomendação com média convicção é porque o banco não tem cobertura oficial dos dois nomes – caso contrário, listaria como alta convicção. A recente queda na AMD abriu uma oportunidade, e o aumento nos gastos de capital de todas as techs (Google, Meta e Amazon revisando projeções para cima, Microsoft mantendo-se forte) provavelmente se traduzirá em receitas mais robustas para a AMD (e Nvidia).

Por outro lado, segundo o BBA, a Intel (ITLC34) foi uma grande decepção no último trimestre, sendo difícil mudar o momentum negativo, pelo menos até o próximo trimestre. Dessa forma, o BBA recomenda venda, com convicção média.

O BBA tem recomendação de compra em Amazon (AMZO34) e Microsoft (MSFT34), mas de venda em Apple (AAPL34). O banco acredita que esta é uma recomendação mais arriscada e, portanto, a convicção é menor. A Amazon mais uma vez entregou números melhores do que o esperado, especialmente no guidance, e a boa história para o ano permanece. No entanto, dados alternativos têm sido fracos e parecem não considerar adequadamente as receitas relacionadas à IA, o que poderia trazer volatilidade.

Quanto à Microsoft, o banco vê espaço para superar mais vezes as receitas e margens, a base de sua recomendação positiva. Para Apple, analistas esperam ver mais pressão relacionada à China nas manchetes, e o caso do DoJ também é uma pendência.