Azul (AZUL4) informa prejuízo ajustado 31,7% menor em balanço auditado do 3º trimestre

Dia 14 de novembro, a aérea havia divulgado números preliminares, não auditados, sem resultado líquido

Felipe Moreira

Publicidade

A Azul (AZUL4) registrou prejuízo líquido ajustado de R$ 360,2 milhões no terceiro trimestre de 2023 (3T23), montante 31,7% inferior ao prejuízo ajustado de R$ 527,3 milhões reportado em igual período do ano anterior.

A companhia aérea já havia divulgado no dia 14 de novembro números preliminares para o trimestre encerrado em setembro, mas sem o resultado líquido.

Na época, as ações da Azul saltaram quase 9% com os dados reportados reforçando a racionalidade da empresa.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ficou em R$ 1,56 bilhão entre julho e setembro deste ano, um crescimento de 68,6% ano a ano. Na versão preliminar, o Ebitda era de R$ 1,55 bilhão.

A margem Ebitda foi de 31,7% no trimestre, avanço de 10,6 pontos percentuais na comparação contra igual período de 2022. Em novembro, a Azul havia divulgado margem Ebitda de 31,6%.

O lucro operacional foi ajustado de R$ 957,4 milhões para R$ 962,4 milhões, um crescimento de 138,1% na comparação com o 3T22.

Continua depois da publicidade

A receita líquida somou R$ 4,916 bilhões no terceiro trimestre deste ano, crescimento de 12,3% na comparação com igual etapa de 2022, mas abaixo dos R$ 4,99 bilhões previstos pelo consenso LSEG. Na versão preliminar, a receita havia ficado em R$ 4,914 bilhões.

A companhia aérea encerrou o trimestre com liquidez total de R$ 6,7 bilhões, incluindo investimentos e recebíveis de longo prazo, depósitos de segurança e reservas de manutenção. A liquidez imediata em 30 de setembro de 2023 foi de R$ 3,5 bilhões, 70,2% acima do 2T23 mesmo após o pagamento de cerca de R$ 3,2 bilhões em arrendamentos de aeronaves, amortizações e juros da dívida, diferimentos e Capex.

A Azul informou no mês passado que, junto a auditores, não pôde concluir suas demonstrações de resultado dentro do prazo estabelecido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) devido à implementação recente de um plano de otimização de capital, envolvendo novos contratos com a maioria de seus arrendadores e fabricantes de equipamentos.

À época, a empresa afirmou que não esperava mudanças relevantes nas informações preliminares divulgadas até então.