Azul (AZUL4): Ações disparam 10% após banco estrangeiro elevar recomendação; Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3) sobem juntas

Especialistas do banco americano destacam possível crescimento de Ebitda e melhor situação de caixa como motivos para reavaliação

Vitor Azevedo

Publicidade

As ações ordinárias da Azul (AZUL4) sobem mais de 10% por volta das 11h desta quarta-feira (20), após o Goldman Sachs elevar, em relatório publicado ontem à noite, as recomendações para os papéis da companhia aérea para compra. Na segunda-feira, o JP Morgan também tinha elevado a sua recomendação para a Azul.

Segundo Luan Alves, analista da VG Research, a elevação acaba puxando, junto, os papéis preferenciais da Gol (GOLL4), que sobem 9%, e os ordinários da CVC (CVCB3), que tem alta de 8,75%.

No relatório do GS, os especialistas destacam que identificaram uma assimetria positiva na expansão do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) junto de um valuation descontado por conta das recentes quedas. Os papéis da Azul caem cerca de 35% nos últimos três meses.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Além disso, observamos que a recente renegociação com arrendadores e detentores de títulos reduziu significativamente os riscos do balanço patrimonial”, escreveram.

“A Azul recentemente também captou cerca de US$ 800 milhões com uma nota sênior garantida para somar aos R$L 2 bilhões em caixa e contas a receber relatados no segundo trimestre, o que, na nossa opinião, torna o balanço ainda mais seguro”.

O Goldman afirma que a situação atual representa uma boa oportunidade de compra, dada a racionalidade do ambiente competitivo no setor aéreo – o que deve permitir o aumento de preços nos próximos trimestres para compensar os custos mais altos, sendo que o preço de querosene de aviação avançou 38% desde o fim do segundo trimestre, seguindo a alta do petróleo.

Continua depois da publicidade

“Nesse contexto, observamos que a empresa conseguiu com sucesso repassar os efeitos do aumento dos custos com combustível para as tarifas no ano passado (RASK expandiu-se em 27% em 2022) à medida que todo o mercado tem sido racional e focado na reconstrução da lucratividade para níveis pré-pandemia”, falam.

Por fim, eles mencionam que a Azul conseguiu manter os seus rendimentos em níveis elevados mesmo em um contexto de preços mais baixos de combustível de aviação no primeiro semestre, sem repassar o recuo dos preços.

“O mercado brasileiro permanece racional, com um crescimento anual composto de cerca de 0% na capacidade doméstica ao longo dos últimos 10 anos. No geral, acreditamos que a empresa demonstrou que tem sido capaz de manter e continuará a manter o poder de precificação”, fecham.

O preço-alvo do banco americano para as ações da Azul foi fixado em R$ 29, ante R$ 24,3 anteriormente, um upside de 114,3% frente ao fechamento da véspera.

Na segunda, JP Morgan elevou recomendação para Azul

Dois dias antes do relatório do Goldman Sachs ser publicado, foi o JP Morgan que elevou sua recomendação para a Azul para overweight (acima da média do mercado, equivalente à compra). O preço-alvo foi fixado em R$ 29, o mesmo estipulado pelo GS.

“Estamos elevando a recomendação após o que consideramos ser um desempenho recente injustificado – as ações caíram 32,5% nos últimos três meses, em comparação com os pares que caíram em média 12% – somado ao fato de que a empresa já concluiu seu gerenciamento de passivos e tem apresentado resultados operacionais consistentes”, justificaram.

O JP, no entanto, revisou para baixo suas expectativas de Ebitda para as empresas aéreas, citando a alta dos preços dos combustíveis.

Para a Gol, contudo, o banco ainda tem visão cautelosa.

“Reconhecemos os esforços da empresa no gerenciamento de passivos, tendo já concluído uma troca de títulos de US$1,4 bilhão com seu acionista controlador – Abra – incluindo US$450 milhões em dinheiro novo”, falam.

“Por outro lado, a operação incluiu uma cláusula de conversão que deve implicar uma diluição de cerca de 70% no patrimônio – anunciada em agosto – agora incorporada em nossas estimativas. Além disso, a GOL ainda está negociando seus acordos de locação, o que traz uma maior incerteza sobre sua situação financeira no futuro, pelo menos quando comparada às empresas do setor na região”, ponderam.

Para a Gol, a recomendação é de underweight (abaixo da média do mercado, equivalente à venda), com preço-alvo em R$ 7 – upside de 9,3% frente ao fechamento anterior.