Aversão a risco no exterior contamina Ibovespa, que cai para nível dos 128 mil pontos

Ontem, o Índice Bovespa fechou com desvalorização de 1,69%, aos 129.294,04 pontos, com apenas uma ação em alta, de um total de 87

Estadão Conteúdo

Publicidade

A aversão a risco internacional contamina o Ibovespa nesta quarta-feira, 17, depois de o índice na terça-feira, 16, já ter sentido o clima defensivo externo por conta de dúvidas em relação às expectativas de corte de juros nos Estados Unidos e na Europa. Nesta quarta-feira, este temor é reforçado devido a indicadores decepcionantes da China e após a alta mais forte do que a esperada das vendas do varejo dos EUA.

“Há uma desaceleração clara na China e governo continua injetando liquidez, mas isso parece não estar surtindo o efeito desejado. A tendência é que os estímulos chineses à economia devem prosseguir, pode ser que em algum momento tenham impacto”, diz Lucca Ramos, especialista de renda variável da One Investimentos.

Na abertura, o Ibovespa estava em 129.293,35 pontos, mas depois enfraqueceu. “Tentou recuperar um pouco a queda, mas as vendas do varejo dos Estados Unidos mostraram aquecimento maior e instantaneamente houve alteração considerável nas apostas na plataforma CME para o começo de corte dos juros em março”, descreve Sidney Lima analista da Ouro Preto Investimentos, ao referir-se ao recuo nas estimativas para início de recuo dos juros no terceiro mês deste ano.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Como acrescenta Lima, o VIX, índice do medo, que chegou a subir mais cedo 1,50% avançou a 2,62%, refletindo os dados do varejo dos EUA. Outro ponto, ressalta o analista da Ouro Preto, são as condições na China que ainda preocupam, dadas as perspectivas de desaquecimento.

As vendas do varejo dos EUA subiram 0,6% em dezembro, ante previsão de 0,4%, elevando, preliminar e moderadamente, as dúvidas sobre quando será iniciado o processo de queda dos juros dos EUA. Os juros dos rendimentos dos Títulos americanos aceleraram a alta.

Além das bolsas, as commodities também caem, pesando nas ações do setor na B3. O petróleo cai perto de 2,00%, enquanto o minério de ferro fechou em baixa de 0,75%, em Dalian, na China. Por lá, o país informou crescimento de 5,2% do PIB em 2023, uma alta maior do que a esperada da produção industrial em dezembro, além de vendas no varejo decepcionantes e recuo das vendas de moradias no ano passado.

Continua depois da publicidade

Sobre os números, Gustavo Cruz, estrategista da RB investimentos, diz que os resultados merecem leituras distintas: uma de curto prazo e outra de médio e longo prazos. A de curto prazo, afirma, é que a economia cresceu no ano passado, superando a meta de 5% do governo. A despeito do crescimento, a sensação é de que a China crescerá menos, podendo anunciar uma meta menor em março. “A sensação é um pouco mais negativa”, avalia em comentário.

No longo prazo, diz, a grande questão é em relação à população, que indica estar encolhendo, e há um esforço do governo em reverter essa tendência. Isso, analisa, pode frear um pouco as estimativas para o consumo do gigante asiático. Por ora, Cruz, das RB, acredita que os resultados dos dados chineses não trazem tanta preocupação para o Brasil, pois, segundo ele, o que realmente importa é que a China já está num nível muito alto de crescimento e o Brasil tem destravado barreiras comerciais e sanitárias com o país.

Ontem, o Índice Bovespa fechou com desvalorização de 1,69%, aos 129.294,04 pontos, com apenas uma ação em alta, de um total de 87.

Às 11h30, o Ibovespa caía 0,36%, aos 128.829,73 pontos, ante mínima aos 128.635,25 pontos (-0,51%), em dia de vencimento de opções sobre o índice. Vale caía 1,42%, mas a lista das maiores quedas era composta por papéis ligados ao setor de petróleo, que cede mais de 2,00%, caso de 3R Petroleum (-3,27%). Petrobras caía 0,26% (PN) e -0,63% (ON).

Tópicos relacionados