Ativa atualiza preços-alvo das empresas do setor de construção civil

Para os analistas, demanda por imóveis continua fortalecida, apesar do cenário macro; Brookfield e PDG são as top picks

Publicidade

SÃO PAULO – Os analistas da Ativa revisaram suas estimativas para as empresas do setor de construção civil e material de construção, com alterações nos preços-alvo, que agora são estimados para junho do próximo ano. As recomendações foram todas mantidas como compra.

Segundo a equipe de análise da corretora, o cenário macro já não se mostra “o mais propício” para o setor. Entretanto, esse fator já teria sido precificado pelos investidores, fato demonstrado pela queda do setor neste ano, expressivamente maior que a registrada pelo índice Ibovespa.

Apesar disso, os analistas afirmam que “a demanda por imóveis continua forte”. Assim, a aposta é de que as incorporadoras e empresas de material de construção deverão continuar se aproveitando dessa demanda.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Brookfield e PDG são top picks
Dentre as empresas incorporadoras no universo de cobertura da Ativa, a Brookfield (BISA3) e a PDG (PDGR3) continuam como top picks dos analistas. Essa preferência deve-se principalmente pela crença na capacidade de execução dessas duas empresas, que seria superior à média do mercado.

A equipe da Ativa também recomenda a exposição às ações da Duratex (DTEX3), em função da “sua correlação ao setor imobiliário e sua posição líder no mercado ainda promissor de painel de madeira”.

Preços-alvo e potencial
Começando pelas top picks do setor, o novo preço-alvo fornecido para as ações da PDG Realty é de R$ 13,71, valor que representa um upside (potencial teórico de valorização) de 71,16% na comparação com o último fechamento. Já para os papéis da Brookield, o preço-alvo foi atualizado para R$ 13,20, upside de 89,65%.

Continua depois da publicidade

Já para as ações da Cyrela (CYRE3), o preço-alvo fornecido para junho de 2012 é de R$ 21,63, upside de 48,25% também na comparação com a cotação no último fechamento. Ao mesmo tempo, para os ativos da Gafisa (GFSA3), o preço-alvo foi atualizado para R$ 13,16, upside de 95,25%.

O preço-alvo dos papéis da MRV (MRVE3) passou para R$ 20,96 e para os papéis da Rossi (RSID3) foi para R$ 18,19. Na comparação com o último fechamento, esses valores representam um upside de 88,66% e 57,76%, respectivamente. Por fim, para as ações da Duratex, o novo preço-alvo é de R$ 18,22, upside de 58,99%.