Arezzo espera que Cade aprove incorporação da Soma em até 45 dias

Fusão vai gerar negócio com mais de R$ 12 bilhões em receitas

Ana Paula Ribeiro

Loja da Arezzo. (Reprodução do Facebook)

Publicidade

A Arezzo & Co (ARZZ3) espera que em até 45 dias o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprove a incorporação do Grupo Soma (SOMA3) e, a partir desse momento, as duas empresas comecem a trabalhar juntas.

“Até a metade de abril esperamos ter a aprovação do Cade. A partir disso, fazemos a convocação da assembleia. Mas a partir desse aval (do Cade) já podemos trabalhar juntos em nível operacional, mais estratégico para aí já capturar algumas sinergias”, explicou Rafael Sachete, diretor-financeiro da Arezzo & Co, durante teleconferência dos resultados do quarto trimestre.

O pedido ao Cade foi feito no dia 29 de fevereiro e a expectativa é que seja concluído nesse período de 45 dias. Passado esse prazo, as duas companhias ainda precisam realizar as assembleias de acionistas, mas já há espaço para trabalho em conjunto.

Continua depois da publicidade

A Arezzo registrou um lucro líquido recorrente de R$ 125,7 milhões no quarto trimestre de 2023, uma alta de 22,5% na comparação com o mesmo período de 2022. O período foi marcado pelo bom desempenho da Vans, AR&CO, Arezzo e Anacapri e um mercado internacional considerado mais desafiador pela companhia, que encerrou a operação de duas lojas Schutz nos Estados Unidos em dezembro.

Sinergias

A Arezzo é dona da Arezzo, Schutz, Anacapri, AR & Co e tem a operação da Vans no Brasil, entre outras marcas de calçados. Já o Grupo Soma possui no seu catálogo a Hering, Farm e Animale. Juntas, irão operar mais de 20 marcas e devem ultrapassar os R$ 12 bilhões em receitas
.

Alexandre Birman, CEO da Arezzo, afirmou que entre as sinergias de receita possíveis está o aumento de vendas de calçados nas marcas de vestuário.

Continua depois da publicidade

“Vamos gerar valor para vender mais. As marcas do Grupo Soma vendem moda, mas praticamente não vendem calçados e bolsas. Quase todas as marcas do mundo têm 25% da receita de calçados”, disse.

O acordo de associação entre Arezzo e Soma foi assinado em 5 de fevereiro. Birman, fundador da Arezzo, deve ser o CEO da nova companhia e Roberto Luiz Jatahy Gonçalves, fundador do Grupo Soma, será responsável pelo negócio de vestuário feminino e Thiago Hering ficará com a Hering.

Outro efeito da fusão entre as duas empresas diz respeito ao nível de endividamento. A Arezzo trabalha com um baixo nível de alavancagem e concentração no curto prazo. A empresa terminou o ano com uma dívida líquida de R$ 331,4 milhões, o equivalente a 0,4 vez o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Continua depois da publicidade

O Grupo Soma divulgará os resultados do quarto trimestre apenas no dia 25 de março. Em setembro, a companhia totalizava uma dívida líquida de R$ 677,6 milhões e uma relação entre dívida e Ebitda de 1,2 vez.

Para Sachete, a fusão fará com que a nova companhia trabalhe com uma dívida de maior prazo, mas ainda com baixa alavancagem.

“Após fusão a gente deve olhar para uma alavancagem mais de longo prazo, talvez de três a cinco anos. Não é algo que nos preocupa. As condições de crédito da Arezzo são excelentes e, para o nosso nível, o mercado segue muito aberto”, explicou.