Projeto para o campo

Agronegócio prepara plano para ser entregue aos presidenciáveis

Ex-ministro da Agricultura afirma que documento está sendo desenvolvido pelas principais entidades do setor

Por  Datagro

O setor do agronegócio prepara um plano com propostas de políticas públicas para o segmento que será entregue aos presidenciáveis, disse o coordenador do Centro de Agronegócio da FGV-EESP (GV Agro) e ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, nesta segunda-feira (19), durante o “Ato pela Agricultura: Alimento, Renda e Futuro”, evento realizado no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista.

Segundo Rodrigues, o documento está sendo desenvolvido e custeado pelas principais entidades do setor e trará sugestões para diversos temas, como, por exemplo, crédito, infraestrutura logística, gestão, ciência e tecnologia, entre outros. “Precisamos de um plano que enderece o Brasil para ser o guardião da segurança alimentar do planeta, e consequentemente o campeão mundial da paz.”

O ex-ministro ressaltou que o sucesso do agronegócio brasileiro não é algo somente do setor, mas que também abrange toda a sociedade brasileira, o meio urbano, considerando o conceito de cadeias produtivas que tem ramificações para as cidades.

Rodrigues costuma afirmar que é muito provável que o Brasil assuma o protagonismo mundial na produção de alimentos. “Instituições como a OCDE, a FAO e o USDA, por exemplo, calculam que em dez anos a oferta brasileira de alimentos para o mundo deva crescer 40% para que a oferta global cresça a metade, isto é, 20%, e, com isso, esteja garantida segurança alimentar de qualidade e com sustentabilidade.”

Para o ex-ministro, o Brasil tem todas as condições para isso: “Temos tecnologia tropical, temos terra disponível e, sobretudo, temos gente competente em todos os elos das cadeias produtivas do agronegócio. Se montarmos a estratégia já referida, seremos sem dúvida alguma os campeões mundiais da segurança alimentar e, por conseguinte os campeões mundiais da paz, visto que não haverá paz enquanto houver fome”.

Compartilhe