AO VIVO Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Tempo Real

Ações vão de alta de 19% até queda de 9% após balanços; CSN cai 15% na semana

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

SÃO PAULO – A temporada de balanços contribuiu para a forte volatilidade vista no Ibovespa nesta sexta-feira (6), que marcou a sexta queda do índice em sete pregões. Como já vinha sendo alertado por alguns analistas, o rali do impeachment devia dar lugar a uma correção da Bolsa (essa análise pode ser vista clicando aqui). Com queda superior a 4%, o benchmark teve sua pior semana desde o período encerrado em 11 de janeiro deste ano (quando caiu 5,03%). 

O viés de correção veio principalmente por conta das ações ligadas a commodities – grandes impulsoras do rali da Bolsa visto nas semanas anteriores. Entre as maiores quedas aparecem as ações da CSN e Vale, com desvalorizações acima de 14% no período. Além da forte queda do minério de ferro, a Vale reagiu à notícia de que o Ministério Público Federal pediu R$ 155,1 bilhões em ação civil contra os responsáveis pela tragédia em Minas Gerais no ano passado (veja mais sobre o assunto aqui). Do lado negativo também as ações da Lojas Americanas e Itaú Unibanco, com quedas próximas a 10%, após divulgaçãoa de balanços essa semana. 

Do lado oposto, somente 13 das 59 ações do Ibovespa registraram alta na semana – nenhuma acima de 10%. Destaque para as ações da Suzano – maior alta (+7,54%) -, impulsionadas pela valorização do dólar frente ao real no período, seguida por Smiles (6,92%), que subiu beneficiada pelo bom balanço do 1° trimestre. No período, apenas 9 ações do benchmark da bolsa registraram alta superior a 1%. 

A temporada de balanços também agitou essa sessão, com ações indo de alta de até 27% (caso da Magazine Luiza) para queda de 10% (B2W). Dos papéis do Ibovespa que reagiram ao balanço hoje, Lojas Americanas, Pão de Açúcar e Estácio encerraram o pregão em perdas. 

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespsa nesta sessão:

Petrobras (PETR3, R$ 12,93, +2,29,%; PETR4, R$ 10,08, +2,75%)
Destoando do dia instável do Ibovespa, as ações da Petrobras conseguiram sustentar fortes ganhos durante praticamente todo o pregão, impulsionadas pelo preço do petróleo no mercado internacionalO contrato Brent registra alta de 0,60%, a US$ 45,48 o barril, enquanto o WTI apresentava ganhos de 0,54%, a US$ 44,56 o barril. Apesar do movimento positivo da ação hoje, a estatal não conseguiu afastar sua primeira queda na semana após três seguidas de alta. 

Vale e siderúrgicas
Deixando quatro quedas seguidas para trás, as ações da Vale (VALE3, R$ 16,88, +1,32%; VALE5, R$ 13,52, +1,88%) encerraram em alta hoje, descoladas dos preço do minério de ferro, que encerrou em queda de 3,25% nesta sexta-feira, a US$ 58,29 a tonelada, segundo cotação do porto de Qingdao, na China. Nesta manhã, os papéis da mineradora chegaram a cair 3%. 

Acompanharam o movimento as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 7,74, +4,17%) – holding que detém participação na Vale -, que também viraram para alta nesta sessão, após queda de 3% na abertura. Da mesma forma, as ações das siderúrgicas, passado a abertura negativa, fecharam em alta, com Gerdau (GGBR4, R$ 7,35, +4,85%), Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 2,72, +2,26%) e CSN (CSNA3, R$ 11,14, +1,09%). Já a Usiminas (USIM5, R$ 2,33, -1,27%) virou para queda nos minutos finais. 

Nos últimos dias, as ações da Vale caíram pressionadas pelo minério de ferro e a multa de R$ 155,1 bilhões pedida pelo Ministério Público Federal por conta da tragédia em Mariana (MG) em novembro do ano passado. 

PUBLICIDADE

Veja mais: A ‘assustadora’ multa da Vale: traders de bonds já perdem US$ 637 milhões em 3 dias

B2W (BTOW3, R$ 12,43, -8,74%) 
Uma “desaceleração massiva” nas vendas, com GMV caindo 3% na comparação anual, depois de 4 trimestres com crescimento de dois dígitos, na avaliação do Credit Suisse, levaram as ações da B2W para derrocada nesta sessão. O GMV é um indicador que mede a venda bruta de mercadorias, próprias e do marketplace, e outras receitas após devoluções, incluindo impostos. 

No 1° trimestre, a companhia  – que reúne as marcas Americanas, Submarino, Shoptime e Sou Barato – teve prejuízo de R$ 132,6 milhões, o dobro do valor negativo obtido entre janeiro e março de 2015. A receita líquida caiu 19%, para R$ 1,7 bilhão.

Segundo o Credit, a B2W fez um bom trabalho em controlar as despesas, mas, mais uma vez, a última linha do seu balanço foi muito impactado pelas despesas financeiras. Os analistas ressaltaram, no entanto, que a empresa anunciou tambem mais uma aquisição de um negócio de tecnologia e continua entregando boas métricas de servico ao consumidor.

Para o BTG, embora o primeiro trimestre tenha levado a números interessantes para a companhia, o cenário indica desaceleração das vendas de comércio eletrônico devido ao ambiente macroeconômico desafiador. Segundo o banco, “no curto prazo, os múltiplos elevados e a rápida deterioração dos resultados da B2W deve continuar a pesar sobre o preço da ação da Lojas Americanas, e veríamos uma queda no preço da ação como uma oportunidade de compra”.

Estácio (ESTC3, R$ 10,98, -1,35%)  
As ações da Estácio deram sequência ao movimento negativo dos últimos dias e caíram hoje, após balanço do 1° trimestre confirmar as preocupações do mercado com os próximos números da companhia. Nessas três sessões, os papéis acumulam queda de 10%. 

O lucro líquido da Estácio caiu 1,6% no 1° trimestre de 2016, quando comparado com o mesmo período de 2015, indo para R$ 128,5 milhões, enquanto a receita líquida mostrou expansão de 9,8%, para R$ 792,9 milhões. O Ebitda ajustado subiu 9,1%, totalizando R$ 213,4 milhões no período. Já a margem Ebitda ajustada recuou 0,2 ponto percentual, passando de 27,1% para 26,9%. 

Apesar do crescimento de 11% na base total de alunos no período, acima dos concorrentes, o resultado da companhia foi bastante impactado pelo mix de curso e aumento de descontos, assim como elevação de provisões e despesas de marketing, comentaram os analistas do Credit Suisse. Ontem, o banco cortou o preço-alvo das ações de R$ 16,00 para R$ 14,00, mantendo recomendação “underperform” (desempenho abaixo da média). 

PUBLICIDADE

Para o BTG Pactual, o resultado veio “muito fraco”, com receita líquida 5,5% abaixo do esperado e Ebitda, 9,5%, por conta de descontos maiores e menor diluição de despesas (marketing e pessoal). No geral, a leitura do banco foi de um resultado ruim e perspectiva desafiadora em termos macroeconômicos e de competição, que devem manter o papel pressionado. O BTG segue preferindo as ações da Kroton no setor. 

Em teleconferência nesta manhã, o diretor de serviços da rede de ensino privado, Virgílio Gibbon, disse que a Estácio ainda vê a inadimplência alta no primeiro semestre, mas antevê uma “boa trajetória” do indicador na virada para a segunda metade do ano, quando os alunos já terão uma expectativa adequada à realidade atual e à redução do Fies.

Ser Educacional (SEER3, R$ 12,80, +9,87%)
Por outro lado, as ações da Ser Educacional dispararam após divulgação de balanço. O BTG Pactual comentou que o balanço veio em linha, mas com bons sinais de melhora (margem 0,5 ponto percentual melhor, em 36,8%). Segundo os analistas, a companhia queimou caixa em R$ 37 milhões, reflexo de pagamentos do Fies menores no trimestre, mas apresentou um bom controle de recebíveis ex-Fies (40 dias, contra 107 no ano passado, prejudicado pela integração de Unama/UnG; no 4° trimestre, foi de 35 dias). 
No geral, a leitura do balanço traz uma mensagem mais positiva para 2016, contra a expectativa do mercado, reforçaram. 

No trimestre, a companhia registrou lucro líquido de R$ 85,913 milhões, leve crescimento de 3,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. O Ebitda ajustado foi de R$ 113,087 milhões, um avanço de 8,1% ante o intervalo de janeiro a março do ano passado. A Margem Ebitda ajustada passou de 38,8% para 39,7%. No primeiro trimestre de 2016, a receita líquida totalizou R$ 285,125 milhões, uma alta de 5,8% contra 2015. O resultado financeiro ficou negativo em R$ 11,023 milhões, um crescimento de 32,4% contra o mesmo período do ano passado.  

Magazine Luiza (MGLU3, R$ 34,00, +19,30%)
As ações da Magazine Luiza
 dispararam após balanço surpreender o mercado e vir melhor do que o esperado. A varejista viu seu lucro líquido subir 84,2%, para R$ 5,3 milhões no período, enquanto o Ebitda ficou em R$ 144,1 milhões, uma alta de 13,1% sobre o mesmo período do ano passado. A estimativa compilada pela Bloomberg estimava um prejuízo de R$ 25,9 milhões no período.

O BTG Pactual comentou que, mesmo com o segmento “mesmas lojas” (abertas há mais de um ano) de B&M caindo 6,1% na comparação anual, a companhia entregou receita líquida subindo 2,6% no período por conta de efeito positivo do forte crescimento de e-commerce – o maior ritmo de crescimento dos últimos cinco trimestres , de 27,8% – e pela abertura de 27 novas lojas em 12 meses. Do lado negativo, a Luizacred mostrou mais uma vez resultado fraco, com impacto de queda de crédito direto ao consumidor. 

Excluindo as despesas de reestruturação não recorrentes no valor de R$ 19 milhões, o Ebitda ajustado alcançou R$ 163 milhões, com margem Ebitda de 7,2%. Neste mesmo cenário, o lucro líquido ajustado totalizou R$ 18 milhões, com margem de 0,8%. As despesas não recorrentes referem se à reestruturação e adequação de pessoal administrativo.

Segundo o Itaú BBA, os resultados foram positivos com melhora significativa no desempenho operacional; principais surpresas foram receita e aumento da margem bruta; a companhia “permanece focada em proteger o caixa por meio de melhorias no ciclo de capital de giro e despesas controladas”. Já o Bradesco BBI destaca o “aumento surpreendentemente forte na margem bruta do primeiro trimestre de 2016”.  

PUBLICIDADE

Even (EVEN3, R$ 3,72, +2,76%)
As ações da Even subiram apesar de ver lucro líquido cair 20,3% no 1° trimestre ante o mesmo período do ano passado, para R$ 24,7 milhões. A receita líquida da companhia cresceu 9,8% no intervalo, para R$ 513,3 milhões. 

No trimestre, a empresa comprou sete terrenos, quatro deles para desenvolver loteamentos. O VGV (Valor Geral de Vendas) potencial das sete áreas soma R$ 169 milhões, considerando-se somente a parte da Even. 

Além do balanço, o conselho de administração da Even aprovou, em reunião realizada ontem, o pagamento de R$ 2,34 milhões em dividendos intercalares, montante equivalente a R$ 0,0107 para cada ação ordinária da empresa. A remuneração será paga em 3 de junho, com base na posição acionária de 23 de maio. A partir de 24 de maio, os papéis serão negociados ex-proventos. 

Cetip (CTIP3, R$ 41,58, +1%) 
A Cetip viu sua receita líquida subir 16,6% no primeiro trimestre de 2016, atingindo R$ 311,1 milhões no período. Enquanto isso, o Ebitda ajustado da companhia ficou em R$ 222,6 milhões, também uma alta de 16,6%, com uma margem de 71,5%.

Já o lucro líquido da empresa fechou os três primeiros meses deste ano em 152,4 milhões, em linha com o mesmo período de 2015 e 4,4% menor que o trimestre anterior.

Multiplus (MPLU3, R$ 37,90, -1,30%) 
A Multiplus teve lucro líquido de R$ 127 milhões no primeiro trimestre, alta de 27% na comparação anual, informou a empresa de programas de fidelidade. O número de pontos emitidos foi de 20,5 bilhões, queda anual de 6,8%, enquanto os pontos resgatados caíram 8,4%, totalizando 17,4 bilhões.

Segundo a empresa, o acúmulo de pontos no varejo cresceu 6 pontos percentuais no trimestre, na comparação anual, a 1,5 milhão, enquanto resgate de pontos por produtos e serviços no segmento foi seis vezes maior do que o mesmo período em 2015.

No fim de 2015, a Multiplus anunciou parcerias com a operadora de telecomunicações Vivo e a varejista GPA, dona do Pão de Açúcar. O número de participantes da Muliplus cresceu 13% frente o primeiro trimestre de 2015, para 14,7 milhões.

A receita líquida aumentou 5,9% ano a ano e encerrou março em R$ 565,9 milhões. Na véspera, a concorrente Smiles informou alta de 70% no lucro líquido do primeiro trimestre sobre um ano antes, para R$ 118,4 milhões, impulsionada por salto na receita e no resultado financeiro.

 O Itaú BBA espera reação positiva, com os números divulgados implicando “potencial de alta para nossas previsões de lucro por ação”. O Bradesco BBI destacou resultados saudáveis em termos gerais: “dado que já tínhamos contabilizado melhores margens em nossos modelos, a questão principal permanece em como as vendas vão se comportar em um mercado de encolhimento de pontos”. 

Copasa (CSMG3, R$ 23,00, +5,99%)
A Copasa, estatal mineira de saneamento, reportou um lucro líquido de R$ 89,8 milhões no primeiro trimestre deste ano. O valor representa crescimento de 5,5 vezes em relação ao visto nos três primeiros meses de 2015. 

Enquanto isso, a receita líquida da empresa totalizou R$ 1,014 bilhão, uma alta de 12%. Na mesma base de comparação, o Ebitda somou R$ 321,55 milhões, com um crescimento de 37,7%. 

Lojas Americanas (LAME4, R$ 14,16, -4,84%)
A Lojas Americanas teve prejuízo de R$ 23,9 milhões no primeiro trimestre, ante lucro de R$ 22,2 milhões no mesmo período do ano passado, informou a varejista nesta quinta-feira. A despesa financeira da companhia aumentou 40,2% na comparação com o primeiro trimestre de 2015, para a R$ 478,1 milhões, principalmente pelo aumento da taxa de Certificado de Depósito Interbancário (CDI). Já a receita líquida caiu 4%, a R$ 3,9 bilhões, apesar da Páscoa –importante evento de vendas– ter ocorrido neste ano no primeiro trimestre. 

Para o Credit Suisse, o resultado da empresa não foi um evento relevante, já que veio bem em linha com o esperado na parte operacional, com expansão da margem bruta e crescimento de Ebitda de dois dígitos. A última linha do balanço (prejuízo), por outro lado, se mostrou bem fraca, com a empresa reportando prejuízo após lucro líquido de R$ 22 milhões no 1° trimestre do ano passado. Segundo o BTG, os números da companhia são os melhores no universo de cobertura do banco e reiteram a visão de um vencedor de longo-prazo, com uma boa execução apesar da competição.

“A expectativa por um cenário econômico desafiador em 2016 está se confirmando nesse início de ano”, disse a varejista em comunicado. O Ebitda ajustado foi de R$ 509,3 milhões, alta de 11,2%. A Lojas Americanas manteve as projeções do plano de expansão, com a abertura de dois novos centros de distribuição e 800 novas lojas no Brasil no período de 2015 a 2019. Até o momento, foram inauguradas oito unidades e há mais de 95 contratadas ou em estágio avançado de negociação, disse a empresa. 

CVC (CVCB3, R$ 18,32, +2,29%)
A CVC, maior operadora de viagens do país, registrou no primeiro trimestre deste ano lucro líquido de R$ 55,6 milhões, crescimento de 6,3% sobre o ganho apurado em igual período de 2015. A receita cresceu 1,7%, para R$ 1,29 bilhão entre janeiro e março deste ano, mas as reservas embarcadas recuaram 1,5%, para R$ 1,485 bilhão. 

Se consideradas as operações das duas empresas compradas pela CVC em agosto do ano passado — a consolidadora RexturAdvance e a agência on-line Submarino — o lucro pro-forma teria crescido 13,2%, para R$ 63,5 milhões no primeiro trimestre deste ano, na comparação anual.

Iochpe-Maxion (MYPK3, R$ 13,30, +0,38%)
A Iochpe Maxion viu seu lucro líquido subir 204,5% em um ano, atingindo R$ 7 milhões no primeiro trimestre, enquanto a receita operacional líquida teve avanço de 14,6%, para R$ 1,78 bilhão no mesmo período. Já o Ebitda da companhia fechou os três primeiros meses de 2016 em R$ 236,3 milhões, alta de 69%.

Após balanço, o Credit Suisse cortou o preço-alvo das ações de R$ 19,00 para R$ 17,00, mas manteve a recomendação em outperform (desempenho acima da média). O banco reforçou a ação como sua “top pick” no setor de bens de capital, seguida por Randon e Marcopolo. O novo preço-alvo já inclui os resultados do 1° trimestre, uma potencial reestruturação da dívida, a inclusão do plano de pensão (R$ 462 milhões) e um maior montante aos acionistas minoritários (R$ 580 milhões contra R$ 125 milhões, anteriormente). 

Segundo o banco, apesar de ainda não ter nenhum acordo, os analistas acreditam que uma eventual reestruturação da dívida poderia ser na ordem de US$ 250 milhões para pagar a 5ª emissão do bond e uma dívida externa de capital de giro. “Os termos devem ser positivos, mas não um ponto de mudança para a empresa, uma vez que o impacto no lucro líquido deve ser limitado (cerca de US$ 50 milhões por ano)”, comentaram. 

No trimestre, a companhia informou que seu endividamento bancário líquido ficou em R$ 2,79 bilhões ao final do primeiro trimestre, acima dos R$ 2,55 bilhões de um ano antes. Segundo a companhia, os resultados foram impactados favoravelmente pelo ganho não recorrente gerado pela venda de um imóvel no Brasil.

Tractebel (TBLE3, R$ 37,45, -1%) 
A geradora Tractebel Energia apresentou um lucro líquido de R$ 347,1 milhões no primeiro trimestre, com alta de 0,7% ante mesmo período de 2015, mesmo com uma menor geração de energia. A elétrica, controlada pela francesa Engie, teve Ebitda de R$ 792,7 milhões no período, com expansão de 0,4% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado.

A elétrica atribuiu o melhor resultado à redução de R$ 6,6 milhões nas despesas financeiras líquidas, a aumentos na depreciação e amortização e a menores custos com imposto de renda e contribuição social. Com isso, a companhia, que é a maior geradora privada de energia do país, com 7 gigawatts em capacidade instalada, conseguiu elevar lucros mesmo com uma redução de 8,1% na produção, que somou 5,5 gigawatts médios.

A receita líquida de vendas somou R$ 1,62 bilhão, com retração de 0,9% na comparação anual. O preço líquido médio da energia vendida pela Tractebel foi de R$ 177,29 por megawatt-hora, com alta de 5,9 por cento ante o primeiro trimestre de 2015, com reajustes pela inflação em contratos antigos compensando uma queda nos preços dos novos contratos, segundo a empresa.

Mills (MILS3, R$ 4,34, +3,09%)
A Mills viu seu prejuízo líquido ajustado crescer de R$ 14,5 milhões para R$ 17,8 milhões no 1° trimestre de 2016, quando comparado ao mesmo período de 2015. A receita líquida da empresa contraiu 20,6%, para R$ 130,1 milhões.

No 1° trimestre, a Mills reportou Ebitda de R$ 29 milhões, representando queda de 38,8% na mesma base de comparação. A margem Ebitda caiu 6,6 pontos percentuais, indo de 28,9% para 22,3% entre os meses de janeiro a março.

Embraer (EMBR3, R$ 19,15, -3,87%)
A administração dos Estados Unidos busca aprovar a venda de até 12 aeronaves de ataque leve A-29 Super Tucano, da brasileira Embraer, para a Nigéria como auxílio no combate ao grupo extremista Boko Haram, disseram autoridades norte-americanas.

Uma linha de produção para o Super Tucano fica na Flórida, onde ele é fabricado com a empresa norte-americana Sierra Nevada Corp. As aeronaves que seriam vendidas à Nigéria vêm com “uma configuração armada bastante básica”, disse uma das autoridades dos EUA.