Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai 2,3% após tuítes de Trump e volta aos 97 mil pontos; dólar bate R$ 4,12

Bolsa teve mais um dia negativo e os 100 mil pontos ficam cada vez mais distantes diante da piora estrutural no ambiente global

ações mercado bolsa baixa queda
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou em forte queda nesta sexta-feira (23) e teve sua pior baixa diária desde 16 de agosto. O pessimismo ocorreu após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar resposta às tarifas que a China impôs aos automóveis norte-americanos. 

O Ibovespa terminou o pregão de hoje com perdas de 2,34% a 97.667 pontos e volume financeiro negociado de R$ 19,26 bilhões. Nos últimos cinco dias, a Bolsa recuou 2,14%, fazendo sua terceira semana consecutiva de queda. 

Enquanto isso, o dólar comercial subiu 1,15% a R$ 4,1231 na compra e a R$ 4,1244 na venda - encerrando a semana com ganhos de 3% -, ao mesmo tempo em que o dólar futuro para setembro registrava ganhos de 1,23% a R$ 4,122.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 avança seis pontos-base a 5,44%, ao passo que o DI para janeiro de 2023 tem alta da mesma magnitude a 6,44%. 

Depois do comentário de Trump, a Bolsa devolveu tudo o que subiu no alívio momentâneo ao discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em Jackson Hole. Powell dissera que a autoridade monetária agirá apropriadamente para sustentar a expansão da economia.

O presidente do banco central dos EUA comentou hoje que a atividade norte-americana enfrenta riscos significativos e que o Fed enxerga mais evidências de uma desaceleração global. O chairman destacou ainda que a inflação parece se mover para a meta de 2% ao ano. 

O tom mais dovish (afeito a estimular a economia via política monetária) animou os mercados e o Ibovespa chegou a zerar perdas, mas logo veio Trump para jogar água no chope do investidor.

Trump ordenou pelo Twitter que as empresas dos EUA procurem imediatamente uma alternativa à China e produzam suas mercadorias internamente. O presidente também disse que todas as empresas de correio do país devem se recusar a receber entregas de Fentanyl da China e do restante do mundo. 

"Fentanyl mata 100 mil americanos por ano. O presidente [chinês] Xi [Jinping] disse que isso iria parar, mas não parou", denunciou. 

Pela manhã, a China anunciou tarifas adicionais sobre US$ 75 bilhões em produtos dos EUA. As mercadorias atingidas são essencialmente automóveis, que serão tarifados entre 5% e 25% pelos chineses. 

No Brasil, o destaque são os incêndios na Amazônia, o que gerou uma reação mundial, com o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmando que problema deve ser classificado como uma “crise internacional” e que deverá ser discutido no encontro do G7, neste final de semana.

Em reunião convocada de emergência, o presidente Jair Bolsonaro discutiu com ministros soluções para as queimadas e uma das alternativas em estudo é o uso do exército. O tom de confronto tem trazido preocupações em diversos setores que defendem a mudança no discurso do governo, baseado no confronto, já que isso deve atrapalhar a imagem e os negócios do Brasil no exterior.

Entre os indicadores, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostrou que o Brasil criou 43.820 vagas de emprego em julho. A expectativa mediana do consenso Bloomberg era de geração de 45 mil postos de trabalho. 

Noticiário Corporativo

O jornal Valor Econômico traz que o cenário preferido por investidores e analistas para a privatização da Petrobras (PETR3; PETR4) é o da pulverização do capital. Segundo a publicação, o modelo a ser seguido poderia ser o que vem sendo traçado para a Eletrobras, com cada acionista tendo no máximo 10% de participação. Já a União ficaria com uma “Golden share” para ser usada em questões estratégicas.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), porém, afirmou nesta quinta que é "temerário" falar na hipótese de privatizar a Petrobras até 2022, por se tratar de uma empresa de capital aberto. "Eu estive a manhã inteira de ontem (quarta) com o governo e não me falaram nada de privatizar a Petrobras", disse o parlamentar.

"Falar na hipótese de privatizar uma empresa de capital aberto não parece o caminho correto. Você mexe com o valor de uma ação sem informar antes os seus acionistas e a sociedade como um todo que você pretende fazer isso", afirmou. "No caso da Eletrobras (ELET6) isso foi feito, então eu tenho condições de falar", disse o presidente da Câmara.

Maia defende, neste momento, que o governo precisa focar na privatização da empresa de energia elétrica. Segundo ele, falar de qualquer outra empresa que tenha ação listada, que não seja a Eletrobras, "parece um risco desnecessário por parte de quem tem vocalizado esse tema".

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 UGPA3 ULTRAPAR ON ED 16,02 -5,43 -38,97 128,52M
 YDUQ3 YDUQS PART ON 30,78 -5,32 +32,63 103,97M
 CVCB3 CVC BRASIL ON 52,59 -5,24 -14,00 85,79M
 CIEL3 CIELO ON 7,25 -4,86 -14,48 81,60M
 JBSS3 JBS ON 27,65 -4,85 +138,59 399,87M

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 SMLS3 SMILES ON 37,85 +2,83 -7,14 46,31M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN N2 24,28 -3,73 1,39B 1,21B 89.497 
 VALE3 VALE ON 43,28 -1,39 1,13B 955,34M 40.933 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN ED 33,15 -1,16 824,71M 773,87M 51.485 
 BBDC4 BRADESCO PN 31,97 -2,17 671,36M 781,14M 44.709 
 BBAS3 BRASIL ON ERJ 44,95 -3,64 572,77M 498,40M 39.767 
 MGLU3 MAGAZ LUIZA ON 33,78 -1,89 560,13M 247,32M 46.529 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,33 -0,76 516,56M 497,50M 41.948 
 SUZB3 SUZANO S.A. ON 28,00 -4,76 467,69M n/d 52.755 
 B3SA3 B3 ON 43,83 -3,61 458,67M 418,08M 33.685 
 JBSS3 JBS ON 27,65 -4,85 399,87M 298,24M 55.620 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
IBOVESPA

Previdência e LRF

O cronograma da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado vai atrasar quatro ou cinco dias, disse o relator da proposta, Tasso Jereissati (PSDB-CE). Ele adiou a entrega do relatório preliminar, que seria feita nesta sexta-feira, 23, para a semana que vem. Pelo cronograma inicial, o relatório seria lido na comissão na próxima quarta-feira, 28.

A votação na CCJ estava prevista para o dia 4 de setembro. Ele garantiu que o relatório será entregue na semana que vem, mas não precisou o dia exato da leitura. O relator pretende manter o texto aprovado na Câmara, podendo excluir algum item, e fazer alterações - como a inclusão de Estados e municípios - por meio uma proposta paralela.

A PEC paralela, destacou Jereissati, deve surgir do destaque feito por um senador quando a proposta estiver no plenário do Senado. Ele identificou que a inclusão dos servidores estaduais e municipais nas regras é o único ponto já com consenso para entrar no texto. As demais alterações solicitadas por parlamentares ainda serão discutidas, reforçou.

Mais cedo, Jereissati comentou que a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, para a embaixada brasileira em Washington poderá atrapalhar o andamento da reforma na Casa. No fim da tarde, ele reforçou a tese declarando que a indicação pode "radicalizar" as discussões da Previdência.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

 

Contato