Em mercados / acoes-e-indices

Units do Banco Inter estreiam nesta sexta; BB fixa preço por ação do IRB em R$ 88 e mais destaques

Confira os destaques corporativos desta sexta-feira

ações índices gráfico alta bolsa mercado
(Shutterstock)

No Radar InfoMoney desta sexta-feira (19) destaque à Petrobras que reduziu o preço da gasolinas nas refinarias, à Vale com questionamentos de investidores no Congresso, ao Banco Inter que fechou follow on e ao IRB que precificou valor de ações na oferta secundária. 

Petrobras  (PETR3;PETR4)

A Petrobras reduziu em R$ 0,0360 o preço médio do litro da gasolina nas suas refinarias, com vigência a partir desta sexta-feira, 19. Com a mudança, o preço médio vai recuar 2,14%, para R$ 1,646/litro. O reajuste foi divulgado no site da estatal nesta quinta-feira, 18. A estatal também cortou em R$ 0,0444 o preço médio do litro do diesel em suas refinarias. Com a mudança, o preço caiu 2,15%, para R$ 2,021.

Vale (VALE3)

O Valor Econômico informa que uma série de grandes investidores tem procurado por parlamentares no Congresso questionando-os sobre o futuro da Vale e possíveis mudanças na legislação, após a tragédia de Brumadinho. A presidente da CPI da mineradora no Senado, Rose de Freitas, disse à publicação que a Vale tentou “esvaziar” a comissão. “Mas houve uma pressão vitoriosa da sociedade em favor da CPI”, afirmou.

Rose participou de um teleconferência essa semana organizada pelo BTG com 60 investidores, inclusive estrangeiros. Segundo ela, a mensagem foi de que o Congresso busca meios de proteger a companhia e auxiliá-la na recuperação. Mas a empresa precisa assumir seus erros mais explicitamente. 

BRF (BRFS3)

A BRF continua aberta a transações que ampliem sua oferta de produtos e presença no exterior após o fim das conversas sobre uma possível fusão com a Marfrig. A produtora de frangos pode se engajar em fusões, parcerias estratégicas ou acordos de fornecimento de longo prazo que lhe assegurem acesso a suprimentos de carne bovina, como forma de fortalecer seus negócios nas áreas de food service e alimentos processados, disse o presidente da companhia, Lorival Luz, à Bloomberg.

Já ao Valor Econômico, Luz afirmou que a BRF voltará a dar lucro este ano. A reversão se dará por uma conjuntura extremamente favorável, como por conta da peste suína africana que dizimou o plantel destes animais na China.

Banco Inter (BIDI11)

O conselho do Banco Inter aprovou a oferta de units, composta inicialmente por 26 milhões de ações ordinárias e 52 milhões de ações preferenciais, que pode movimentar cerca de R$ 1,2 bilhão.

Cada unit representa uma ação ordinária e duas ações preferenciais. Os papéis começam a ser negociados hoje. 

Hapvida (HAPV3)

A Hapvida anunciou a comprou uma participação de 75% da RN Metropolitan, por R$ 53 milhões.

A RN Saúde tem sede na cidade de Uberaba, Estado de Minas Gerais, atuando no setor de saúde suplementar na região do Triângulo Mineiro, com cerca de 50.000 vidas. A receita líquida da RN foi de aproximadamente R$ 123 milhões em 2018.

IRB (IRBR3)

A resseguradora IRB Brasil informou agora pela manhã em fato relevante que, no âmbito da oferta pública de distribuição secundária de 83.978.450 ações ordinárias – sendo 47.520.213 da BB Seguros e 36.458.237 de titularidade da União Federal – foi estabelecido o preço de R$ 88,00 por ação. O montante a ser levantado somará R$ 7,390 bilhões.

“Considerando que a oferta restrita é exclusivamente secundária, a deliberação sobre o preço por ação foi de responsabilidade exclusiva dos vendedores”, informa a empresa.

O início da negociação das ações objeto da oferta na B3 ocorrerá no dia 22 de julho e a efetiva liquidação da oferta em 23 de julho, com a entrega dos papéis aos respectivos investidores.

Lojas Renner (LREN3)

A varejista Lojas Renner aprovou a emissão de R$ 300 milhões, com vencimento em 36 meses, em favor da Realize CFI, sua subsidiária de crédito, em letras financeiras. 

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

Incorporadoras

Após a expectativa quanto ao anúncio dos detalhes sobre a liberação de saques de recursos do FGTS e do PIS/Pasep, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que a divulgação ficará para a próxima quarta-feira, 24, às 16h. Onyx voltou a destacar que o funding para os empréstimos imobiliários e para o Programa Minha Casa Minha Vida com recursos do FGTS não será ameaçado.

"Não vai haver nenhum prejuízo às fontes de financiamento de construção de casas populares", disse. Ele frisou ainda que "nada vai afetar a construção civil". "Não vamos usar a parte do FGTS usada para o financiamento de imóveis", completou.

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, avaliou que o adiamento pelo governo do anúncio de medidas para o saque de contas do FGTS "foi de muito bom senso". Segundo Martins, os próprios secretários do Ministério da Economia admitiram que a proposta que vazou na imprensa ainda não estava devidamente formatada.

Martins, no entanto, demonstrou preocupação com a possibilidade de liberação de cerca de R$ 42 bilhões em recursos do FGTS. "Ainda não vi simulações suficientes para saques dessa magnitude. É preciso ter cautela, serenidade. Não se pode simplesmente chegar lá e tirar os recursos do fundo", disse.

Qualicorp (QUAL3)

A Qualicorp informou que o conselho de administração aprovou a redução do capital social da companhia, em R$ 980 milhões, passando de R$ 1,866 bilhão para R$ 886,467 milhões. Segundo a empresa, não houve cancelamento de ações, “mantendo-se inalterado o percentual de participação dos acionistas no capital social da companhia, com restituição aos acionistas de parte do valor de suas ações, a ser realizada até 30 de dezembro de 2019, com a consequente alteração do artigo 5º do Estatuto Social da Companhia”.

Ainda segundo a empresa, o seu principal acionista, José Seripieri Filho, informou que alienou ações e que suas participações alcançaram, de forma agregada, 56.573.610 ações ordinárias, representando aproximadamente 19,98% das ações ordinárias emitidas pela Companhia. “A operação mencionada não tem por objetivo alterar a estrutura de controle ou administrativa da companhia”, acrescentou a companhia.


Eletrobras (ELET3;ELET6)

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que o modelo de capitalização da Eletrobras será apresentado até o início de agosto, de acordo com a Agência Brasil. Segundo o ministro, o modelo está pronto e será divulgado após ser apresentado ao presidente Jair Bolsonaro, o que deve ocorrer nas próximas duas semanas.

O ministro não informou maiores detalhes sobre o modelo, mas disse que a intenção do governo é fazer com que a proposta tramite no Congresso Nacional ainda no segundo semestre. Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a privatização de holdings, caso da Eletrobras, precisa passar pelo Congresso.

O governo ainda não decidiu se a estratégia será pela apresentação de um projeto para tramitar do zero ou aproveitar propostas já existentes e apensar a matéria.

Sonae Sierra (SSBR3) e Aliansce (ALSC3)

A Aliansce Shopping Centers e a Sonae Sierra Brasil comunicaram hoje que concluíram a obtenção de todas autorizações, renúncias, consentimentos e aprovações de terceiros necessárias para a consumação da incorporação da Aliansce pela Sonae Sierra. O acordo foi celebrado em 06 de junho.

Bancos

O Globo traz que, em delação premiada, o ex-ministro Antônio Palocci, afirmou que alguns dos principais bancos do País doaram R$ 50 milhões às campanhas eleitorais do PT em troca de favores nos governos Lula e Dilma. Palocci citou Bradesco, Safra, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Banco do Brasil. Todos os bancos negaram, afirmando que não há provas e que o ex-ministro criou as versões.

CCR (CCRO3)

A CCR informou – em resposta a notícias relativas ao Termo de Autocomposição celebrado entre a Companhia e o Ministério Público do Estado de São Paulo – que o Estado interpôs, em 15 de julho de 2019, recurso contra a homologação do Termo de Autocomposição, “sustentando a impossibilidade de celebração de acordo em matéria de improbidade e com a finalidade de que toda contraprestação imposta à Companhia por força daquele Termo reverta exclusivamente em favor do Estado de São Paulo”.

“A Companhia reitera que o Termo de Autocomposição foi celebrado seguindo os parâmetros estipulados com o Ministério Público do Estado de São Paulo e que continuará contribuindo com as autoridades públicas”, finalizou.

 

Contato