Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa Futuro fica estável em meio a falas de Trump e espera por anúncio do FGTS

Mercado enfrenta mais um dia de lateralização por aqui, apesar das quedas das bolsas globais

ações índices gráfico alta bolsa mercado
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa Futuro fica estável nesta quinta-feira (18) com investidores repercutindo as falas do presidente norte-americano, Donald Trump, de que as negociações para acordo comercial com a China não vão bem. Por aqui, o mercado espera pelo anúncio oficial de como será a liberação dos saques do FGTS às 16h (horário de Brasília). 

Às 9h10, o contrato futuro do Ibovespa para agosto tinha leve alta de 0,05% a 104.375 pontos, enquanto o dólar futuro com mesmo vencimento caía 0,13% a R$ 3,762. 

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 fica estável a 5,57%, ao passo que o DI para janeiro de 2023 avança um ponto-base a 6,38%. 

Os mercados internacionais operam em queda generalizada, em meio às renovações das tensões comerciais entre Estados Unidos e China, após o Wall Street Journal informar que as negociações estão em um impasse sobre as restrições à Huawei.

O Wall Street Journal informou que as negociações comerciais entre os EUA e a China haviam fracassado devido às restrições sobre a gigante de telecomunicações chinesa Huawei, citando fontes familiarizadas com as negociações.

Para piorar, Trump ameaçou os chineses com novas tarifas de 25% sobre mais US$ 325 bilhões de produtos. 

Noticiário Corporativo

A Vale informou que sua subsidiária Mineração Rio do Norte (MRN) teve emitidas as Declarações de Condição de Estabilidade de todas as suas estruturas operacionais em março de 2019, conforme novos parâmetros e seguindo as novas regulamentações do poder público, em especial da Agência Nacional de Mineração (ANM). Em junho de 2019, 11 estruturas localizadas em Oriximiná (Pará, Brasil) foram reclassificadas como de maior dano potencial associado.

O Valor destaca que o governo poderá manter uma “Golden share” na Eletrobras, dentro do processo de privatização da companhia. A ação especial, que possibilita poderes especiais ao seu detentor, poderia facilitar a tramitação do projeto de lei de venda do controle da elétrica no Congresso, a partir da sua capitalização.

O Estadão traz que a China inspecionará quatro frigoríficos brasileiros de aves e suínos na próxima sexta-feira, 19, por meio de videoconferência. Funcionários do Ministério da Agricultura brasileiro farão transmissões, a partir das fábricas, para a China. O Brasil enviou à China uma lista de 30 unidades frigoríficas para serem habilitadas a exportar para o país - entre unidades de abate de bovinos, suínos e frangos.

A China escolheu uma dessas unidades e associações brasileiras ligadas ao setor de proteína animal, outras três. Espera-se que a resposta do país asiático - em forma de liberação para exportação ou não - seja rápida. A China está ampliando as importações de carnes por causa da peste suína africana, que vem assolando seus plantéis.

Noticiário Econômico

A liberação dos recursos de contas ativas e inativas do FGTS pode contribuir para que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça cerca de 1,1%, informa o jornal O Estado de S.Paulo. A previsão atual, sem essa medida, é de alta de 0,8%.

Para analistas, o impacto sobre o consumo deverá ser maior agora na comparação com 2017, quando o governo do presidente Michel Temer liberou R$ 44 bilhões de contas inativas. Na ocasião, cerca de 40% dos recursos foram usados para o pagamento de dívidas.

O Globo ressalta que o volume de empréstimos para o financiamento da casa própria não deve ser afetado, segundo o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins.

“Eles disseram (integrantes do governo) que vão liberar recursos de um lado, mas compensar de outro. Ainda não sei detalhes, mas tivemos o compromisso de que os recursos para o financiamento da casa própria não serão afetados”, afirmou, ressaltando que do total de R$ 78 bilhões do orçamento do FGTS, R$ 69 bilhões serão destinados ao setor da habitação.

Os R$ 42 bilhões – previstos inicialmente - de recursos que podem ser sacados do FGTS seriam suficientes para a construção de aproximadamente 420 mil moradias populares no País, ao custo de R$ 100 mil cada.

Esse montante equivale a aproximadamente um ano de Minha Casa Minha Vida (MCMV), de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). "Com menos recursos, serão construídas menos casas e não vamos conseguir reduzir o déficit habitacional”, diz o presidente da Abrainc, Luiz França.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

O jornal Valor Econômico pontua que o governo estuda duas alternativas para os saques. Uma atingiria igualmente contas ativas e inativas, com porcentuais escalonáveis, conforme o saldo da conta do trabalhador, mas que implicaria na retenção dos recursos em caso de demissão sem justa causa.

Segundo a publicação, o acesso parcial ao dinheiro das contas ativas poderia ser uma espécie de 14º salário e permanente, repetindo-se uma vez por ano. A outra proposta contemplaria apenas as contas inativas.

O Valor destaca ainda que o Ministério da Economia vai propor, na tramitação da reforma tributária a recriação do Imposto sobre transações financeiras (ITF), com alíquota de 0,60%. A ideia é que o novo impostos substitua todos os tributos federais, com exceção do imposto de renda.

A porcentagem é superior à da antiga CPMF, de 0,38%, que incidia sobre transações financeiras até o final de 2007, e cuja prorrogação foi rejeitada pelo Congresso em 2007.

Segundo o Valor, o ministro Paulo Guedes rechaça a comparação com a CPMF, argumentando que o novo imposto não eleva a carga tributária, mas simplifica as regras de funcionamento do regime.

O tributo substituiria os encargos previdenciários na folha de pagamento, por isso seria necessária a alíquota de 0,3% nas duas pontas da transação.

No entanto, o novo imposto poderia subir e ficar com alíquota de 0,84%, para extinguir também a CSLL. Guedes é favorável também a um imposto único federal, no lugar do IPI, PIS e Cofins.

 

Contato