Em mercados / acoes-e-indices

Vale e CSN sobem com minério; Smiles cai quase 5% com recomendação do Morgan e Manguinhos volta a disparar

Confira os destaques da B3 na sessão desta segunda-feira (15)

vale minério ferro
(divulgação)

SÃO PAULO - A sessão foi de leves perdas para o Ibovespa nesta segunda-feira (15). Os dados mais fortes do que o esperado de vendas no varejo e produção industrial na China (apesar da expansão do PIB no seu menor ritmo em 27 anos) impulsionaram o minério de ferro e impactam positivamente papéis como de Vale (VALE3) e CSN (CSNA3). 

As ações da Via Varejo (VVAR3) registraram uma sessão de fortes ganhos com a contratação do executivo Helisson Lemos, ex-Mercado Livre, para o cargo de Chief Digital Officer (CDO). 

Já na ponta oposta, Smiles (SMLS3) tem uma sessão de forte queda após ter a recomendação reduzida para underweight pelo Morgan Stanley. 

Fora do índice, mais uma vez o pregão foi de forte volatilidade para as ações da Pet Manguinhos (RPMG3), que chegaram a cair 18% e fecharam em disparada de 24,09%, na máxima do dia. Confira os destaques da B3 na sessão desta segunda:

Vale (VALE3)

O Ministério Público Federal (MPF) pediu à Justiça na última sexta-feira que a mineradora Vale seja obrigada a adotar medidas urgentes para garantir a segurança de duas barragens localizadas em Parauapebas, no sudeste do Pará. Segundo informações do site do MPF, as barragens não têm sistemas eficientes de escoamento de água, o que pode afetar a estabilidade das estruturas em eventual período muito chuvoso. Por isso, estão classificadas pela Agência Nacional de Mineração (ANM) entre as dez mais perigosas do país.

“Em doze anos de operação, encerrada em 2002, a mina de Igarapé Bahia – empreendimento ao qual as barragens eram vinculadas –, produziu quase cem toneladas de ouro, o equivalente a cerca de R$ 16,4 bilhões. Atestados de garantia de estabilidade das barragens vêm sendo negados por auditorias desde 2016, mas até agora a Vale limitou-se a pedir licenciamento para realização de obras, sem mencionar o caráter de urgência. No entanto, em casos de urgência o licenciamento é desnecessário”, informou o MPF.

Segundo o MPF, o reservatório da Pondes de Rejeitos está com volume de 12 milhões de metros cúbicos, e o da Captação de Água está com 600 mil metros cúbicos. Somados, têm volume próximo aos 12,7 milhões de metros cúbicos da Barragem 1 da mina do Córrego do Feijão, de Brumadinho (MG), que se rompeu no início deste ano.

Antes de recorrer à Justiça, o MPF recomendou à Agência Nacional de Mineração (ANM) que as barragens fossem fiscalizadas e que a Vale fosse cobrada a tomar providências necessárias para garantir a segurança das estruturas. A agência não acatou a recomendação e sequer enviou representante à reunião em que o tema foi discutido.

À Vale, o MPF solicitou comprovação de que a empresa está tomando as medidas necessárias, previstas em lei. Entretanto, o MPF considerou incompleta a documentação encaminhada pela mineradora. E o cronograma de obras apresentado, que vai até o final de 2020, foi avaliado como incompatível com a urgência do caso.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras informou hoje pela manhã que, no âmbito do processo competitivo de desinvestimento da totalidade de sua participação no campo de Baúna (área de concessão BM-S-40), localizado em águas rasas na Bacia de Santos, a empresa Karoon Petróleo & Gás apresentou a melhor proposta.

“Entretanto, em relação às notícias veiculadas na mídia sobre essa operação, esclarecemos que a transação ainda se encontra em fase de aprovação pelos órgãos de governança da Petrobras e as etapas subsequentes serão divulgadas ao mercado de acordo com a Sistemática de Desinvestimentos da companhia”, afirmou a empresa, em comunicado ao mercado.

A Petrobras comunicou ainda que seu Conselho de Administração aprovou a nomeação de Walter Mendes de Oliveira Filho para o cargo de membro do Conselho de Administração da companhia. A eleição será submetida à próxima Assembleia Geral de Acionistas da Petrobras, já convocada para o dia 09 de agosto.

Smiles (SMLS3)

O Morgan Stanley reduziu a recomendação para as ações da Smiles de overweight (exposição acima da média do mercado) para underweight (exposição abaixo da média do mercado), com o preço-alvo sendo reduzido de R$ 52 para R$ 32. A equipe de análise do banco destaca que os múltiplos riscos para a companhia ainda não estão precificados.

Os analistas apontam que, com a interrupção nas negociações sobre a reorganização societária e dadas as condições favoráveis ??do mercado de companhias aéreas no Brasil hoje, a Gol poderia tomar medidas que pudessem afetar negativamente as perspectivas de ganhos da Smiles. Em abril, o conselho da Gol autorizou sua equipe de administração a negociar um aumento extraordinário no preço padrão dos tickets vendidos para a Smiles.

"Dado que não temos visibilidade sobre os termos exatos do contrato, é difícil antecipar o tamanho do aumento extraordinário. No entanto, acreditamos que esta e outras medidas (como o potencial da Gol em disponibilizar menos ingressos promocionais para a Smiles) poderiam exercer uma pressão significativa nos resultados da Smiles nos próximos anos. Consequentemente, reduzimos nossas previsões de EBITDA em 10% para 2019 e 15% para 2020", afirmam os analistas. 

Hapvida (HAPV3)

A empresa da área de saúde Hapvida vai realizar uma oferta pública de distribuição primária de, inicialmente, 46.440.000 ações ordinárias. Com base na cotação dos papéis no pregão do dia 12 de julho, de R$ 41,99 por ação, o montante total da oferta atingiria R$ 1,950 bilhão, sem considerar as ações adicionais e suplementares. Com a totalidade da emissão dos papéis, a oferta poderá atingir R$ 2,632 bilhões.

Movida (MOVI3)

A locadora de carros Movida irá fazer uma oferta de 48.500.000 ações ordinárias, que, com base no fechamento da última sexta, de R$ 16,47, somaria R$ 798,795 milhões, sem considerar as ações adicionais, e de R$ 1,078 bilhão com a totalidade da oferta.

Oi (OIBR3;OIBR4)

Em recuperação judicial, a operadora de telefonia Oi irá apresentar amanhã seu novo plano estratégico, às 10h00, durante teleconferência.

Segundo reportagem do Valor Econômico, três dos principais acionistas – as gestoras Golden Tree, York e Solus, que contam com cerca de 30% do capital da empresa de telefonia – tentam reverter uma decisão judicial que condiciona fusões, venda de ativos e alterações na diretoria da operadora ao aval do Ministério Público e da Justiça.

Marfrig (MRFG3)

A Marfrig fará uma emissão de debêntures no valor total de até R$ 360 milhões. Segundo a empresa, os papéis farão jus a juros remuneratórios, incidentes sobre o valor nominal unitário, equivalentes a determinado percentual ao ano prefixado a ser determinado no Procedimento de bookbuilding, limitado a 104,00% do CDI.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Abra a sua conta gratuita na XP Investimentos

Randon (RAPT4)

A Randon avalia empresas em mercados onde tem pouca ou nenhuma atuação, com parceiros locais buscando ampliar a presença no segmento de implementos rodoviários, diz o presidente da companhia, Daniel Randon, em entrevista ao Valor. Segundo ele, a joint venture com a Triel HP, recentemente aprovada pelo conselho de administração, ampliará o portifólio de produtos, principalmente de linha pesada – especialmente em tanques de alumínio e basculantes especiais.


Ultrapar (UGPA3)

A Ultrapar informou, em fato relevante, que foi aprovado o resgate da totalidade das ações preferenciais resgatáveis detidas por Paulo Guilherme Aguiar Cunha, Ana Paula de Queiroz Cunha, Pedro Augusto de Queiroz Cunha, Guilherme de Queiroz Cunha e Eduardo Queiroz Cunha.

“Uma vez efetivado o resgate, os acionistas receberão ações de emissão da Companhia, deixando de integrar o capital social de Ultra S.A. e, consequentemente, de ser signatários do acordo de acionistas da Companhia, celebrado entre Ultra S.A. e Parth do Brasil Participações Ltda. em 02 de maio de 2018”, diz o fato relevante.

A Ultra comunicou ainda que o resgate deverá ser integralmente efetivado até 11 de novembro de 2019. Assim, o total de ações vinculadas ao acordo de acionistas de Ultrapar passaria de 31,25% para 27,95%.

Even (EVEN3)

A Construtora Even anunciou sua prévia operacional do segundo trimestre, com um total, em sua participação, de vendas líquidas de R$ 492 milhões. No mesmo período do ano passado, as vendas líquidas somaram R$ 329 milhões. Segundo a empresa, a velocidade de vendas (VSO) do trimestre foi 20%, atingindo a melhor patamar desde 2013.

No segundo trimestre, foram entregues quatro projetos, que equivalem a R$ 314 milhões (VGV de lançamento parte Even) e 706 unidades. No mesmo período do ano passado, foram dois projetos, equivalentes R$ 74 milhões (VGV Even), com 134 unidades.

No segundo trimestre, foi lançado um empreendimento, que totalizou R$ 155 milhões (parte Even). Já os distratos somaram R$ 74 milhões, ante R$ 134 milhões do mesmo período do ano passado.

Entre abril e maio, foi adquirido, por meio de permuta, um novo terreno em São Paulo, com valor potencial de vendas de R$ 215 milhões (parte Even). O land bank encerrou o período com R$ 6,9 bilhões em VGV potencial (parte Even).

"A Even reportou sólida venda de estoques no segundo trimestre de 2019, atingindo R$ 460 milhões no período, levando a velocidade de vendas da companhia para 20% (maior nível desde 2013). Os distratos seguiram recuando, com uma queda de 45% na comparação anual. A empresa lançou apenas um projeto no período (VGV de R$ 155 milhões), o qual rendeu uma velocidade de vendas de 21%", destacam os analistas do Itaú BBA. 

Taesa (TAEE11)

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica (TAESA) informou que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) emitiu a Licença de Instalação (LI) referente a Janaúba Transmissora de Energia Elétrica, empreendimento em construção do lote 17 do leilão de transmissão nº 013/2015 (parte 2), realizado em outubro de 2016, 100% controlado pela Companhia.

“Com a obtenção da referida licença, a Companhia está autorizada a iniciar as obras desse empreendimento”, destaca a elétrica. Janaúba é um empreendimento localizado entre os estados de Minas Gerais e Bahia com extensão de 542 km de linha e três subestações, totalizando um investimento de R$ 960 milhões (Capex ANEEL) e uma Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 185,4 milhões para o ciclo 2018-2019. O prazo estipulado pela ANEEL para energização de Janaúba é fevereiro de 2022.

“A Companhia reforça seu foco na execução e entrega no prazo de seus nove projetos em construção, que totalizam R$ 3,8 bilhões de investimentos e R$ 643 milhões de RAP (considerando apenas o stake Taesa – ciclo 2018-2019), e vem trabalhando na antecipação de entrega de alguns deles, buscando eficiência de Capex e de financiamento, com o objetivo de alavancar ainda mais os retornos destes empreendimentos”, informou a empresa.

Via Varejo (VVAR3)

A Via Varejo contratou o executivo Helisson Lemos para o cargo de Chief Digital Officer (CDO). Lemos será responsável por acelerar e consolidar a transformação digital da Companhia, com a incumbência de transformá-la em uma plataforma 100% multicanal.

O executivo assumirá o cargo em agosto e irá liderar as áreas de TI e Recursos Humanos. Com uma carreira consolidada no mercado digital, Helisson Lemos trabalhou por 17 anos no Mercado Livre, sendo os últimos sete anos na função de presidente.

Em 2017, assumiu a posição de Chief Operating Officer na Móvile, empresa de tecnologia que investe e opera aplicativos como o iFood, MovilePay, Sympla, PlayKids, entre outras companhias.

É graduado pela FGV, com MBA em Marketing na ESPM e MBA Executivo na Universidade de Stanford.

B3 (B3SA3)

A B3 divulgou sua prévia operacional do segundo trimestre com um aumento de 22,3% em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado no volume financeiro médio diário de ações, que atingiu R$ 15,917 bilhões. Ante maio, a alta é de 6%, com média de R$ 15,010 bilhões.

Entre as ações, o mercado à vista avançou 22,5% em junho ante junho do ano passado, para R$ 15,441 bilhões, enquanto o mercado a termo expandiu-se 78,7%, para R$ 193 milhões. O mercado de opções, por sua vez, recuou 5,4%, para um volume médio diário de R$ 283 milhões.

O número de investidores ativos saltou 58,6%, para 1.161.514, em junho na comparação com igual mês de 2018. Ante maio deste ano, o total de investidores avançou 3,5%.

O volume de derivativos cresceu 37,4% em junho na comparação anual, para uma média diária de R$ 5,496 bilhões, enquanto em relação a maio a alta foi de 49,4%.

Triunfo (TPIS3)

A concessionária de rodovias e aeroportos Triunfo informou sua prévia operacional para o acumulado do primeiro semestre. Segundo a empresa, no período, o total de veículos equivalentes pagantes atingiu 67,1 milhões (0,1% na comparação excluindo Concepa), “reflexo, principalmente, da greve geral dos caminhoneiros ocorrida em maio de 2018.”

Ao desconsiderar ainda a Econorte, devido aos desdobramentos da Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público Federal, o crescimento teria sido de 3,9%, acrescentou a empresa. Por rodovias sob concessão, houve queda de 39,3% na Econorte, alta de 6,8% na Concer, aumento de 2,7% na Transbrasiliana e expansão de 3,4% na Concebra.

Até junho, circularam pelo aeroporto de Viracopos 56,9 mil aeronaves (9,1%), 5,2 milhões de passageiros (18,5%) e 112,5 mil toneladas de carga (-1,6%).

Klabin (KLBN11)

A Klabin deu início à primeira fase do Projeto Puma II, com a colocação da primeira estaca do prédio da Máquina de Papel 27 e obras de terraplanagem na área da nova Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), segundo o Estadão. O plano de expansão de capacidade no segmento de papéis para embalagens, anunciado pela companhia em abril, tem valor estimado em R$ 9,1 bilhões.

Localiza (RENT3)

A locadora de veículos Localiza assinou um memorando de entendimento para a aquisição da operação de aluguel de carros de empresa franqueada da marca Localiza, baseada em Ribeirão Preto e com operação em mais 3 cidades do interior do estado de São Paulo. A referida franquia possui seis agências para aluguel de carros e frota aproximada de 3 mil carros.

“Os termos finais da transação serão definidos após procedimento de due diligence”, informa o fato relevante, não traz o valor da operação. “A Companhia manterá os seus acionistas e o mercado informados a respeito do desenvolvimento da transação”, acrescentou.

 

Contato