Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa fecha acima dos 104.500 pontos e renova máxima histórica com ânimo para Previdência

Expectativa é de votação da reforma no Plenário da Câmara dos Deputados já nesta semana; enquanto isso, Wall Street teve dia negativo em meio à cautela com Jerome Powell, dados de emprego e apreensão sobre relação dos EUA com Irã e China

ações índices gráfico alta bolsa mercado
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Mais um pregão, mais um recorde de fechamento. Enquanto Wall Street fechou em queda, o Ibovespa renovou sua máxima histórica de fechamento com a perspectiva de início da votação da reforma da Previdência no plenário da Câmara já na próxima terça-feira (9),  em que a B3 estará fechada por conta de feriado estadual em São Paulo. Neste dia, haverá a partir das 9h (horário de Brasília) reunião de líderes de partidos, que pode trazer sinalizações importantes sobre os próximos passos da reforma. 

De acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a questão sobre a votação ou não da reforma na próxima terça dependerá da garantia de que haverá quórum elevado e votos favoráveis suficientes.

Com isso, o Ibovespa fechou com ganhos de 0,42% , a 104.530 pontos, enquanto o dólar futuro com vencimento em agosto caía 0,35%, a R$ 3,8155. Já o dólar comercial opera em baixa de 0,31%, a R$ 3,8081 na venda. O volume financeiro negociado na bolsa foi de R$ 14,5 bilhões. 

No mercado de juros futuros, o contrato com vencimento em janeiro de 2021 tinha queda de 2 pontos-base, a 5,63%, enquanto o de vencimento em janeiro de 2023 tinha baixa de 6 pontos-base, a 6,41%.  

No exterior, após o ânimo em meio à trégua comercial entre EUA e China, agora o cenário é de maior apreensão entre os investidores, com as conversas entre EUA e Pequim recomeçando nesta semana.

Ainda entre os motivos para maior apreensão dos investidores, vale destacar que o Irã afirmou que começará a enriquecer urânio além do nível permitido sob o acordo nuclear que assinou em 2015, elevando o risco geopolítico.

Também há um ambiente de maior cautela nos mercados internacionais ainda repercutindo os dados fortes do mercado de trabalho nos EUA na última sexta-feira e com a expectativa pelo discurso do Federal Reserve. 

"A semana está repleta de discursos de bancos centrais e dados de atividade econômica. O foco principal será o discurso do presidente do Banco Central americano, Jerome Powell, na quarta-feira, apenas alguns dias após a divulgação de dados fortes de criação de novos postos de trabalho, que fez com que o mercado questionasse a necessidade/tamanho de cortes nas taxas de juros, apesar desse ainda ser o caso base", destaca a XP em relatório. 

Entre as commodities, os preços do petróleo fecharam próximos à estabilidade, apoiados por um lado pelos dados de emprego mais fortes do que o esperado e riscos geopolíticos dos EUA e, ao mesmo tempo, tendo um contraponto em meio às preocupações de que ocorra uma desaceleração no ritmo de crescimento da economia global. O preço do minério, por sua vez, teve forte alta de cerca de 3% em Qingdao, após as recentes baixas, o que impulsionou ações como de Vale (VALE3) e siderúrgicas como a CSN (CSNA3). 

Previdência e estimativas para economia no radar

Por aqui, com uma semana mais curta para a Bolsa devido ao feriado no estado de São Paulo do dia 9 de julho, a atenção está voltada para votação em primeiro turno no plenário da câmara da reforma da previdência, com discussões esperadas para serem iniciadas na terça-feira.

Levantamento do jornal O Estado de S.Paulo apontou o apoio de 247 deputados à reforma, dos quais 229 aprovariam com o mesmo teor que foi aprovado na Comissão Especial e 18 condicionaram a aprovação a ajustes. Seriam precisos, assim, mais 61 votos para a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC) na Câmara. Esse apoio, porém, é o maior já registrado em todas as edições do Placar da Previdência já feitas pelo Estado.

Nas contas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), porém, a reforma já tem o apoio de mais de 308 deputados. Após reunião com líderes partidários, no sábado, Maia afirmou que o objetivo dos parlamentares é de que a votação em primeiro e segundo turno aconteça antes do recesso. Já o ministro Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo conta com cerca de 330 votos.

Atenção ainda para as pesquisas sobre o governo Bolsonaro feitas com a população, que mostraram estabilidade na aprovação do governo (veja aqui e aqui). 

Os investidores também olham para o relatório Focus, com a estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia este ano continua em queda. Segundo o boletim, pesquisa semanal do Banco Central feita junto a instituições financeiras, a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – desta vez foi reduzida de 0,85% para 0,82%. Foi a 19ª redução consecutiva.

Para 2020, a expectativa é que a economia tenha crescimento maior - de 2,20% -, a mesma da semana passada. A previsão para 2021 e 2022 permanece em 2,50%.

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), se manteve em 3,80% este ano. A meta de inflação de 2019, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A projeção do mercado financeiro para a inflação em 2020 é de 3,91%. A meta para o próximo ano é de 4%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta de inflação é 3,75% e para 2022, 3,5%, também com intervalos de tolerância de 1,5 ponto percentual. A previsão do mercado financeiro para a inflação em 2021 e 2022 permanece em 3,75%.

Notícias corporativas

Além da venda de participações em empresas de transporte e distribuição de gás, a Petrobras terá de se desfazer do controle do gasoduto Brasil-Bolívia, conforme acordo da companhia com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que será avaliado hoje pelo colegiado, diz a Folha. Segundo a publicação, a Petrobras irá se desfazer ainda a fatia remanescente de 10% na NTS e TAG, duas transportadoras cujo controle foi vendido. O acordo é o pivô do processo de abertura do mercado de gás natural no País.

Já a Gol, que viu sua ação registrar uma das maiores altas do Ibovespa na semana passada,  divulgou pela manhã que estima uma margem Ebitda de 22% a 24% para o segundo trimestre, representando um aumento em relação ao mesmo trimestre do ano passado, que ficou em 16,4%. Na comparação, a empresa informa que houve ajuste com base no IFRS 16.

Mas o grande destaque de alta ficou mais uma vez com a Via Varejo, que segue em alta em meio às mudanças na gestão da companhia. 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 VVAR3 VIAVAREJO ON 6,75 +6,30 +53,76 346,89M
 KROT3 KROTON ON 12,38 +5,81 +40,80 162,98M
 ESTC3 ESTACIO PARTON 31,68 +4,76 +36,51 132,67M
 IGTA3 IGUATEMI ON 49,11 +3,35 +20,72 111,49M
 CSNA3 SID NACIONALON 17,24 +3,23 +104,61 144,85M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 NATU3 NATURA ON 56,45 -2,01 +26,13 73,85M
 IRBR3 IRBBRASIL REON 95,00 -1,79 +16,79 324,13M
 SMLS3 SMILES ON 40,97 -1,63 +0,52 84,77M
 SANB11 SANTANDER BRUNT EJ 46,52 -1,40 +12,60 47,45M
 HYPE3 HYPERA ON EJ 29,10 -1,36 -1,91 46,15M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)



Invista o seu dinheiro contando com a melhor assessoria do mercado: abra uma conta gratuita na XP.

(Com Agência Brasil)

 

Contato