Em mercados / acoes-e-indices

STJ libera dividendos de R$ 2,6 bi da Braskem; Petrobras recebe oferta superior a US$ 1 bi por campos e mais destaques

Confira os destaques corporativos desta quinta-feira (13)

Braskem_petroquímico
(Divulgação)

No Radar InfoMoney desta quinta-feira (13) destaque à nova proposta da Magazine Luiza pela Centauro, Petrobras com revisão de periodicidade de reajuste nos preços e à Braskem que teve pelo STJ liberação para distribuição de dividendos. Confira esses e outros destaques corporativos.

Magazine Luiza (MGLU3) e Centauro (CNTO3)

Em meio à disputa por seu controle, Netshoes reafirmou o seu apoio à proposta da Magazine Luiza. Segundo a empresa, após a elevação da proposta pela Centauro, anunciada na véspera, uma nova oferta foi feita pela Magazine Luiza, elevando sua proposta para US$ 3,70 por ação.

“O Conselho da Netshoes aprovou por unanimidade (com a abstenção do Sr. Marcio Kumruian em conselho) a Emenda ao Acordo de Incorporação e unanimemente reafirma sua recomendação de que os acionistas da Netshoes votem em a favor das transações contempladas pelo Acordo de Incorporação (com Magazine Luiza).”

Ontem, o Cade, órgão antitruste do país, havia decidido que iria apreciar a proposta de compra do e-commerce esportivo Netshoes pela concorrente Centauro por meio de rito sumário. A decisão era considerada uma vitória para a Centauro - que tinha como um dos principais pontos fracos de sua proposta o prazo de aprovação do negócio no Cade. A Netshoes vai deliberar sobre a proposta do Magazine Luiza na próxima sexta-feira (14).

O Magalu em fato relevante publicado pela manhã confirmou que celebrou com a Netshoes um aditivo ao Agreement and Plan of Merger que regula a Operação, através do qual o preço por ação ofertado foi elevado para US$ 3,70. “O Conselho de Administração da Netshoes reiterou, por unanimidade, sua recomendação de que os acionistas da Netshoes votem favoravelmente à aprovação da Operação”, destacou a varejista brasileira.

A Operação será submetida à deliberação dos acionistas da Netshoes em assembleia convocada para amanhã, dia 14 de junho, e, caso aprovada, deverá ser concluída até o dia 19 de junho 2019.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras informou em relação aos desinvestimento em águas rasas dos Polos Enchova e Pampo, localizados na Bacia de Campos, que recebeu, em 05 de junho de 2019, ofertas finais de potenciais interessados na aquisição dos referidos ativos.

O preço ofertado pelos Polos Enchova e Pampo supera US$ 1 bilhão, considerando pagamentos firmes e contingentes. “Entretanto, a transação ainda será submetida à aprovação pelos órgãos competentes da Petrobras e as etapas subsequentes do projeto serão divulgadas ao mercado tempestivamente”, esclareceu a empresa, em comunicado ao mercado.

A companhia ainda informou ontem à noite que sua Diretoria Executiva aprovou a revisão na periodicidade de reajustes nos preços de óleo diesel e gasolina comercializados em suas refinarias. Segundo a empresa, a partir de agora, os reajustes de preços de diesel e gasolina serão realizados sem periodicidade definida, de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo, “possibilitando a companhia competir de maneira mais eficiente e flexível”.

“A aplicação imediata desta revisão permitirá à Petrobras, no momento, reduzir os preços do diesel acompanhando as variações dos preços internacionais observadas nos últimos dias”, diz o comunicado. “Ficam mantidos os princípios que balizam a prática de preços competitivos, como preço de paridade internacional (PPI), margens para remuneração dos riscos inerentes à operação, nível de participação no mercado e mecanismos de proteção via derivativos”, acrescenta.

A empresa anunciou ontem ainda um corte médio de R$ 0,10 no litro de diesel nas refinarias. O reajuste tem vigência a partir de hoje. Com o corte, o preço médio do diesel cai de R$ 2,166 por litro para R$ 2,066, queda de 4,616%. O anúncio da empresa veio pouco após comunicado de que a diretoria executiva aprovou a revisão acabando com a periodicidade de reajustes.

Na noite de segunda-feira, a estatal havia informado queda de 3% no preço médio da gasolina nas refinarias, com vigência a partir da terça-feira. Na ocasião, a Petrobras não modificou o valor do diesel. Segundo comunicado divulgado pela empresa, a aplicação imediata da revisão permitirá à Petrobras, no momento, reduzir os preços do diesel "acompanhando as variações dos preços internacionais observadas nos últimos dias".

Ainda sobre petróleo, destaque para a disparada no preço do produto nesta manhã, com relatos de explosões de petroleiros no Golfo de Omã perto do litoral iraniano. A causa do incêndio ainda não está clara, mas provocou temores de ataques e vem apenas algumas semanas após a suposta sabotagem de navios na região.

Além disso, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) cortou hoje a previsão de alta na demanda global de petróleo para este ano, em 70 mil barris para 1,14 milhão de BPD (barris de petróleo por dia).

Azul (AZUL4)

O presidente da Azul, John Rodgerson, disse em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo que a crise na Avianca rachou o setor e feriu o sonho da companhia de disputar as rotas Rio-São Paulo com a Gol e a Latam. Para ele, ao fazerem propostas sincronizadas, pela Avianca, queriam apenas atrapalhar os planos da Azul de operar no aeroporto de Congonhas, na capital paulista.

Braskem (BRKM5)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu o oferecimento de um seguro garantia da Braskem e suspendeu uma decisão que impedia a realização de uma assembleia geral para a distribuição de dividendos da empresa. Segundo o STJ, a suspensão da liminar está condicionada ao oferecimento do seguro garantia no valor integral dos dividendos a serem distribuídos, aproximadamente R$ 2,6 bilhões.

No caso analisado, o Ministério Público de Alagoas (MPAL) e a Defensoria Pública do Estado de Alagoas ajuizaram ação civil pública com pedido de liminar, para que fosse apurada a responsabilidade da Braskem pela calamidade ocorrida em diversos bairros de Maceió em 2018. Segundo o MPAL, a exploração de jazidas de sal-gema pela Braskem teria causado tremores de terra em pontos da capital alagoana.

De acordo com o STJ, no curso do processo, o juízo responsável pela demanda determinou a indisponibilidade de bens da Braskem até o limite de R$ 100 milhões. Em abril, o desembargador relator do caso no Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL) determinou a suspensão da assembleia geral convocada para aquele mês, cuja finalidade era a distribuição de dividendos entre os acionistas da empresa.

De acordo com o ministro Noronha, os fatos e argumentos apresentados pela Braskem evidenciam que a decisão do desembargador do TJAL provoca grave lesão à economia pública, situação que justifica a suspensão da liminar.

Oi (OIBR3;OIBR4)

A Oi poderá receber duas propostas para vender a participação de 25% no capital na Unitel, maior operadora de telefonia móvel de Angola, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.

Uma das propostas teria partido de uma das mulheres mais ricas da África, Isabel dos Santos, que também possui 25% da operadora angolana - o valor seria de US$ 850 milhões. A outra proposta partiu da Sonangol, estatal angolana do ramo petrolífero e também dona de 25% da operadora. O lance seria de US$ 1 bilhão, à vista.
As propostas teriam sido levadas ao conselho de administração da Oi pelo diretor financeiro e de relações com investidores, Carlos Brandão, em reunião em 29 de maio.

A Oi afirmou, ontem, que não recebeu proposta da estatal Sonangol. A companhia disse ainda que tem conversado com potenciais interessados.

Via Varejo (VVAR3) e GPA (PCAR4)

A família Klein, fundadora da Casas Bahia, poderá retornar ao comando da rede varejista Casas Bahia, controlada pela Via Varejo. O GPA deverá vender sua participação, amanhã, em leilão a ser realizado das 10h30 às 11h30, na B3. A aquisição das 469 milhões de ações do GPA na Via Varejo deve movimentar pouco mais de R$ 2,2 bilhões. 

Eletrobras (ELET3;ELET6)

A Eletrobras informou ontem, sobre o julgamento desta quarta-feira pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que decidiu, por 5 votos a 4, contra a empresa em ação que discute empréstimos compulsórios, que não há elementos para que a decisão altere os valores já provisionados referentes aos processos sobre o tema. "Segundo entendimento da área jurídica da Eletrobras, o julgamento de hoje (quarta) afeta somente o processo em questão, não tendo efeito automático para os demais processos provisionados", diz a empresa, comunicado.

A Eletrobras entende que os créditos foram pagos nos termos da legislação. "A companhia informa que prosseguirá na discussão judicial por meio dos recursos cabíveis.

O STJ decidiu nesta quarta que devem ser aplicados juros remuneratórios nos créditos decorrentes de empréstimos compulsórios da Eletrobras até a data do efetivo pagamento desses recursos. A decisão foi tomada pela Primeira Seção do STJ, em um processo da empresa Decoradora Roma, que contestava a correção dos valores. O caso envolve recursos que eram recolhidos de forma compulsória de empresas, por meio das tarifas de energia, para financiar investimentos da Eletrobras entre 1976 e 1993.

CSN (CSNA3)

O jornal Valor Econômico informou que a CSN Cimentos programa investir em uma nova fábrica de cimentos, em Campo Largo (Paraná). A unidade poderá contar com 3 milhões de capacidade de produção e investimentos de R$ 1,5 bilhão.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

(Agência Estado e Bloomberg)

 

Contato