Em mercados / acoes-e-indices

Por que Carlos Brito e Guilherme Benchimol estão otimistas

"É claro que governos pode retardar ou acelerar processos. Mas a tendência do Brasil é para cima. Só não dá para esperar uma linha reta", afirmou o CEO da AB InBev

Carlos Brito e Guilherme Benchimol
(Divulgação)

“O maior risco, hoje, é o Brasil dar certo”. “Os fundamentos do país dão motivos para sermos otimistas”. Essas afirmações foram feitas por Guilherme Benchimol, CEO do grupo XP, e Carlos Brito, CEO da AB InBev, durante um evento em Nova York, cujo objetivo é discutir os primeiros 100 dias de governo – e as perspectivas daqui para a frente.

Brito citou o aumento da expectativa de vida, o crescimento da classe média, a melhoria (ainda que lenta) da educação, o fato de haver mais valor agregado na atividade econômica e a separação entre os poderes públicos como fundamentos que fazem com que ele tenha uma visão positiva sobre o país.

“É claro que governos pode retardar ou acelerar processos. Mas a tendência do Brasil é para cima. Só não dá para esperar uma linha reta”, afirmou, durante uma palestra no evento XP Investments Conference Brasil: First 100 Days, que acontece hoje e amanhã.

Para Benchimol, o grande desafio nacional é ajustar as contas públicas. “Assim, o país se tornará confiável e os empreendedores ficarão confortáveis para investir. Empreender já é difícil. Com as variáveis brasileiras, fica ainda mais complicado. Por isso, somos o país dos oligopólios”, declarou.

Ele acredita, no entanto, que o governo está no caminho para resolver esses obstáculos. “O ponto de partida é aprovar a reforma da previdência. Depois disso, esperamos um período bastante favorável, com outras reformas que tornem o Brasil mais competitivo.”

Cultura empresarial
Brito e Benchimol também falaram sobre o histórico de crescimento das empresas que comandam – e de como fazem para disseminar a cultura entre os funcionários.

“Lutamos para conquistar liderança em diferentes mercados. Hoje, lutamos para não atrair as pessoas erradas, que querem a vida garantida, numa empresa que sabem que será relevante. Se deixamos isso acontecer, nos tornaremos a companhia que pode sofrer disrupção e se tornar irrelevante”, afirmou Brito.

O executivo disse ainda que, numa empresa, de forma geral, 20% lideram, 70% seguem e 10% só reclamam. “Esses 10% devem sair, e os 20% precisam estar alinhados. Não no sentido de pensarem iguale, mas de concordarem nos valores, no que é importante. Mesmo que seja decisão diferente da sua, é boa porque está alinhada com os valores da companhia.”

Benchimol, por sua vez, disse que, para manter e disseminar a cultura empresarial, é preciso ter consistência e metas que façam sentido. Na XP, segundo ele, a remuneração variável depende do cumprimento das metas e também do alinhamento com a cultura. “É preciso entregar com a cultura certa”, afirmou.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

 

Tudo sobre:  AB Inbev  

Contato