Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe 2% após partidos sinalizarem apoio à Previdência; dólar cai a R$ 3,85

Mercado se animou com articulação de Bolsonaro para conseguir votos para a reforma da Previdência

Jair Bolsonaro
(Carolina Antunes/PR)

São Paulo - O Ibovespa se beneficiou do esforço do governo do presidente Jair Bolsonaro em articular apoios à reforma da Previdência e subiu forte nesta quinta-feira (4). Além do cenário político, o índice ainda foi impulsionado pelas boas perspectivas para um acordo entre Estados Unidos e China na guerra comercial. 

O principal índice de ações da B3 teve alta de 1,93%, a 96.313 pontos, com volume negociado de R$ 13,121 bilhões. O dólar comercial teve baixa de 0,55%, cotado a R$ 3,8575 na venda, ao passo que o contrato do dólar para maio cai 0,34% a R$ 3,863.

Os juros futuros, por sua vez, registraram queda, com o DI para janeiro de 2021 recuando quatro pontos-base a 7,05% e o DI para janeiro de 2023 perdendo sete pontos-base a 8,17%.  

O principal impulso à Bolsa começou quando o presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, disse que seu partido poderia integrar a base do governo Bolsonaro. A bancada do partido na Câmara conta com 29 deputados. "O encontro com Bolsonaro marca o início de um novo momento de relação entre o DEM e o governo”, afirmou ACM Neto hoje.

No mercado internacional, investidores esperam ansiosamente por um acordo entre Estados Unidos e China em meio à reunião do presidente norte-americano Donald Trump com o vice-primeiro-ministro da China, Liu He. Trump afirmou que o diálogo com os chineses está indo muito bem e que um acordo bilateral precisa ser "ótimo" para se concretizar.

De acordo com o vice-presidente executivo da Câmara Americana de Comércio, Myron Brilliant, os dois países estão caminhando para uma resolução definitiva nas negociações comerciais que foram retomadas ontem, em Washington, mas é pouco provável que as duas maiores economias do mundo cheguem a um acordo ainda nesta semana.

Noticiário corporativo

O jornal Valor Econômico destaca a alteração proposta pela Petrobras para que seja transferida para o conselho de administração da companhia e não mais à assembleia de acionistas decisões sobre a venda de subsidiárias integrais. Segundo a publicação, o objetivo é reduzir custos e desburocratizar os processos de desinvestimentos. A alteração no estatuto deverá ser votada em assembleia dia 25 de abril.

Em recuperação judicial, a gestora norte-americana Elliot, credora de mais de US$ 500 milhões, tomou as rédeas da Avianca, convencendo os executivos da companhia a fechar um novo modelo de venda do ativo, com a entrada da Latam e da Gol na disputa, que se juntam a Azul na tentativa de compra da companhia aérea. A intenção é ampliar a concorrência, ao estabelecer a criação de sete unidades produtivas isoladas, que irão a leilão por um preço mínimo de US$ 70 milhões, destacou o Valor Econômico.

A Embraer e a sueca Saab estão em conversas com potenciais clientes para a venda do caça Gripen brasileiro, projeto de aeronave desenvolvido pelas duas companhias. Segundo o Estado de S. Paulo, até 2021, a Força Aérea Brasileira receberá o primeiro dos 28 caças já encomendados e a partir de 2024 começam a ser entregues os caças produzidos no Brasil.

A BRF suspendeu os abates de frangos da unidade de Carambeí, no Paraná, por até cinco meses, a partir de 27 de maio. A decisão é pontual e leva em consideração a necessidade de ajustes nos estoques, informou o Estado de S. Paulo.

A Linx está avaliando a captação de recursos na Nasdaq, numa operação que poderia levantar entre US$ 250 milhões e US$ 300 milhões, informou o Estado de S. Paulo.

A Multiplan assinou um acordo de investimentos em que passará a deter 18,7% da empresa Delivery Center Holding, por meio da outorga de centrais de entregas nos 18 shoppings administrados pela companhia, junto com um aporte de R$ 12 milhões.

O conselho de administração da Light aprovou a emissão de debêntures no valor de até R$ 750 milhões.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KROT3 KROTON ON 10,86 +6,05 +22,44 170,38M
 CIEL3 CIELO ON EJ 9,35 +5,77 +8,27 127,41M
 FLRY3 FLEURY ON 22,60 +5,66 +19,07 142,57M
 MRFG3 MARFRIG ON 6,23 +5,59 +14,10 34,91M
 CCRO3 CCR SA ON 12,32 +5,48 +10,00 133,27M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N2 16,81 -3,39 +5,97 65,73M
 SUZB3 SUZANO PAPELON 45,44 -3,11 +19,33 230,96M
 CSNA3 SID NACIONALON 16,98 -0,88 +92,08 296,16M
 CSAN3 COSAN ON 43,94 -0,39 +31,32 53,08M
 CVCB3 CVC BRASIL ON 52,60 -0,38 -14,02 82,68M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN N2 28,47 +3,38 1,46B 1,76B 71.635 
 VALE3 VALE ON 52,16 +0,73 734,85M 1,10B 28.752 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN ED 33,82 +1,50 608,17M 723,83M 45.832 
 BBDC4 BRADESCO PN EJB 36,10 +2,59 599,27M 567,40M 36.082 
 BBAS3 BRASIL ON 48,83 +1,20 541,63M 614,34M 30.869 
 B3SA3 B3 ON EJ 32,74 +3,74 363,07M 312,83M 28.433 
 PETR3 PETROBRAS ON N2 31,35 +3,29 306,40M 373,93M 24.236 
 CSNA3 SID NACIONALON 16,98 -0,88 296,16M 301,07M 23.002 
 ITSA4 ITAUSA PN 11,80 +0,43 289,79M 274,35M 19.106 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 17,32 +2,85 260,78M 378,27M 28.186 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
IBOVESPA

Apoios

Além de ACM Neto, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou em conferência que a bancada paulista do PSDB vai fechar questão a favor da reforma da Previdência. Doria afirmou que seu governo irá defender incondicionalmente a reforma.

Ele disse que há diálogo com o Executivo federal, sobretudo com o secretário da Previdência, Rogério Marinho, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, e que é legítimo os Estados negociarem condições para melhorar a situação fiscal dos governos. Ele garantiu, contudo, que o governo paulista apoiará a reforma sem pedir contrapartida. 

Já o presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, que se encontrou com Bolsonaro às 10h, avisou que o partido mantém independência em relação ao governo. Ao deixar reunião com o presidente Jair Bolsonaro, ele também disse que os tucanos apoiam a reforma da Previdência do governo, mas com restrições.

"Não há nenhum tipo de troca, não participaremos do governo", declarou. Ele também ponderou que o apoio dos tucanos à reforma ocorre num contexto de "justiça social".

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, disse mais cedo que Bolsonaro não convidou o seu partido a fazer parte da base do governo, o que chegou a fazer com que a Bolsa zerasse ganhos pela manhã. 

Segundo o gerente de renda variável da H.Commcor, Ari Santos, o mercado está muito sensível a questões relacionadas à possibilidade de aprovação da reforma da Previdência, então qualquer fala de político traz movimentos muito exagerados em Bolsa, dólar e juros futuros.

"O mal-estar desde ontem já era exagerado, ainda há mais 20 sessões de discussão da reforma na Câmara. De manhã, o índice caiu com essa fala do Kassab, mas nada mudou no cenário político, a economia continua com os mesmos fundamentos e daqui a pouco vamos ter que olhar para os balanços do primeiro trimestre das empresas", avalia. 

Para Santos, é possível que o presidente norte-americano Donald Trump marque reunião com o presidente chinês, Xi Jimping, para um acordo definitivo na guerra comercial, o que animaria o mercado ainda mais.

"A tendência do Ibovespa é de alta, os investidores mesmos percebem essa irracionalidade em alguns movimentos e aproveitam para comprar quando a Bolsa cai por motivos frágeis", explica. 

Audiência de Guedes na Câmara

A audiência da CCJC (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania) ontem com Guedes, que já estava tensa durante o fechamento do mercado, terminou em confusão após bate-boca do ministro com os parlamentares da oposição, que deixaram claro a resistência do Parlamento em relação a introdução do regime de capitalização e às mudanças no benefício assistencial a idosos miseráveis (BPC).

O que chamou a atenção do mercado, porém, foi o pouco apoio de deputados aliados ao governo em defesa das propostas de Guedes. 

Ainda no Congresso, o Senado aprovou ontem a PEC do Orçamento Impositivo, que, por ter sido alterada, precisará retornar à Câmara. Cabe destacar que a dupla aprovação por parte do Congresso Nacional da limitação das ação do governo sobre o orçamento foi encarada pelo mercado como uma derrota para Bolsonaro.

Bolsas Internacionais

Nos EUA, as bolsas fecharam em alta, acompanhando o movimento dos mercados na China e no Japão, sob a expectativa de conclusão das negociações de um acordo comercial entre os norte-americanos e os chineses. 

Na Europa, as bolsas operam em queda, também de olho nos desdobramentos do impasse nas negociações entre o Parlamento e o Governo britânico. Ontem, foi aprovada, com uma margem mínima, uma lei que obriga a premiê Theresa May a buscar, até dia 12 de abril, um adiamento do Brexit, evitando uma saída conturbada do Reino Unido da União Europeia (UE) no dia 12 de abril.

A extensão porém precisará ser aprovada por um conselho da UE, que se reunirá em 10 de abril. Principal economia do bloco europeu, a Alemanha registrou uma queda de 4,2% das encomendas à indústria em fevereiro ante janeiro, contribuindo para os receios de uma de desaceleração econômica.

Entre as commodities, após alguns saltos dos últimos dias, o preço futuro do minério de ferro fechou em leve alta, mas renovando as máximas em quase um ano. O petróleo que chegou a operar em baixa, por conta do noticiários relativos aos estoques mais elevados do que o previsto do produto, passou a operar perto da estabilidade, com leve alta.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

 

Contato