Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras cai mais de 2% após tuíte de Trump levar petróleo ao pior pregão do ano; CSN salta 29% em 4 pregões

Confira os destaques da B3 na sessão desta segunda-feira (25)

fundição 2
(Peter Andrews/Reuters)

SÃO PAULO - Após uma abertura em alta, o Ibovespa perdeu forças após Wall Street iniciar os seus negócios e fechou em queda, descolando-se do otimismo após o tuíte do presidente dos EUA, Donald Trump, estendendo a trégua comercial entre o país e a China e que havia impulsionado as ações da Vale (VALE3) no início do pregão.

Enquanto isso, as ações da CSN (CSNA3) registraram fortes ganhos pela quarta sessão seguida, na esteira dos bons resultados corporativos e alta de preços de aço divulgados na semana passada. Em quatro sessões, os ativos da CSN já subiram 29%. 

Já a Petrobras (PETR3;PETR4) caiu em uma sessão de baixa para o petróleo, com o brent e o WTI em baixa de mais de 3% no pior pregão do ano para a commodity. Além de falar de China, Trump voltou a reclamar hoje que os preços do petróleo estão “ficando muito altos”.

“Opep, por favor, relaxe e vá com calma”, disse Trump, em sua conta oficial no Twitter, referindo-se à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Ainda segundo Trump, o mundo está “frágil” e não suporta uma elevação nos preços da commodity.

Confira esses e mais destaques corporativos desta segunda-feira:

Petrobras (PETR3; PETR4)

Além do tuíte de Trump, a  Petrobras repercutiu a informação de que cerca de 188 metros cúbicos de óleo foram derramados na plataforma P-58, na Bacia dos Campos, litoral sul do estado do Espírito Santo, durante uma transferência para um navio aliviador na madrugada do dia 23 de fevereiro.

Em comunicado ao mercado, a Petrobras disse que duas embarcações estão no local para tentar conter o incidente, e que está investigando a razão do incidente.

No mês de janeiro, a produção total de petróleo e gás foi de 2,61 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), sendo 2,54 milhões boed produzidos no Brasil e 73 mil boed no exterior.

A produção total operada da Petrobras foi de 3,27 milhões boed, uma queda em relação ao mês anterior por conta de manutenções em diversas plataformas.

Também no radar de Petrobras, a companhia elevou na última sexta-feira (22) o preço médio do diesel em 3,5% nas refinarias. Com isso, o preço do litro do diesel passará de R$ 2,0505 para R$ 2,1224. A gasolina, por sua vez, permanece em R$ 1,6538.

Embraer (EMBR3)

O juiz Victorio Giuzio Neto, da 24ª Vara Cível Federal de São Paulo, concedeu liminar na última sexta-feira (22) suspendendo a Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da Embraer que aconteceria na próxima terça-feira (26) para analisar a operação com a Boeing.

A liminar se baseia em ação civil pública ajuizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região, Sindicato dos Metalúrgicos de Araraquara e Américo Brasiliense, Sindicato dos metalúrgicos de Botucatu e região e Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM).

O juiz lembra que o conselho de administração da companhia ratificou a operação no dia 17 de dezembro do ano passado e afirma que a liminar vai ocorrer até que “irregularidades legais” apontadas sejam esclarecidas.

Em comunicado, a Embraer afirmou que buscará os recursos cabíveis para manter a realização da AGE na data para a qual os acionistas foram convocados.

Vale (VALE3)

A ação da Vale fechou com leves ganhos, entre o ânimo do setor com a extensão da trégua entre EUA e China, mas também ponderando a alta em meio aos desdobramentos do caso de Brumadinho. A mineradora informou que vai manter por um ano, ou até que seja fechado um acordo definitivo de indenização, o pagamento dos salários de todos os empregados próprios e terceirizados que faleceram devido ao rompimento da Barragem I na mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG).

Além disso, a empresa se comprometeu a só transferir empregados após uma prévia consulta e concordância do trabalhador e do sindicato. As medidas serão somadas àquelas anunciadas previamente pela Vale.

Banco do Brasil (BBAS3)

O conselho diretor do Banco do Brasil aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio no valor de R$ 435 milhões relativos ao primeiro trimestre de 2019. Os JCP serão pagos em 29 de março e terão como base a posição acionária de 11 de março, sendo as transferências de ações a partir de 12 de março efetuadas “ex-juros”.

Marcopolo (POMO4)

A Marcopolo informou que não pagará dividendos complementares. Segundo a companhia, a suspensão deve-se em função da otimização de plantas, que prevê investimentos relacionados ao encerramento das operações da fábrica de Planalto e conclusão do novo Centro de Fabricações.

Além disso, a Marcopolo afirma que os últimos juros sobre o capital próprio (JCP) pagos em 1º de fevereiro representaram 44,40% do lucro líquido do exercício 2018, superando o valor mínimo legal de 25%.

Pão de Açúcar (PCAR4) e Via Varejo (VVAR3)

As ações da Via Varejo ficaram congeladas por conta de uma venda de ações em bloco feita pelo controlador Pão de Açúcar (PCAR4) entre às 16h30 e 16h45 (horário de Brasília) desta segunda.

O Pão de Açúcar anunciou na quinta-feira a venda de 40 milhões de ações (ou 3,09%) da Via Varejo ao preço de R$ 4,74, num volume total de R$ 189,6 milhões, o que fez com que os ativos registrassem queda de mais de 10% na sessão daquela data. A instituição intermediadora vendedora foi o Itaú e a intermediadora compradora foi o Santander. 

Logo após os papéis VVAR3 saírem do leilão, eles passaram a disparar. O leilão saiu a R$ 5,00 por ativo, movimentando R$ 200 milhões (num volume total de R$ 316,84 milhões negociados pelo ativo nesta segunda).

Mas, conforme destacou um gestor ao InfoMoney, esse leilão representou apenas uma mudança de de CNPJ do Casino (que controla o GPA) para o Santander. Ele será o banco que ficará com o swap, sendo o encarregado de vender a posição dentro de um ano, não necessariamente ao preço de R$ 5 por ativo. 

Na quinta-feira, mesmo dia do anúncio do leilão, a XP Research reduziu a recomendação dos ativos para neutra. A elevação das incertezas frente a venda da Via Varejo para um investidor estratégico, - principalmente após o anúncio feito na noite de ontem pelo controlador Pão de Açúcar e logo após um resultado fraco no quarto trimestre de 2018 - deve manter a pressão sobre as ações, ressaltou a análise. 

"Reconhecemos que o desinvestimento para um investidor estratégico pode, de fato, ser um gatilho relevante, potencialmente desencadeando uma OPA (Oferta Pública de Aquisição), mas o tempo e a probabilidade de se materializar são muito incertos, enquanto operacionalmente, após trimestres subsequentes de decepção, gostaríamos de entrega e visibilidade antes de recuperar a convicção", destaca a analista da XP, Betina Roxo. 

Oi (OIBR3;OIBR4)

Segundo informa o Estadão, o executivo israelense Amos Genish foi procurado pela operadora Oi para presidir a tele brasileira, apurou o Estado com fontes a par do assunto. Não é a primeira vez que Genish, fundador da GVT (vendida para a Telefônica por R$ 22 bilhões) e ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália, é sondado pela companhia, em recuperação judicial desde junho de 2016.

Os acionistas da tele brasileira estão em busca de um nome forte no mercado de telecomunicação para conduzir o processo de reestruturação da empresa. A operadora, que viveu um longo período de sangria financeira – a tele entrou com pedido de proteção na Justiça, com dívidas declaradas de R$ 65 bilhões –, tem tentado estancar a crise mais aguda pela qual passa.

Recomendações

A empresa de shoppings Multiplan (MULT3) teve sua recomendação rebaixada a ‘market perform’ (performance em linha com a média do mercado) pelo Banco do Brasil.

A recomendação da imobiliária Helbor (HBOR3) também foi rebaixada, desta vez para ‘underperform’ (performance abaixo da média do mercado) pelo Safra. O preço-alvo estimado é de R$ 1,20.

Copel (CPLE6)

A equipe de análise do Itaú BBA encontrou pela primeira vez com o CEO da Copel, Daniel Slavieiro. Eles saíram da reunião positivamente impressionados. "De forma realista, ele abordou questões como eficiência de custos, alocação de capital, desinvestimentos e potencial privatização, bem como a expiração em 2023 da UHE Foz da Areia e o plano da Copel de manter o ativo ou monetizá-lo através de uma privatização da usina", avaliaram os analistas.

A equipe do Itaú BBA apontou que, se tudo mencionado for entregue, a Copel poderia valer R$ 60 por ação. "Embora já tivéssemos uma visão otimista do nome com base em seu valuation barato (12% de IRR real), a reunião nos deu mais convicção sobre nossa tese. Reiteramos nossa visão positiva e o outperform rating da Copel, com um preço-alvo para 2019 de R$ 44 por ação", avaliam os analistas.

(Com Agência Estado e Bloomberg)

Invista em ações com TAXA ZERO: abra uma conta gratuita na Clear

 

Contato