Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa dá trégua na crise política e sobe 1,2% à espera do projeto da Previdência; dólar cai

Índice chegou a superar os 98 mil pontos, mas perdeu um pouco de força durante a tarde com derrota do governo na Câmara e áudios vazados

Painel ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - A bolsa voltou a mostrar otimismo enquanto aguarda a entrega da proposta de reforma da Previdência na Congresso, prevista para quarta-feira (20). Com isso, o Ibovespa voltou a superar os 97 mil pontos em uma sessão descolada de Wall Street, onde os ganhos foram mais amenos.

Com isso, o Ibovespa fechou com alta de 1,19%, aos 97.659 pontos, após chegar a subir 1,46%, para 98.185 pontos, na máxima do dia. O volume financeiro ficou em R$ 15,220 bilhões. O contrato de dólar futuro com vencimento em março teve queda de 0,28%, a R$ 3,726, enquanto o dólar comercial recuou 0,45%, cotado a R$ 3,7156 na venda.

No mercado de juros, a perspectiva otimista reduz o prêmio por risco e os contratos futuros com vencimento em janeiro de 2021 ficaram estáveis a 7,02%, enquanto os contratos para janeiro de 2023 recuaram 4 pontos-base, para 8,11%.

Apesar do foco do mercado na reforma da Previdência, foi destaque nos noticiários da tarde desta terça a divulgação, pela revista Veja, de diversos áudios de conversas entre Jair Bolsonaro e o agora ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, contradizendo o presidente.

Nas conversas, além de mostrar que Bebianno estava certo em dizer que eles conversaram no estouro da crise sobre os candidatos laranjas, os áudios apresentam uma grande discussão entre os dois sobre vazamento de informações (clique aqui para conferir).

Além disso, ajudou a distanciar o Ibovespa da máxima a notícia da primeira derrota do governo na Câmara, que aprovou urgência contra mudança em Lei de Acesso à Informação. Foram 367 votos pela aprovação, 57 votos contrários e três abstenções. O texto ainda tem que ser aprovado pelos deputados e passar pelo Senado.

Segundo a equipe da XP Política, este resultado não serve exatamente como comparação para verificar o apoio à reforma da Previdência, mas no plenário da Câmara o discurso é que esta é uma mensagem da Casa para o Planalto.

Previdência
Enquanto isso, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, esteve ontem com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e disse que ele sinalizou que as regras da reforma da Previdência serão verticalizadas para Estados e municípios de forma imediata, o que agrada aos investidores. Há expectativa ainda com a entrega do projeto da reforma no Congresso pelas mãos do próprio presidente Jair Bolsonaro amanhã.

Enquanto isso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), já prepara o terreno. Com objetivo de medir o apoio dos deputados à proposta de reforma, Maia incluiu na pauta de votação desta semana o projeto que permite os estados transformar as dívidas que têm a receber em títulos. Por meio de uma operação conhecida como securitização, esses papéis são oferecidos ao mercado financeiro para antecipação de recursos.

A votação serviria como um "termômetro" do apoio da base do governo. O projeto de securitização exige quórum qualificado de 257 votos favoráveis para ser aprovado. Já a PEC precisa de 308 votos, em dois turnos.

Com os novos passos da reforma, o governo Bolsonaro tenta deixar para trás os arranhões causados pela crise dos últimos dias, após tensões com Gustavo Bebianno envolvendo acusações de criação de candidaturas de laranjas para desviar recursos nas eleições de 2018 e rusgas entre o ex-ministro e o filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

Bolsonaro dispensou ontem, no 48º dia da nova administração, Bebianno do comando da Secretaria-Geral da Previdência. O general da reserva Floriano Peixoto Vieira Neto assumirá o comando da pasta.

Não espere pelo governo. Abra uma conta de investimentos na XP e garanta sua aposentadoria

Destaques de ações
As maiores altas, dentre as ações que compõem o índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 NATU3 NATURA ON 47,67 +3,36 +6,52 146,83M
 EGIE3 ENGIE BRASILON 44,06 +3,33 +33,43 40,14M
 RADL3 RAIADROGASILON 59,41 +3,18 +3,95 62,98M
 CSAN3 COSAN ON 43,52 +3,13 +30,07 69,57M
 B3SA3 B3 ON 32,80 +2,60 +22,34 342,29M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 VVAR3 VIAVAREJO ON 5,30 -3,11 +20,73 75,26M
 USIM5 USIMINAS PNA 9,22 -1,60 +0,79 119,73M
 JBSS3 JBS ON 14,79 -1,40 +27,61 98,19M
 CSNA3 SID NACIONALON 10,16 -1,26 +14,93 72,85M
 LOGG3 LOG COM PROPON 17,58 -1,24 -2,44 4,57M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN N2 27,38 +2,32 1,58B 1,44B 51.128 
 ITSA4 ITAUSA PN 13,23 +2,08 1,55B 342,86M 33.941 
 VALE3 VALE ON 45,49 +0,53 877,60M 1,76B 38.262 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 37,75 +2,30 800,28M 950,98M 40.789 
 BBAS3 BRASIL ON 54,50 +0,42 700,33M 630,72M 33.714 
 BBDC4 BRADESCO PN 45,33 +0,85 694,56M 742,00M 28.275 
 B3SA3 B3 ON 32,80 +2,60 342,29M 405,15M 27.139 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,32 +0,71 271,64M 446,12M 20.272 
 ELET3 ELETROBRAS ON 35,73 +0,85 260,53M 157,94M 22.242 
 PETR3 PETROBRAS ON N2 31,26 +1,86 231,36M 243,52M 13.127 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
IBOVESPA

Bolsas mundiais

Todos os olhos dos mercados globais estão na guerra tarifária entre China e Estados Unidos. Os países vão lançar uma nova rodada de negociações a partir de hoje, em Washington, segundo comunicado da Casa Branca. Na semana passada, delegações dos dois países se reuniram em Pequim, mas não chegaram a um acordo comercial, embora ambos os lados tenham falado em "progresso" nas discussões.

Na quinta-feira (21), começa a segunda parte das negociações, envolvendo funcionários de alto escalão. A equipe americana será liderada pelo Representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e incluirá o Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o Secretário do Comércio, Wilbur Ross. O Ministério do Comércio chinês informou que o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, participará das conversas.

Neste contexto, os índices dos Estados Unidos fecharam em leve alta no retorno do feriado da véspera. A divulgação de balanços e a expectativa com a divulgação da ata da última reunião do Fomc, que acontece amanhã, também estão no radar.

As bolsas asiáticas encerraram em queda também à espera de reuniões entre representantes do governo chinês e norte-americano. A informação vinda de Pequim de que os EUA estão tentando reduzir seu desenvolvimento tecnológico pesou sobre o humor dos investidores. A alegação é de que os equipamentos chineses de rede móvel de internet podem representar ameaças à segurança cibernética.

Noticiário político

Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública, deve ir ao Congresso hoje à tarde (19) para protocolar o projeto de lei anticrime, considerado uma das vitrines do novo governo. O projeto prevê alterações em 14 leis, como Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos, Código Eleitoral, entre outros.

O objetivo, segundo o ministro, é endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas. A previsão é que Moro apresente o projeto acompanhado da mensagem assinada pelo presidente Jair Bolsonaro. Antes, o ministro conversa com secretários estaduais de Segurança Pública e participa de reunião ministerial, no Palácio do Planalto.

O projeto de lei de combate ao crime deverá tramitar paralelamente à proposta de reforma da Previdência.

Ainda na esteira das vitrines do novo governo, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, disse ao jornal Valor Econômico que deve liberar no início de março a ação que trata das privatizações de empresas públicas para votação em plenário. 

Por fim, nesta terça, a 60ª fase da Lava Jato, chamada de Operação Ad Infinitum, foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) para apurar um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo grandes quantias do chamado Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, por meio da atuação de operadores financeiros, entre os anos de 2010 a 2011, O dinheiro destinava a "irrigar campanhas eleitorais e efetuasse o pagamento de propina a agentes públicos e políticos aqui no Brasil”, diz a nota divulgada pela PF.

 

Contato