Em mercados / acoes-e-indices

Os 5 assuntos que vão agitar os mercados nesta segunda-feira

Reforma da Previdência e crise do governo estão no radar dos investidores

Gustavo Bebianno
(Valter Campanato/Agência Brasil)

SÃO PAULO - A assinatura da proposta da reforma da Previdência com envio ao Congresso ainda nesta semana e os próximos capítulos da crise do governo federal devem influenciar no humor dos investidores neste início de semana. 

A entrega do projeto da reforma deve ocorrer na quarta-feira (20), mesmo dia em que Jair Bolsonaro fará uma coletiva para dar mais detalhes da proposta, que é mais dura que o anteriormente proposta por Michel Temer - o que agradou o mercado financeiro. Apesar de esse ainda ser ainda o primeiro passo, deve crescer o debate sobre a viabilidade da proposta e o apoio que o governo conseguirá, trazendo muita agitação para o mercado.

Enquanto isso, a maior crise do governo Bolsonaro segue no radar por conta dos atritos com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que ainda não teve sua exoneração confirmada. 

Destaque ainda para o vencimento de opções sobre ações e o feriado nos Estados Unidos que manterá as bolsas em Wall Street fechadas e reduzirá o volume de negócios por aqui. 

Veja no que ficar de olho nesta segunda-feira (18):

1. Bolsas mundiais

As bolsas europeias operam em leve queda, em meio a novas complicações para o Brexit e à espera de avanços nas negociações comerciais de Estados Unidos e China.

Os índices estão pressionados por relatos de que um grupo de parlamentares do Partido Trabalhista britânico, de oposição, pretende renunciar em protesto à forma como o líder da legenda, Jeremy Corbyn, vem lidando com a questão do Brexit. O grupo, possivelmente formado por cinco legisladores, deverá fazer o anúncio ainda hoje, após semanas de pressão para que Corbyn mude de estratégia e inicie uma campanha para a realização de um segundo plebiscito sobre a permanência ou não do Reino Unido na União Europeia.

Proteja seu dinheiro das incertezas globais: abra uma conta de investimentos na XP.

Corbyn diz que só manterá a opção de um segundo plebiscito "na mesa" se o governo da primeira-ministra britânica, Theresa May, não conseguir garantir com Bruxelas um acordo de Brexit que possa ser aprovado no Parlamento. O prazo final para que o Brexit ocorra é 29 de março.

As bolsas asiáticas encerraram em alta de olho nas reuniões entre representantes do governo chinês e norte-americano com o intuito de colocar fim à guerra tarifária entre os países.

No mercado de commodities, os preços do petróleo do tipo WTI sobem pelo quarto dia seguido com a queda nos embarques da Arábia Saudita, que prometeu cortar sua produção, e da Venezuela, que sofre com sanções dos Estados Unidos. O tipo Brent tem leve queda nos preços após a China reportar queda nas vendas de veículos em janeiro na comparação anual. 

Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 7h47 (horário de Brasília):

*DAX (Alemanha) -0,19%

*FTSE (Reino Unido) -0,19%

*CAC-40 (França) +0,11%

*FTSE MIB (Itália) +0,46%

*Hang Seng (Hong Kong) +1,60% (fechado)

*Xangai (China) +2,68% (fechado)

*Nikkei (Japão) +1,82% (fechado)

*Petróleo WTI +0,56%, a US$ 55,90 o barril

*Petróleo brent -0,30%, a US$ 66,05 o barril

*Bitcoin US$ 3.702 +3,14%
R$ 13.613 +0,09% (nas últimas 24 horas)

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian +0,32%, a 628,00 iuanes (nas últimas 24 horas) 

2. Reforma da Previdência

A proposta de reforma da Previdência deve ser enviada ao Congresso na quarta--feira (20). Logo depois de assinar o texto, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento. Ele explicará a necessidade de mudar as regras de aposentadoria e de que forma a proposta será discutida no Congresso.

Não espere pelo governo. Abra uma conta de investimentos na XP e garanta sua aposentadoria

Somente na quarta-feira serão revelados detalhes como a proposta para aposentadorias especiais de professores, policiais, bombeiros, trabalhadores rurais e profissionais que trabalham em ambientes insalubres. Também serão informadas as propostas para regras como o acúmulo de pensões e de aposentadorias e possíveis mudanças nas renúncias fiscais para entidades filantrópicas.

Falta saber ainda como ficarão o fator previdenciário - usado para calcular o valor dos benefícios dos trabalhadores do setor privado com base na expectativa de vida - e o sistema de pontuação 86/96, soma dos anos de contribuição e idade, atualmente usado para definir o momento da aposentadoria para os trabalhadores do setor privado. Em relação aos servidores públicos, ainda não se sabe qual será a proposta para a regra de transição.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), confirmou ao Broadcast Político que o senador Tasso Jereissati (PSDB) deve ser o escolhido para comandar uma subcomissão do Senado dedicada a acompanhar os debates sobre a reforma na Câmara dos Deputados. A ideia é que o Senado forme um grupo de sete parlamentares, que funcionaria como um colegiado atrelado à Comissão de Constituição e Justiça da Casa, para fazer "sugestões" aos deputados durante a primeira etapa de tramitação do projeto no Congresso.

Na avaliação de Alcolumbre, esta subcomissão vai "queimar etapas" para que o texto chegue mais "arredondado" no Senado e, assim, seja apreciado com mais celeridade.

Também na quarta-feira (20), governadores de todos os estados voltam a se reunir, pela terceira vez, em Brasília, para discutir a agenda econômica do país. Os chefes dos executivos estaduais esperam conversar diretamente com o ministro da Economia, Paulo Guedes. O Planalto não confirmou a presença do presidente Jair Bolsonaro.

3. Agenda econômica 

Atenção para a temporada de resultados corporativos do 4º trimestre, que vai ganhando força com 26 balanços nos próximos dias. Entre os destaques estão a Itaúsa (ITSA4) nesta segunda e Magazine Luiza (MGLU3), na quinta-feira (21), ambas após o fechamento do mercado.

Entre outros destaques, atenção para Pão de Açúcar (PCAR4), CSN (CSNA3) e Via Varejo (VVAR3) na quarta-feira (20), além de Hypera (HYPE3), Natura (NATU3), Gerdau (GGBR4) e B3 (B3SA3) na quinta-feira (21).

Ainda na Bolsa, atenção para o fim do horário de verão, que não irá alterar o funcionamento da B3 por enquanto (só mudará em 11 de março). Apesar disso, a diferença de horário para os outros mercados será alterada, com atenção especial para as bolsas dos Estados Unidos, que passam a abrir agora às 11h30 no horário de Brasília.

Entre os indicadores, a semana começa mais tranquila por conta do feriado nos Estados Unidos de Dia do Presidente, que deve reduzir o volume do mercado brasileiro.

No Brasil, o principal dado será o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15), na quinta-feira (21) às 9h. Para a equipe de análise da GO Associados, o resultado deve ficar em 0,22%, ante alta de 0,30% registrados no mês anterior.

No exterior, a atenção fica para a ata da última reunião do Fomc, na quarta-feira (20), e a expectativa por maiores informações sobre os próximos passo do Federal Reserve em relação à política de juros nos EUA. Ainda nesta linha, a semana contará com discursos de diversos membros do Fed em dias diferentes, o que também pode movimentar o mercado.

Clique aqui para conferir a agenda completa de indicadores.

4. Crise no governo

O mercado aguarda a confirmação da exoneração do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno. Sua demissão não consta na publicação regular do Diário Oficial da União, mas a oficialização ainda pode acontecer por meio de uma edição extraordinária do documento ou ainda por comunicado do governo.

Bebianno era presidente do PSL durante a campanha de 2018 e o partido vem sendo questionado pelo uso de R$ 400 mil do fundo partidário em benefício de uma candidata pouco expressiva em Pernambuco. A interferência do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, teve efeito incandescente sobre a crise gerada pelas denúncias ao chamar Bebianno de mentiroso e negar que o ministro tivesse falado sobre o caso com Bolsonaro, que endossou a declaração de Carlos. 

Enquanto isso, a cúpula do governo trabalha para tentar reverter a agenda negativa e encerrar a crise o quanto antes. A aposta será principalmente no envio do pacote anticorrupção e na reforma da Previdência ao Congresso , prometidos para os dias 19 e 20, respectivamente. "O assunto terminou. A crise acabou. Ninguém mais vai falar sobre isso", disse uma fonte palaciana ao jornal Valor Econômico.

O vazamento da informação, ainda na sexta-feira (15), de que Bebianno seria demitido hoje serviu para engrossar o caldo da crise. Durante o fim de semana, Bebianno demonstrou estar magoado com Bolsonaro. "É um direito que ele tem exonerar quem ele quiser, é um governo dele", afirmou ontem, acrescentando que não deve dar declarações logo após a confirmação de sua saída. "Agora é hora de esfriar a cabeça", disse.

Embora a saída de Bebianno não tenha sido confirmada, a fila parece já ter andado. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Bolsonaro convidou o general da reserva Floriano Peixoto a assumir interinamente o Ministério da Secretaria-Geral. 

5. Noticiário corporativo

>> Por determinação do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, 170 moradores que vivem nos arredores da Mina Mar Azul em Nova Lima, a 45 quilômetros de Belo Horizonte (MG), foram retirados da região. As barragens B3 e B4 pertencem à empresa Vale, que alegou que estão desativadas.

Ainda no radar da mineradora, o Ministério de Minas e Energia definiu, por recomendação da Agência Nacional de Mineração, uma série de medidas de precaução de acidentes nas cerca de mil barragens existentes no país, começando neste ano e prosseguindo até 2021. A medida inclui a extinção ou descaracterização das barragens chamadas "a montante" até 15 de agosto de 2021. 

>> A Cosan negou informações de que esteja em qualquer tipo de tratativas ou negociações com a Previ (Caixa de Previdência dos Empregados do Banco do Brasil) para comprar a participação do fundo de previdência na Vale. 

Ontem, o colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, publicou nota informando que Rubens Ometto, dono e presidente do conselho de administração da Cosan, negocia com a Previ para comprar sua fatia na Litel. O fundo de pensão é dono de 80% da Litel, que possui 21% da Vale. 

>> A Gafisa anunciou que a Planner atingiu fatia de 18,45% das ações ordinárias, após o leilão em que a GWI reduziu sua participação de 50,17% para 7,7% das ordinárias e deixou o bloco de controle da companhia.

Além disso, houve mudanças no conselho de administração. No lugar de Mu Hak You à frente da presidência do conselho assumiu o ex-diretor presidente do Pão de Açúcar Augusto Marques da Cruz Filho, que é presidente do conselho da BR Distribuidora, vice-presidente do conselho da BRF e conselheiro da JSL e da General Shopping. A vaga de Thiago You passou a ser ocupada por Oscar Segall, um dos fundadores da Klabin Segall. 

>> A Berkshire Hathaway, do megainvestidor Warren Buffett, pode ficar com uma fatia relevante das ações do IRB Brasil Re colocadas à venda pela Caixa, segundo o Valor. A resseguradora anunciou  uma oferta pública restrita para vender ações detidas pelo Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEduc), gerido pela Caixa. Os papéis representam 8,9% do capital do IRB e movimentaria cerca de R$ 2,5 bilhões com base na cotação de quinta-feira. 

A Berkshire negocia a compra de uma parcela grande das ações incluídas na oferta, embora a proporção ainda não esteja definida, segundo disse uma fonte ao jornal. O tamanho da participação começará a ficar mais claro nesta semana, quando serão realizados encontros para apresentar a operação a investidores no Brasil e no exterior.

>> A ação da AES Tiete Energia foi rebaixada de neutra para venda devido ao valuation pouco atraente e o risco de diluição por potencial capitalização caso a companhia adquira o complexo eólico Alto Sertão III da Renova, segundo o analista do UBS, Marcelo Sá, em relatório. Como o histórico de alocação de capital da companhia é fraco, o UBS acredita que os investidores veem como negativa a potencial capitalização.

>> A ação da Ambev foi rebaixada de compra para manutenção pelo Santander com preço-alvo de R$ 19,50. 

(Com Agência Brasil, Bloomberg e Agência Estado)

 

Contato