Em mercados / acoes-e-indices

As maiores altas e baixas do Ibovespa em 2018

Sucesso ou furada? Listamos as empresas que dispararam e aquelas que deixaram de brilhar na bolsa durante o ano

Bear e Bull Market
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O ano de 2018 foi de grande volatilidade no cenário político-econômico. Tivemos guerra comercial entre Estados Unidos e China, eleições presidenciais no Brasil com vitória de Jair Bolsonaro (PSL), queda das taxas de juros no Brasil e aumento na dos EUA, entre outros.

Os mercados sofreram e enquanto algumas empresas viram suas ações afundarem no Ibovespa, outras surpreenderam e comemoraram ganhos de até 117,5%, como é o caso de Magazine Luiza (MGLU3).

Em uma retrospectiva do ano, o InfoMoney listou as 10 empresas brasileiras que mais subiram* e as 10 que mais caíram* na bolsa em 2018, seguindo alguns highlights dos principais destaques e eventos que afetaram as ações do índice. Confira:

10 maiores altas do Ibovespa

Liderando as altas do Ibovespa no ano está Magazine Luiza (MGLU3), com ganhos de 126%%. A queridinha dos investidores subiu 17.733% em apenas três anos e apresentou ótimos resultados ao longo de 2018.

No terceiro trimestre, por exemplo, a companhia teve um aumento de 29% no lucro líquido e continuou a surpreender positivamente os acionistas, vendendo na Black Friday (fim de novembro) o equivalente a 15 dias normais.

Em segundo lugar no ranking está Cemig (CMIG4), que avançou 116,76%. Influenciado pelas eleições, o papel começou a subir com o avanço de Antonio Anastasia (PSDB) e com as perspectivas de que Fernando Pimentel (PT) não ganharia as eleições do governo de Minas Gerais.

Quando Romeu Zema (Novo) ganhou força, o papel disparou, subindo 17,80% em 8 de outubro, na segunda-feira pós-primeiro turno. Neste cenário, qualquer discurso de privatização e venda de ativos da Cemig influenciava positivamente o desempenho das ações.

Também entre as grandes estrelas da bolsa no ano está Suzano (SUZB3), com alta de 104,73%. O papel começou a escalar na bolsa com as notícias de aprovação da fusão com a Fibria, resultando na maior empresa de papel e celulose do mundo. Além de ser uma empresa com bons fundamentos, Suzano se beneficia de uma alta do dólar e possui um alto potencial de sinergia com a Fibria.

Ainda nos destaques positivos do ano na bolsa está Petrobras (PETR4). Mesmo após a forte queda das ações nos últimos dois meses em meio à derrocada do petróleo, entraves na venda de ativos e impasse sobre a cessão onerosa, a estatal fechou o ano como uma das maiores altas do Ibovespa impulsionada pelo cenário eleitoral e com a visão positiva sobre a próxima gestão, de Roberto Campos Neto.

A expectativa é de que ele continue fazendo o trabalho iniciado por Pedro Parente e continuado por Ivan Monteiro à frente da estatal, com práticas mais pró-mercado. Com isso, as ações PN subiram 51,67% no ano.

Seja sócio das melhores empresas do país: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

Confira, abaixo, as ações que mais brilharam no Ibovespa em 2018:

Ações Ticker Alta no ano
1. Magazine Luiza MGLU3 126,34%
2. Cemig CMIG4 116,76%
3. B2W BTOW3 104,98%
4. Suzano SUZB3 104,73%
5. Gol GOLL4 71,92%
6. Fibria FIBR3 52,64%
7. Banco do Brasil BBAS3 52,40%
8. Petrobras (ON e PN) PETR3; PETR4 51,67%; 46,84%
9. Santander SANB11 37,90%
10. Natura NATU3 37,44%

As 10 maiores baixas do Ibovespa

A baixa mais brutal do Ibovespa neste ano foi da Cielo (CIEL3), com queda de 58,15%. A empresa que antes dominava o mercado de maquininhas, viveu em 2018 o seu “inferno astral”, marcado pelo aumento da concorrência, perda de participação no mercado e por uma política agressiva de preços do novo CEO, fazendo com que a empresa trocasse margem por market share.

Em novembro, o papel foi listado por gestores de fundos de ações em uma pesquisa feita pelo InfoMoney como uma das “black fraudes”, visto que embora o papel tenha caído muito, está longe de ser uma ‘pechincha’.

Outra ‘decepção’ na bolsa neste ano foi Qualicorp (QUAL3). A administradora de planos de planos de saúde coletivos começou a despencar quando o fundador da companhia, José Seripieri Filho, assinou um acordo que o impede de vender suas ações e abrir uma outra empresa no setor - os papéis chegaram a desabar 29% em apenas uma sessão por conta disso.

Ainda no ranking das maiores baixas da bolsa está Kroton (KROT3), com queda de 50,03%. Assim como a Cielo, a Kroton também foi listada como uma das ‘black fraudes’ da Bolsa, visto que em um cenário sem Fies, o desafio da companhia agora é mostrar que consegue se manter sem contar com esse importante programa.

A BRF (BRFS3) também encerra o ano no vermelho, com queda de 40,08%. A empresa não para de acumular prejuízos, perdendo espaço no mercado interno e somando um rombo de mais de R$ 2,3 bilhões.

Outro destaque foi o programa de fidelidade Smiles (SMLS3), que caiu 39,31% com as propostas da Gol de não renovar o contrato com a Smiles em 2032, e de fechar o capital da empresa.

Fuja das roubadas: abra uma conta gratuita na Clear e tenha acesso à melhor assessoria para seus investimentos!

Confira, abaixo, as ações que mais caíram na bolsa em 2018:

Ações Ticker Queda no ano
1. Cielo CIEL3 58,15%
2. Qualicorp QUAL3 56,90%
3. Kroton KROT3 50,03%
4. BRF BRFS3 40,08%
5. Smiles SMLS3 39,31%
6. RD RADL3 37,17%

7. Fleury

FLRY3 30,88%
8. Ultrapar UGPA3 27,31%
9. CCR CCRO3 26,84%
10. Marfrig MRFG3 25,41%

 

 

Contato