Em mercados / acoes-e-indices

Os 5 assuntos que vão agitar os mercados nesta quinta-feira

Reajuste dos ministro do STF e temporada de resultados corporativos prometem agitar esta quinta-feira

Jerome Powell
(Flickr/Federal Reserve)

SÃO PAULO - Após a segunda queda seguida do Ibovespa, descolando-se da bolsa norte-americana de olho nas declarações de Jair Bolsonaro sobre as reformas econômicas, o mercado nesta quinta-feira (8) deve reagir à aprovação pelo Senado da "pauta-bomba" que aumentou o salário dos ministros do STF e aos nomes cotados para fazerem parte do novo governo.

No exterior, o dia é de otimismo, com os mercados na Ásia e Europa ainda refletindo o resultado das eleições legislativas nos Estados Unidos e a euforia de Wall Street. Além disso, os bons números da temporada de resultados corporativos europeia animam os investidores locais.

Veja no que ficar de olho nesta quinta-feira (8):

1. Bolsas mundiais

A sessão desta quinta foi mista para os principais índices asiáticos, com algumas ações seguindo a euforia do mercado norte-americano na véspera após as eleições legislativas. O mercado também ficou atento aos números da balança comercial chinesa, que superou as projeções.

As exportações da China em dólares aumentaram 15,6% em outubro em relação a um ano atrás, superando a expectativa de 11% de crescimento. As importações, por sua vez, subiram 21,4% em relação ao ano passado, superando os 14% esperados.

No geral, o gigante asiático registrou um superávit comercial total de US$ 34,01 bilhões em outubro, ficando abaixo dos US$ 35 bilhões esperados pelos economistas.

Na Europa, o dia também é positivo guiado pelo bom humor nos EUA após as eleições e pela temporada de resultados, com destaque para o Société Générale e para o Commerzbank, que sobem forte após superarem as projeções de lucro. No mercado de commodities, o petróleo fica próximo à estabilidade, enquanto metais têm desempenho variado em Londres.

Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 8h21 (horário de Brasília):

*S&P 500 Futuro (EUA) -0,39%

*Dow Jones Futuro (EUA) -0,24%

*Nasdaq Futuro (EUA) -0,53%

*DAX (Alemanha) -0,09%

*FTSE (Reino Unido) +0,06%

*CAC-40 (França) -0,14%

*FTSE MIB (Itália) -0,44%

*Hang Seng (Hong Kong) +0,31% (fechado)

*Xangai (China) -0,22% (fechado)

*Nikkei (Japão) +1,82% (fechado)

*Petróleo WTI +0,79%, a US$ 62,16 o barril

*Petróleo brent +0,90%, a US$ 72,72 o barril

*Bitcoin US$ 6.479,53 -0,88%
R$ 24.147 -1,01% (nas últimas 24 horas)

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian +2,16%, a 520,00 iuanes (nas últimas 24 horas) 

2. Agenda do dia

O principal indicador desta quinta será a decisão do Fomc (Federal Open Market Committee), que apesar da projeção de manutenção dos juros nos Estados Unidos, deve dar mais sinais sobre seu planos para o atual ciclo de elevação das taxas e sobre uma possível alta em dezembro.

Proteja seu dinheiro das instabilidades: abra uma conta gratuita na XP, a melhor assessoria de investimentos do Brasil

No plano doméstico, o Banco Central realiza um leilão de swaps cambiais com a oferta de até 13.600 contratos para rolagem de contratos de dezembro. O leilão ocorre entre 11h30 e 11h40, com o resultado a partir das 11h50.

3. Noticiário político

Segundo o Estadão, diante das dificuldades no Congresso para aprovar a reforma da Previdência este ano, Jair Bolsonaro já trabalha em uma versão "light" do texto, formada por propostas que independam de alterações na Constituição. "Nós temos de ver aquela (proposta) que passa na Câmara e no Senado", disse o presidente.

Ainda sobre a reforma, a coluna Painel da Folha de S. Paulo diz que Temer e Bolsonaro discutiram o assunto em reunião na véspera. Enquanto isso, a equipe do presidente eleito já está se movimentando para viabilizar a aprovação na Câmara. Segundo o jornal, o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, recrutou um grupo de deputados influentes da velha guarda da Câmara para articular a votação.

Após a confirmação de Tereza Cristina para o ministério da Agricultura, Luís Fernando Serra e Graça Lima são cotados para chefiar o Itamaraty, enquanto, segundo o Valor, Ana Paula Vescovi é cotada para presidir a Caixa Econômica. Além disso, já teria sido feito o convite para que Mansueto Almeida continue no governo.

De acordo com o jornal, no caso do Banco Central, caso Ilan Goldfajn saia, Paulo Guedes estuda os nomes dos ex-BCs Mário Mesquita, do Itaú, e Beny Parnes, da SPX, além de Roberto Campos Neto, diretor do Santander, e do atual diretor do BC Carlos Viana.

Já no começo da noite de ontem, por 41 votos a 16, o Senado aprovou a "pauta-bomba" que reajusta os salários dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) em 16%, com a remuneração passando de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. O Projeto de Lei agora vai para sanção presidencial.

O valor recebido pelos ministros é considerado como o teto para o funcionalismo público no Brasil e, com este reajuste, deve ocorrer um efeito cascata, com impacto nas contas da União, Estados e municípios de R$ 4 bilhões em 2019, segundo cálculos das consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado.

A Polícia Federal está nas ruas do Rio de Janeiro cumprindo mandados de prisão contra 10 deputados estaduais e outras 12 pessoas na operação Operação Furna da Onça, um desdobramento da Operação Lava Jato.

As investigações miram um esquema de compra de apoio político de parlamentares. Sete deputados são alvo pela primeira vez das investigações, enquanto os outros são Jorge Picciani, Paulo Mello e Edson Albertassi, todos do MDB, que estão presos há quase um ano.

4. Tesouro Direto na IMTV

O programa Tesouro Direto com Ganhos Turbinados, apresentado pelo professor do InfoMoney, Alan Ghani, fala nesta quinta-feira (8) às 14h30 sobre o movimento dos juros a partir de agora. As taxas caíram após as eleições e abriram oportunidade para ganhos turbinados no Tesouro Direto, mas e agora, como fica?

5. Noticiário corporativo

O Banco do Brasil teve um lucro ajustado de R$ 3,4 bilhões no terceiro trimestre, aumento de 25,6% em relação ao resultado do mesmo intervalo em 2017 e em linha com as projeções do mercado. Entre junho e setembro, o banco somou R$ 636,95 bilhões em empréstimos, R$ 1,47 trilhões em ativos totais e R$ 12,58 bilhões em margem financeira gerencial. A taxa de inadimplência ficou em 2,83%, as despesas com provisão totalizaram R$ 3,23 bilhões e o retorno ajustado sobre patrimônio líquido (ROE) foi de 14,3%.

Sobre a Petrobras, o Senado aprovou o requerimento de urgência do projeto de lei da cessão onerosa em votação foi simbólica. Com o requerimento aprovado, o projeto de lei já pode entrar na pauta de votações da Casa, disse o presidente Eunício Oliveira. Ele convocou sessão de votações esta quinta, às 10 horas, porém, não é comum ocorrerem votações às quintas-feiras.

Carrefour teve um lucro líquido atribuído ao controlador de R$ 355 milhões no terceiro trimestre, uma queda de 37% em relação ao mesmo período do ano anterior. O Ebitda ajustado da rede de supermercados somou R$ 991 milhões no período, alta de 32,6% na comparação anual.

Apesar da forte geração de caixa e receita recorde no terceiro trimestre, a MRV teve um lucro líquido menor em comparação com o mesmo período de 2017, apresentando queda de 13,8%, para R$ 174 milhões. O Ebitda também caiu, 12,7% para R$ 238 milhões.

A Multiplus apurou um lucro líquido de R$ 64,9 milhões no terceiro trimestre deste ano, queda de 60% em relação ao mesmo período do ano anterior. A margem líquida foi de 52,6% e a receita líquida caiu 33,4%, para R$ 123,3 milhões.

A CSN apurou um lucro líquido de R$ 721,5 milhões entre junho e setembro deste ano, aumento de 218,6% na comparação com o mesmo período do ano passado, refletindo uma melhora no resultado operacional. A receita líquida da companhia subiu 28% no trimestre, enquanto o Ebitda somou R$ 1,63 bilhão, alta de 34% no período, com margem Ebitda de 25,2%.

O lucro da Ultrapar registrou um lucro líquido atribuível aos acionistas da companhia de R$ 327,3 milhões no terceiro trimestre, queda de 40% na comparação anual. O lucro líquido consolidado foi de R$ 323 milhões, baixa de 41%, influenciada principalmente pelo menor resultado de Ipiranga e desempenho negativo da Extrafarma.

(Com Agência Estado e Agência Brasil)

Proteja seu dinheiro das instabilidades: abra uma conta gratuita na XP, a melhor assessoria de investimentos do Brasil

 

Contato