Em mercados / acoes-e-indices

Investidor brasileiro é preso pelo FBI acusado de fraude de mais de US$ 750 mil

Marcos Elias estava preso na Suíça e agora foi extraditado para os Estados Unidos acusado de criar um esquema para roubar um banco em Nova York

Marcos Elias
(Divulgação)

SÃO PAULO - A Justiça dos Estados Unidos anunciou no último dia 28 de agosto que o gestor fundo Galleas, Marcos Eduardo Elias, que havia sido preso em junho na Suíça, foi extraditado para o país. Ele é acusado de participar de um esquema que desviou US$ 750 mil de um banco em Nova York.

De acordo com as autoridades norte-americanas, o esquema envolvia uma empresa de fachada no Panamá e uma conta bancária em Luxemburgo. O FBI (Polícia Federal dos EUA) diz que Elias fingiu ser funcionário do titular da conta na instituição e se aproveitou dessa mentira para roubar "centenas de milhares de dólares".

"Ele agora foi trazido de volta aos Estados Unidos para enfrentar a justiça e devolver o dinheiro que roubou", afirmou o diretor assistente do FBI, William F. Sweeney Jr..

O Departamento de Justiça dos EUA explicou que, desde pelo menos 2012, uma empresa brasileira mantinha uma conta em uma instituição financeira com sede em Manhattan e, a partir de junho de 2014, Elias esteve em correspondência com um vice-presidente sênior do banco em relação à conta do cliente.

A partir de então, este vice-presidente sênior passou a receber e-mails de um suposto funcionário de seu cliente pedindo que fossem transferidas quantias para uma conta em Luxemburgo. Com isso, a empresa transferiu cerca de US$ 752 mil, acreditando que ela era legítima e que tinha sido solicitada pelo seu cliente.

Depois, foi descoberto que esta conta era de Marcos Elias em nome de uma empresa do Panamá. A Justiça diz ainda que o gestor tentou obter dinheiro de uma segunda instituição financeira sediada em Manhattan, usando o nome e o passaporte de um correntista sem autorização.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

* A reportagem foi alterada às 19h30 para melhor refletir a acusação do governo americano

Contato