Em mercados / acoes-e-indices

Refinaria da Petrobras volta a operar, CSN cancela dividendos, alívio em sobretaxa do aço e outras notícias

Confira os destaques corporativos desta quinta-feira

Plataforma de petróleo
(Divulgação)

SÃO PAULO - No setor de petróleo e gás, a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) aprovou na quarta-feira (30) as primeiras empresas aptas a participar da 5ª Rodada de partilha do pré-sal. Foram aprovadas a BP, a CNODC, a DEA Deutsche Erdoel, a QPI, a Shell e a Total. Ao todo, 12 empresas manifestaram interesse à ANP, e outras solicitações serão analisadas nas próximas reuniões da Comissão Especial de Licitação da autarquia.

Confira os destaques corporativos desta quinta-feira (30):

Siderúrgicas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na noite de quarta-feira (29), que vai aliviar as cotas de importação de aço e alumínio que excedam as cotas livres do pagamento das sobretaxas impostas pelo governo em março. A decisão beneficia Brasil, Argentina e Coreia do Sul.

Até então, as exportações brasileiras de aço semiacabado estavam sujeitas a uma cota baseada na média vendida para os norte-americanos de 2015-2017, já a exportação de aço acabado estava limitada à cota de 70% da média desses anos. Com o anúncio de ontem, na prática, as empresas americanas ficam autorizadas a comprar os produtos desses três países sem pagar a sobretaxa mesmo que a cota seja ultrapassada.

Petrobras (PETR3; PETR4)

A ANP desinterditou na quarta-feira (29) as instalações da Refinaria de Paulínia (Replan), da Petrobras, que não foram afetadas pelo incêndio ocorrido no último dia 20. A agência  informou que a desinterdição ocorre após verificação das condições de segurança do isolamento das unidades envolvidas no acidente por uma equipe do órgão. 

  • Embora a retomada seja positiva, o fechamento da refinarias deve afetar o desempenho da estatal no terceiro trimestre e aumentar os recebíveis da Petrobras do subsídio ao diesel, os quais ainda não pagos pela ANP, destaca a equipe da XP Research, em relatório. 

CSN (CSNA3)

A CSN cancelou sua distribuição de dividendos no valor de R$ 890 milhões após decisão da Justiça de bloquear o pagamento dos proventos previsto para esta quinta-feira. “A companhia reitera sua confiança na rápida continuidade do alongamento de seu passivo financeiro, por meio do seu programa de desinvestimento em curso e da constante melhora operacional”, informou a empresa em fato relevante divulgado na noite de quarta-feira (29).

Eletrobras (ELET3; ELET6)

Acontece nesta quinta-feira o leilão de três distribuidoras da Eletrobras: Eletroacre (Companhia de Eletricidade do Acre), Ceron (Centrais Elétricas de Rondônia) e Boa Vista Energia, de Roraima. Os lances viva-voz e a posterior abertura do envelope de habilitação estão marcados para as 15h ( de Brasília) na sede da B3, em São Paulo.

As três distribuidoras integram um conjunto de seis que o governo espera privatizar até dezembro. Em julho, foi vendida a Cepisa (Companhia Energética do Piauí).

"Vemos a notícia como positiva para a Eletrobras e uma oportunidade de crescimento para os participantes do leilão", afirma a equipe de análise da XP Research, em relatório enviado a clientes. 

B3 (B3SA3)

A B3 lidera conversas com bancos, investidores e advogados para propor mudanças nas regras de ofertas de ações e aumentar a atratividade do mercado doméstico, informa o jornal Folha de S. Paulo, após empresas brasileiras anunciarem que abrirão capital em Wall Street. A B3 diz estar colaborando com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) com a sugestão de ideias para reduzir os custos regulatórios. A CVM ouve as sugestões para, futuramente, discutir em audiência pública uma nova instrução para regular todas as ofertas.

Em entrevista à Reuters, o presidente-executivo da B3, Gilson Finkelsztain, disse que de 15 a 30 companhias brasileiras estão prontas para listarem suas ações na bolsa até o final de 2019, movimento que pode deslanchar após o fim das eleições presidenciais deste ano, segundo o executivo.

Wiz (WIZS3)

A Caixa Seguridade anunciou ter chegado a um acordo com a francesa CNP Assurances para a criação de uma nova joint venture para explorar os ramos de seguro de vida e prestamista e os produtos de previdência na rede de distribuição da Caixa Econômica Federal, o chamado "balcão da Caixa". Para manter a exclusividade na exploração desses ramos, a CNP pagará à Caixa Seguridade R$ 4,65 bilhões, sem qualquer cláusula de performance para pagamento parcelado. 

Segundo os analistas do Itaú BBA, o anúncio está de acordo com as expectativas do mercado e é uma notícia positiva para Wiz.

Marisa (AMAR3) e Ultrapar (UGPA3)

A Marisa anunciou a saída de seu presidente, Marcelo Araújo, que assumirá o comando das operações da Ipiranga na Ultrapar. Ele será substituído por Marcio Goldfarb, como CEO interino, que já atuou como CEO da Marisa por 26 anos.

"Vemos a saída inesperada de Araújo como negativa, pois pode representar obstáculos adicionais ao longo processo de recuperação da Marisa. No geral, mantemos nossa visão cautelosa da ação com base nas perspectivas desafiadoras de curto prazo e o fraco ambiente de vendas, e com a empresa ainda lutando para atrair clientes para sua loja e completar seu turnaround", afirmam os analistas do Brasil Plural. 

Por outro lado, a equipe de análise não acredita que essa mudança deva representar uma alteração na estratégia de longo prazo da empresa. "Por enquanto, acreditamos que a Marisa deve continuar focada em seu mercado principal, mulheres de classe C, enquanto continua com seu plano de recuperação para promover as vendas no varejo e manter um rígido controle de despesas, combinado com o foco em uma gestão assertiva do ciclo de caixa", escreveram os analistas em relatório.

Para a Ultrapar, a XP Research considera que a notícia é potencialmente positiva e remete à revisão em curso da estratégia da Ipiranga para recuperar mercado e preservar margens.

Cemig (CMIG4)

  • Segundo o jornal Valor Econômico, como parte de seu processo de reestruturação de dívidas, a Santo Antonio aprovou a conversão de uma dívida de R$ 1 bilhão em capital. A dívida mencionada é detida pelos também acionistas Furnas, Odebrecht Energia e FIP Amazônia, que aumentariam sua participação na usina.
  • "A notícia é negativa para a Cemig dada a diluição potencial de sua participação na usina, o que poderia reduzir o impacto positivo de uma potencial venda do ativo", avalia a XP Research.
  • Rumo (RAIL3)

  • De acordo com fontes ouvidas pelo jornal o Estado de S. Paulo, a Sumitomo está em conversas avançadas para negociar fatia na Malha Sul, que necessita de elevados investimentos para recuperar os trilhos e melhorar a operação, de acordo com a reportagem.
  • Embora ainda não exista nada concreto sobre a operação, a venda de uma participação poderia vir a gerar valor para a companhia, observa o time de análise da XP Research.

Quer proteger seus investimentos das incertezas das eleições? Clique aqui e abra sua conta na XP Investimentos

Contato